Caso New Hit: 2 garotas estupradas por 8 homens e o silêncio na mídia – Por: Jarid Arraes

A grande mídia televisiva tem um modus operandis bastante perverso quando se trata de promover sensacionalismo; por isso, nem sempre essa é a melhor forma de ficar a par das últimas notícias. Enquanto todo o foco das atenções é direcionado para casos das regiões Sudeste e Sul, temas e situações extremamente pertinentes para o povo brasileiro são deixados de lado.

Um exemplo dessa seletividade excludente é o caso das duas adolescentes que foram estupradas pelos 8 integrantes da banda New Hit, em Ruy Barbosa, Bahia. Há mais de um ano os estupradores permanecem impunes, mesmo após todo tipo de averiguação e análises de DNA, que atestam que o sêmen encontrado nas vítimas pertence a seis deles e comprovam a participação dos outros dois. As meninas de 16 anos, que entraram no ônibus do grupo para pedir autógrafos, foram estupradas em turnos enquanto um PM estava do lado de fora do ônibus e garantia que ninguém interrompesse. Como se não bastasse esse cenário, que já é um horror para qualquer mulher, os membros da banda ainda criaram uma nova música com uma letra intimidadora e as garotas passaram a receber ameaças de morte.

Enquanto as duas garotas precisaram recorrer a proteção policial para terem um pouco de segurança, os shows da banda New Hit se multiplicaram. Vários grupos feministas em todo o país, como por exemplo o Núcleo Negra Zeferina, sempre presente nos protestos e campanhas de conscientização, pressionaram casas de eventos a cancelarem contratos com a banda. Mas apesar de todos os esforços, desde o registro da ocorrência há mais de um ano, o julgamento já foi adiado duas vezes. Na última terça-feira o julgamento teve início e a defesa dos músicos foi novamente vitoriosa em adiá-lo para os dias 17, 18 e 19 desse mês. Mesmo com todo esse infindável drama e dificuldade judicial, e apesar do nível hediondo do crime, a grande mídia continua não dando atenção para o caso.

Quando o assunto é estupro, a cobertura jornalística é bastante uniforme: há muitas insinuações a respeito do caráter das mulheres estupradas, sempre abordando o tema como se tudo não passasse de fantasia e invenção da vítima, sem qualquer compromisso em facilitar um debate sério e efetivo sobre o problema. Há muita misoginia em nossa cultura e, ao contrário do que o senso comum prega, o jornalismo não é uma entidade imparcial e imune aos valores culturais da sociedade. Portanto, jornalistas também reproduzem e naturalizam idéias e atitudes machistas. É muito difícil encontrar profissionais empáticos no meio jornalista e os crimes sexuais são sempre encarados com muita naturalidade.

Caso New Hit: 2 garotas estupradas por 8 homens e o silêncio na mídia - Por: Jarid Arraes
Caso New Hit: 2 garotas estupradas por 8 homens e o silêncio na mídia – Por: Jarid Arraes

Mesmo que a mídia pareça repudiar tão veementemente casos de abuso sexual contra menores de idade, não há real esforço em levar o crime da banda New Hit ao conhecimento da população. É notável que as vítimas não são da elite do sudeste, mas sim garotas simples do interior da Bahia, no Nordeste do Brasil, e não há glamour em armar um sensacionalismo ao redor do caso. Não é absurdo perceber o elitismo midiático, que se junta à misoginia para omitir crimes de forma assustadora e quase inacreditável.

É muito preocupante pensar que um estupro coletivo de duas garotas menores de idade, cometido por oito homens e com a ajuda de um Policial Militar, não cause choque. Os estupradores continuam livres, fazendo shows em ambientes lotados de outras adolescentes, e ninguém parece se perturbar com a possibilidade de mais moças serem estupradas. Não é preciso ser grande entendedor da Lei para concluir que homens que estupram seguidamente duas adolescentes são um grupo perigoso que precisa ser detido. Mas a realidade é que quando as vítimas tomam coragem para denunciar seus agressores, além de desacreditadas, precisam lidar com a omissão da justiça.

Apesar da grande responsabilidade que a mídia tem por essa falta de atenção ao crime, não seria correto achar que o problema é culpa exclusiva dos jornalistas. A reprodução da misoginia e do ódio ao feminino, visualizando mulheres sempre como “piriguetes”, “vadias” e “estupráveis”, não é exclusividade dos meios midiáticos. Esses valores são uma parte vergonhosa, mas inegável da cultura brasileira. Os pensamentos de que algumas mulheres valem mais que outras, que certos tipos de roupa provocam estupro e que a culpa pelo estupro é da vítima são as causas desse tipo de quadro assustador.

Não adianta considerar o caso das garotas de Ruy Barbosa como algo isolado. O estupro é uma ocorrência social profundamente enraizada em nossa cultura. Não é verdade que todos estupradores são sociopatas que atacam desconhecidas em becos escuros: pelo contrário, denúncias mostram que a maioria dos estupradores são pessoas comuns, como pais, tios, irmãos, namorados, amigos… e músicos. Os integrantes da New Hit são considerados homens comuns, mas são admirados, e a intensidade do crime cometido é severamente reduzida ou até mesmo ignorada.

É preciso falar mais sobre os estupradores da banda New Hit em apoio as duas vítimas, para gerar mais pressão popular e para que o crime jamais seja esquecido. Façamos o julgamento ocorrer o quanto antes e com justiça, em solidariedade às garotas e às milhares de mulheres que são estupradas todos os dias em situações comuns. Enquanto mulheres forem encaradas como presas sexuais, sem o direito de dizer não, a impunidade permanecerá em casos de estupro. Somente ao levantarmos a voz será possível alguma transformação relevante em nossa sociedade.

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Fundamentalismo não pode impedir políticas para a população trans e travestis

Neste ano, os desafios das defensoras dos direitos da...

ONU e UnB promovem ‘Diálogos Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50’

Os 30 anos da articulação política do movimento de...

Professora é a 2ª travesti no país a estar num programa de Doutorado

É do Mato Grosso e da Secretaria de Estado...

Chimamanda Ngozi Adichie explica o que realmente disse sobre Beyoncé em crítica ao jornalismo sensacionalista

A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie (de “Americanah“) se...

para lembrar

Gisele Santos Soares é a nova ‘Deusa do Ébano’ do Ilê Aiyê

Gisele é professora e moradora do bairro de Itapuã no...

Desembargadora cassa decisão de juiz que anulou união homoafetiva em GO

Beatriz Franco estuda abrir processo disciplinar contra o magistrado A...

“O futuro não está no Vale do Silício. Está na quebrada”

Monique Evelle é considerada uma das principais vozes do...

Tributo por Sueli Carneiro

Quase tudo já foi dito sobre a importância histórica...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=