sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioEm PautaCarta-denúncia á USP

Carta-denúncia á USP

No dia 25 de maio, em meio ao racismo da Universidade de São Paulo, o universitário Ricardo Lima da Silva se suicidou. Ele tinha apenas 31 anos, era estudante de Geografia e morador do Conjunto Residencial da USP (CRUSP). De acordo com os relatos de seus amigos próximos, a forma pela qual Ricardo era tratado pelos seus colegas de turma e também pelos docentes impactou diretamente na sua saúde mental, o que, infelizmente, não é uma situação isolada, pelo contrário, estudantes negros e negras da Universidade de São Paulo sabem bem o quanto a violência material e simbólica está presente em toda a estrutura dessa universidade, desde a ausência de corpos negros (especialmente entre discentes e docentes), passando pelas bibliografias das disciplinas, formadas majoritariamente por homens e mulheres brancos/as, europeus e heterossexuais, pela desqualificação das pesquisas s com a temática racial, até a ausência de um verdadeiro estudo a respeito das desigualdades que envolvem nós negros e negras da USP.  

Essa estrutura, que cabe ressaltar está presente em “todas” as universidades públicas, reforça o mito da democracia racial, camufla as diversas violências que ocorrem no cotidiano das universidades do país e mata jovens universitários negros e negras.

O racismo mata e matou Ricardo.

É preciso entender que o racismo adoece e esse é o perigo que nós corremos, pois existe uma aparente inclusão do negro na sociedade, mas esse adoecer psíquico é muito mais eficiente do que a segregação e a discriminação”, já dizia o autor Ale Santos.

 Ricardo sabia disso tudo. Ricardo vivenciou tudo isso. Sozinho. Ele tinha consciência do quanto o racismo estava afetando sua vida e, por isso, buscou ajuda através de acompanhamento psicológico. Entretanto, a Universidade de São Paulo, a última a aderir ações afirmativas para ingresso na graduação, não possui nenhum atendimento psicológico com viés racial e, mais uma vez, Ricardo não foi escutado.

Ricardo relatou que a universidade estava deixando ele doente e tinha cansado de pedir ajuda, pois nunca era ouvido. Mesmo diante de toda essa situação, e de todas essas manifestações, as pessoas que compõem a gestão dessa universidade (reitores, diretores, docentes e demais profissionais da Superintendência de Assistência Social – SAS) desprezaram todos os sinais que o estudante apresentou, além de optarem por não informar a família do jovem universitário negro, que morava nas dependências da USP.  

Sabemos o quanto é importante a luta pelo acesso à universidade pública, que ainda hoje nos é negado devido às disparidades sócio-econômicas e também raciais. Por isso, trata-se de uma demanda que há muitos anos reivindicamos, porém quando finalmente acessamos, percebemos que ser uma pessoa negra na universidade pública é você olhar para mil pessoas e não ver ninguém parecido com você. Como dizia o professor Milton Santos, “é péssimo ser uma exceção”, porque sabemos o quanto ocupar esse espaço afeta diretamente nossa saúde mental, ainda mais quando não encontramos espaços em que podemos nos reconhecer.

Não podemos deixar de nos posicionar após a perda de um colega do nosso curso!

Nós, do Núcleo de Estudantes e Pesquisadoras Negras da Geografia da USP (NEPEN – GEO USP), denunciamos a Universidade de São Paulo, por banalizar a questão racial e não reconhecer o quanto o racismo institucionalizado adoece, exclui e mata seus/suas estudantes, além de se omitir na criação de políticas que garantam, de fato, uma permanência digna aos/às estudantes que historicamente foram impedidos/as de acessar esse espaço.

A USP, assim como muitas universidades, não reconhece o racismo vivenciado nos corredores, sala de aula e demais espaços de convivência. Essa carta manifesta nossa profunda tristeza, mas também denuncia o racismo que nossos corpos sofrem em todas as instâncias dessa sociedade há mais de 500 anos.

Desta forma, questionamos profundamente o silenciamento desta universidade, silenciamento este que revela um projeto que produz e reproduz o racismo institucional. É necessário muito mais do que rasos e simples pronunciamentos, mas sim de ações diretas e estruturais que reconheçam que o racismo não é apenas uma questão de acolhimento, mas uma estrutura social que está presente diariamente em nossas vidas.

São Paulo, 8 de junho de 2021.

NEPEN – GEO USP

Assinam a carta:

Fernanda Lima da Silva (irmã de Ricardo) Tatiana Lima da Silva (irmã de Ricardo) Felipe Lima da Silva (irmão de Ricardo) Vanilsa Vieira Silva (irmã de Ricardo) Rede Geógraf@s Pret@s Coletivo e Curso Popular Edson Luis (UFSJ) Coletivo de Cotistas Andrea Marques – Programa de Pós Graduação em Educação FaE/UFMG Grupo de Terapia afrocentrada da UFMG Quilombo Cabeça de Nego, Grupo de estudantes afrocentrados no IFSP Mandata AtivOz Laboratório de Estudos de Gênero, Étnico-raciais e Espacialidades/Universidade Federal de Goiás – LaGENTE/UFG Coletivo de Estudantes Negros das Ciências Exatas da UFMG – IVONE NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE TERRITÓRIO, AÇÕES COLETIVAS E JUSTIÇA-NETAJ/UFF, Erica Malunguinho, Casa das Pretas/RJ . Associação de mulheres negras Aqualtune Coletivo e Curso Popular Edson Luis (UFSJ) Grupo de Pesquisa em Geografia de Geografia Humana Aplicada / GHAP – UFSJ Rita Montezuma, DEPTO GEOGRAFIA/UFF/NIPP “Palavra-Corpo” – Projeto de Extensão da UFPB Grupo de Estudos Estéticas Diaspóricas – GEED    ENUFF-Encontro de Professoras/res Negras/os, Ativistas e Militantes Antirracistas/UFF Programa Ações Afirmativas / UFMG Curso de Extensão Formação Pré-Acadêmica ‘Afirmação na Pós’ /UFMG Instituto de Formação Humana e Educação Popular – IFHEP Mandume – Coletivo Negro da Geografia UERJ/Maracanã Gracileide Ferreira do Nascimento – Professora de Geografia EBTT – IFCE/Campus Jaguaribe e Coordenadora do NEABI/Jaguaribe Thiago Sebastiano de Melo – CET/UNB Coletivo RUA – Juventude Anticapitalista Centro Acadêmico Guimarães Rosa de Relações Internacionais da USP Dandara – Coletivo de mulheres Negras – Unesp/Rio Claro Centro Acadêmico da Pedagogia Chapa Andreza Barbosa – Instituto de Biociências IB/UNESP-Rio Claro Café Geográfico – Grupo de estudos da Geografia Unesp Rio Claro Grupo de Estudos e Pesquisa em Raça, Desigualdades e Políticas Públicas- GEPERPP/ NEABI- IFMA Campus Grajaú Coletivo Negro Simone Maia/ instituto de Biologia- UNICAMP/Campinas-Sc Equipe Travessias – co-curadoria da 13a Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo Núcleo de Extensão e Cultura em Artes Afro-brasileiras da USP, Sílvia Lopes Raimundo – Instituto das Cidades Unifesp/Fórum de Cultura da Zona Leste,Tatiana Freitas Stockler das Neves – Centro de Psicologia Aplicada ao Trabalho/Laboratório de Estudos do Imaginário – IPUSP–  Grupo de Trabalho de Geografia e Relações Étnico-Raciais da AGB-Juiz de Fora Escola Caxuté – Primeira Escola de Religião e Cultura de Matriz Africana do Baixo Sul da Bahia Centro Acadêmico de Geografia da Universidade Federal de São João Del Rei Comunidade de Terreiro do Campo Bantu-Indígena Caxuté Instituto Costa do Dendê Mbanza Lwangu – Terreiro Bem Viver – Taperoá/BA PSOL Taperoá/BA Jornal Folha da Costa Aldeia Aymoré – Serra Grande – Valença/BA Museu da Costa do Dendê de Cultura Afro Indígena Conselho Municipal de Saúde de Valença/BA Coletivo Arvoredo Negro – Faculdade de Educação/Unicamp- Campinas/SP AGB – Seção Rio de Janeiro Diosmar Marcelino de Santana Filho – Doutorando do PÓSGEO – UFF Pesquisador Associado da Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros (as) – ABPN. Grupo de Pesquisa História do Estado, Direito e Direitos Humanos (GPhEDDH-UFBA) AGB – Seção Local Juiz de Fora Núcleo de estudos Africanos e Afrodiaspóricos da UEG Manoel Santana -DGeo-UERJ/FFP Grupo de Estudos do Núcleo de Estudos e Trabalhos Terapêuticos (NETT) | IP | USP Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise (Latesfip) | IP | USP 55 – Núcleo de Estudos Afro-brasileira e Indígenas _ Neabi Quixadá Fórum de Negras e Negros da Geografia da UECE Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (SINTEPP), Subsede Redenção Grupo Interdisciplinar de Raça e Política (Coletiva Gira) | Política USP AGB – Seção Fortaleza AGB – Seção Caicó Rio Grande do Norte Centro Acadêmico da Pedagogia ‘Maurício Tragtenberg’ – Araraquara Centro Acadêmico de Ciências Sociais “Florestan Fernandes” – Unesp Araraquara Centro Acadêmico Osamu Shimomura – Unesp Araraquara Centro Acadêmico de Cultura e Estudos em Letras “Paulo Leminski”- Unesp Araraquara Centro Acadêmico de Filosofia João Cruz Costa – (CAF-USP) Diretório Acadêmico de Gestão Ambiental (DAGA-USP) Centro Estudantil da Psicologia (CEP USP RP) Centro Acadêmico da Engenharia de Produção (CAEP – Poli USP) DCE Livre da USP “Alexandre Vannucchi Leme” Robson Ferreira e Britto – UFF Centro de Estudos Periféricos – CEP – UNIFESP DATER – Diretório Acadêmico Telma Regina, Geografia/UFF Convoca Já – Coletivo independente dos/das docentes da Rede de Ensino de São Paulo NEAB- Viçosa Centro Acadêmico da Biologia – UNESP /Rio Claro/ SP Centro Acadêmico de Administração Pública “Murilo Rosendo da Silva” – Unesp Araraquara Adriana Maria Lanziotti – Ciências Biológicas/UERJ Carlos Humberto da Silva Filho, Geógrafo – Diáspora.Black Coletivo Territorialidades (ZS) Cursinho Comunitário A- Sol- Guarulhos GENÍ – Grupo de Pesquisa e Estudos sobre Geografias Negras e Indígenas /DCG – UFPE Geo-grafias negras CNPQ/CTUR/UFRRJ Amarelitude- Racialização Amarela Centro Acadêmico de Geografia – UFBA GRAFIAS NEGRAS DA ZONA DA MATA MINEIRA-Laboratório GRAFIAS/Departamento de Geografia/UFV AGB – Seção São Paulo Núcleo de estudos Afro-brasileiros de Viçosa (NEAB) Coletivo Ubuntu- EEL/USP Coletivo Elza Soares – USP Coletivo Escuta Preta -USP Coletivo Opá Negra- ECA/USP Poli Negra- USP Coletivo Diogo Silva- USP Grupo de Pesquisa Marxismo e Cultura – Diversitas – USP Maria Isabel de Jesus Chrystostomo- UFV Autogestão Alojamento USP São Carlos Grêmio da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (GFAUD) Diretório Acadêmico de Lazer e Turismo (DALAZ USP) Centro Acadêmico Barbara McClintock (CABaM) Diretório Acadêmico de Licenciatura em Ciências da Natureza (DALICINA) Centro Acadêmico Arnaldo Vieira de Carvalho (CAAVC – FoFiTO) Centro Acadêmico de Farmácia-Bioquímica (CAFB) Centro Acadêmico XXXI de Outubro Associação de Engenharia Química (AEQ – POLI USP) Coletivo Tarja Preta – Farmácia USP Centro de Engenharia Elétrica e de Computação da Poli USP Centro Acadêmico Oswaldo Cruz (CAOC – Medicina) AMORCRUSP Centro Acadêmico do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas – CAIAG-USP Centro Moraes Rêgo (CMR Poli-USP) Centro Acadêmico de Engenharia Ambiental (CAEA – Poli USP) Fateliku – Grupo de Pesquisa sobre educação, relações étnicos-raciais, gênero e religião – FE-USP Escola Tamuya de Formação Popular Grupo de Capoeira Angola Guerreiros de Senzala Associação de Negros Feanos da USP (ANFEA-USP) CEGE – Centro de Estudos Geográficos “Filipe Varea Leme” – Geografia/USP Coletivo de Capoeira Angola no CEPE-USP Me Parió Revolução – Selo editorial negro, feminino e independente Coletivo Negro Mandume – Faculdade de Engenharia de AlimentosUnicamp/Campinas-SP Grupo de Trabalho de Geografia e Relações Étnico-Raciais da AGB-Juiz de Fora Fórum de Cultura da Zona Leste Marcha das Mulheres Negras de SP Coletivo Cartografia Negra UNEAfro- Brasil Associação de Pós Graduandas/os da Unesp Rio Claro GT Ações Afirmativas na Pós Graduação – Rio Claro/SP Articulação Nacional de Psicológas(os) Negras(os) e Pesquisadoras(es) – ANPSINEP Instituto Amma Psique e Negritude AGB – Seção Vitória AGB – Seção João Pessoa Negrume – Cultura e Consciência Negra Mandato Quilombo Periférico GIRA – Coletiva de estudo-intervenção antirracista e anticolonial Núcleo FEA de Pesquisa e Extensão em Gênero, Raça e Sexualidade (GENERAS) AGB – Seção Belo Horizonte Centro Acadêmico Josué de Castro – CAGEO UERJ/Maracanã Observatório Urbano de São João Del Rei (Minas Gerais) Centro Acadêmico Gilda de Mello e Souza (Têxtil e Moda – EACH USP) Centro Acadêmico de Obstetrícia (CAOBS – Nelly Venite EACH USP) Centro Acadêmico Flaviana Condeixa Favaretto (CAFCF – FEA-RP/USP) Confederação Nacional de Entidades de Estudantes de Geografia (CONEEG) Centro Acadêmico de Geografia da UFPA – CAGE Belém Centro Acadêmico de Geografia da UFPR – Gestão Capivara Centro Acadêmico de Geografia UNIOESTE/ Francisco Beltrão Centro Acadêmico de Geografia CEGeo – UFAM Centro acadêmico de Geografia CAGENS – IFPA Campus Belém Centro Acadêmico de Geografia – IFB Campus Riacho Fundo Centro Academico de Geografia – Unesp Presidente Prudente, Chapa Nazca 20/21 Centro Acadêmico de Geografia – UFBA; Gestão Kirimurê Centro Acadêmico de Geografia – UFPR Litoral Centro Acadêmico 29 de Maio/UFG Centro Acadêmico dos Estudantes de Geografia – Unesp Rio Claro Centro Acadêmico de Geografia UPE/Campus Garanhuns Centro Acadêmico de Geografia – CAGEO/UVA Centro Acadêmico de Geografia – CAAGEO UECE Centro Acadêmico Karla Leandra Guedes da Cunha – CAGEO UERJ FFP Centro Acadêmico de Geografia – Marco zero do equador CAGEO UNIFAP Centro Acadêmico de Geografia Hudson Lobato de Azevedo – CAGEO IFF Campus Campos Centro Centro Acadêmico de Geografia MOVE GEO – UNEB CAMPUS – XI Serrinha – Bahia Centro Acadêmico dos Cursos de Geografia Licenciatura e Bacharelado – UFFS/Erechim Bas’Ilele Malomalo – Associação Comunidade Madinatu Munawara Cicí Andrade – Grupo de pesquisa África-Brasil/Unilab Grupo de Estudos Geografia Preta – UFSC Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Gênero e Raça – Educagera NEALA/UNILA Núcleo de Estudos Yabás Grupo Costeiros – Universidade Federal da Bahia Projeto Nova Cartografia Social – NEA- Quilombos do Nordeste – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Alex Ratts / UFG Carolina Silva Sapucaia – Grupo Costeiros – Universidade Federal da Bahia Coletivo Negro Raízes da UFSCar – Sorocaba Gabriel Fortunato – Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros – NEAB/UEMGCARANGOLA GT de Relações Raciais e Interseccionalidades da AGB Niterói Coletivo Negro Andrelino Campos – Geografia/UFRJ Kênia Gonçalves Costa – Geografia UFNT/UFT Grupo de estudantes do PPG Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades | Diversitas | FFLCH | USP Aila Cristina Costa de Jesus/Grupo de Estudos Negros NUREG- Núcleo de Estudos Território e Resistência na Globalização (UFF) LEMTO – Laboratório de Estudos Território e Resistência na Globalização (UFF) Projeto Observatório de Direitos Humanos em Escolas do Núcleo de Estudos da Violência da USP

Imagem em destaque: Reprodução/ Uneafro Brasil

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

RELATED ARTICLES