Cartados pós-graduados em apoio a Dilma Rousseff (Assine se Apoiar)

Caso concorde com os termos da carta, favor assinar e responder esse email com seu nome, programa de pós-graduação e instituição.

Por favor, precisamos de sua ajuda na divulgação desta carta.

Quem assinar envia cópia para [email protected].

===================================================================================================

CARTA DOS PÓS-GRADUANDOS

Pós-graduandos das diversas universidades e institutos de pesquisa do Brasil, vimos a público testemunhar o novo momento em que vive a educação, ciência e tecnologia em nosso país e a necessidade de se manter esse rumo de valorização permanente do conhecimento e inovação, inaugurado no governo Lula/Dilma Rousseff.

Importante, seguindo a tradição científica, fazer uma comparação, baseada em dados reais, sobre os últimos governos no que tange à política científica.

Fomos testemunhas de um período de oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso e José Serra em que não houve sequer um reajuste nas bolsas de pós-graduação e de Iniciação Científica. Nenhuma universidade foi criada e tampouco houve concursos para professores efetivos. O diálogo entre o Ministério da Educação e da Ciência e Tecnologia, bem como suas agências (Capes e CNPq) com os pós-graduandos e suas entidades representativas, inexistiu. O Plano Nacional de Pós-graduação (PNPG) foi abandonado. O investimento em C&T jamais superou a taxa de 1% do Produto Interno Bruto (PIB). A taxa de bancada e o auxílio-tese foram extintos. Professores eram desvalorizados e greves eram sentidas todos os anos. Os reflexos desse descaso com a C&T são perceptíveis até os dias atuais.

Já nos oito anos de Governo Lula e Dilma Rousseff, presenciamos três reajustes de bolsas de pós-graduação e Iniciação Científica. A bolsa de Iniciação Cientifica Júnior (voltada a estudantes do ensino médio) foi implantada. Criou-se 14 novas universidades e houve expansão de diversos campi (além da efetivação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia) com milhares de vagas para professores e pesquisadores sendo abertas cotidianamente. O diálogo democrático foi retomado. Já estamos na consecução do segundo Plano Nacional de Pós-graduação sob os auspícios do governo Lula. O Investimento em C&T já está na ordem dos 2% do PIB. A taxa de bancada, por parte do CNPq, foi retomada e as mulheres pós-graduandas foram beneficiadas com a prorrogação das bolsas em caso de gravidez (“licença-maternidade”). Professores estão sendo mais valorizados e como reflexo vivemos um período de maior tranquilidade nas universidades e institutos de pesquisa federais.

Claro que muitos avanços ainda se fazem sentir. Mas foi notório, incisivo e contundente a ampliação nos investimentos em ciência e tecnologia nacional no governo Lula.

Em defesa da continuidade destas políticas e em repúdio ao receituário neoliberal passado, reafirmamos nosso compromisso EM DEFESA DA CIÊNCIA NACIONAL, defendendo que o Brasil siga no rumo das mudanças, com Dilma Rousseff presidente da Nação.

São Paulo, 13 de outubro de 2010.

Elisangela Lizardo – Mestre em educação – PUC/SP e presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG)

Luciano Rezende Moreira – Doutorando em Fitotecnia – UFV. Ex-presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG), gestão: 2002-2003 e 2004-2005.

Elisa de Campos Borges – Doutoranda em Historia Social – UFF. Ex presidente da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), gestão 2005-2006.

Juliana Gonçalves Vidigal – Doutoranda em Engenharia de Alimentos – UFV. Professora do IFF.

Júlio Alves da Silva Neto – Biólogo e mestrando em farmacologia pela UNIFESP. Diretor de Políticas Educacionais da ANPG.

Deusa Maria de Sousa – Doutoranda em história – UFSC.

Angélica Karlla Marques Dias – Doutoranda em Ciências Sociais – PUC/SP

Antônio F. C. Arapiraca – Doutorando em Física – UFMG, professor do CEFET/MG e ex-vice-presidente Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), gestão 2004-2005.

Tauanne Dias Amarante – Mestranda em Física – UFMG .

Lívia Siman Gomes – Doutoranda em Física – UFMG .

Diego da Cunha Carvalho – Mestrando em Física – UFMG.

Daniel Bretas Roa – Doutorando em Física – UFMG .

Fernando Pereira de Faria – Doutorando em Física – UFMG .

Leonardo Gabriel Diniz – Doutorando em Física – UFMG, professor do CEFET-MG .

Jose Geraldo Gonçalves de Oliveira Júnior – Doutorando em Física pela UFMG e Professor da UFRB .

Antonio Lafayette Lins Freire Vasconcellos – Mestrando em Física – UFBA

Emanuel Lins Freire Vasconcellos – Mestrando em Direito Público – UFBA / Advogado

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente....

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram...

para lembrar

Zeca Pagodinho sobre filho: “Não me senti emocionalmente preparado para o final”

O cantor Zeca Pagodinho perdeu o filho mais velho, Elias...

Pesquisadores negros depõem na CPI da Violência Urbana em Brasília

Fonte: Jornal Ìrohin Por Jamile Menezes “Nós não nascemos...

Lula suspende viagens até janeiro

A agenda de viagens nacionais e internacionais do ex-Presidente...

Promessas de Serra na campanha já foram alvo do TCE de São Paulo

Por: BRENO COSTA Algumas das principais bandeiras hoje empunhadas...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais" foi marca de destaque da convenção do Vox - Viva 24,...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05) o Projeto de Lei 4.129/2021, que cria diretrizes para a elaboração de planos de adaptação à...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram emergência no Maranhão devido às fortes chuvas que atingem todo o estado. A informação foi...
-+=