Centenas de mulheres quilombolas se encontram em Brasília para debater direitos e garantias

2° Encontro Nacional de Mulheres Quilombolas da Conaq ocorre entre os dias 14 e 18 de junho na capital federal

A partir da próxima quarta-feira (14), mulheres quilombolas do Brasil e da América Latina se reúnem em Brasília para um encontro onde serão debatidas políticas públicas e a luta por direitos. A organização do evento espera a participação de cerca de 300 lideranças.

Elas integrarão as atividades do 2° Encontro Nacional de Mulheres Quilombolas da Coordenação Nacional de Articulação de Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), que será realizado até 18 de junho. A Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, confirmou participação na cerimônia de abertura.

Com o tema Resistir para Existir, o evento vai discutir caminhos para o combate a violência. Estátisticas do Atlas da Violência mostram que, entre as mulheres assassinadas no Brasil em 2019, 66% eram negras. O risco relativo de uma mulher negra ser vítima de homicídio é 1,7 vez maior do que o de uma mulher não negra.

A falta de representatividade para esta população em espaços políticos e decisórios também entrará em debate ao longo do encontro. A ideia é trocar experiências entre as diversas comunidades envolvidas e apresentar propostas de enfrentamento às desigualdades raciais, sociais e de gênero.

Na programação estão previstos espaços de diálogo sobre renda, bioeconomia, racismo ambiental, alimentação, acesso à educação, comunicação e direitos humanos. Além disso, serão realizadas atividades culturais, oficinas e a Mostra de Saberes e Fazeres de Mulheres Quilombolas, com produtos, artesanatos e publicações.

O encontro será cenário também para a produção de um documento público com propostas baseadas nos debates realizados no evento. A realização é do Coletivo de Mulheres Quilombolas da Conaq, que se propõe a levar o feminismo e a luta pela igualdade às comunidades rurais.

+ sobre o tema

Nos anos 50, homens frequentavam casa secreta para agir e vestir como mulheres

As fotos foram encontrados em um mercado de pulgas...

Relator da terceirização acredita que ‘ninguém faz limpeza melhor do que a mulher’

Para o deputado Laércio Oliveira (SD-SE), a mulher também...

“Aprendi que o meu CEP determinava como as pessoas me tratariam na vida”

O Nós, mulheres da periferia nasceu da união de nove mulheres...

Hoje na História, 1962, foi instituido como o Dia da Mulher Africana

O Dia da Mulher Africana foi instituído a 31...

para lembrar

Feminismo, esquerda e futuros possíveis

O futuro do feminismo, como projeto transformador, está na...

Com poesia e didatismo, “Favela” exala o perfume de uma “flor em resistência”

A Jatropha phyllacantha, flor que nasce no sertão baiano,...

As guerreiras africanas do Daomé estão nas ruas do Senegal

África não é só famosa por sua rainhas, mas...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=