Cerveja Sueli: Goose Island Sisterhood promove Consciência Negra

Debate é acompanhado do lançamento da última cerveja do ano, a Sueli

Do  Portal da CERVEJA

CONFRARIA DE MULHERES HOMENAGEIA SUELI CARNEIRO, FILÓSOFA, ESCRITORA E ATIVISTA ANTIRRACISMO DO MOVIMENTO SOCIAL NEGRO BRASILEIRO (FOTO: DIVULGAÇÃO)

 

Uma “African IPA”, o novo estilo da Goose Island Sisterhood, confraria feminina da Goose Island que homenageia mulheres inspiradoras, será “Sueli”. A edição vai homenagear Sueli Carneiro, filósofa, escritora e ativista antirracismo do movimento social negro brasileiro. Escolhida justamente por conta de sua história na luta pela igualdade racial, ela é fundadora e atual coordenadora executiva do Geledés – Instituto da Mulher Negra.

A cerveja estará disponível na Goose Island Brewhouse, a partir de 20 de novembro, Dia da Consciência Negra no Brasil. Além disso, no mesmo dia ocorre o “Desse lado da cor”, no House of All, em Pinheiros. O evento servirá a Sueli com exclusividade propondo um brinde à reflexão.

Já reconhecida por discutir o papel da mulher na sociedade, a Confraria de Goose Island Sisterhood apresenta sua última cerveja deste ano promovendo um debate além do empoderamento feminino. Afinal, o assunto dessa vez ainda engloba a desigualdade entre etnias.

Beatriz Ruiz, gerente de marketing da Goose Island e idealizadora do projeto Sisterhood, destaca:

“Todas as cervejas da Confraria Sisterhood contam com a participação de diversas mulheres, já amantes e conhecedoras de cerveja ou até mesmo aquelas que querem saber um pouco mais sobre a confraria. Aproveitamos esses momentos não apenas para mostrar a produção, mas para discutir o papel da mulher na sociedade e valorizar ainda mais a homenageada. Em um mês marcado pelo Dia da Consciência Negra, buscamos uma pessoa que representasse bem o poder feminino e a cultura negra. Não desejamos apenas criar novas cervejas, queremos debater assuntos da sociedade.”

A escolha de Sueli Carneiro surgiu após uma conversa entre Beatriz e outras participantes da Confraria: Simone Gomes, Thami Dias e Stephanie Ribeiro. Integrantes do projeto desde o início e representantes do movimento negro, as três buscaram diversos nomes representativos no meio e logo chegaram na homenageada.

“Sueli Carneio é uma mulher que precisa ser lembrada pela sua atuação na discussão sobre gênero e raça no Brasil. Falamos muito sobre feminismo hoje em dia em espaços que não conseguiríamos ter legitimidade. Não foi à toa que isso aconteceu. Isso é fruto do trabalho de inúmeras mulheres, inclusive da Sueli. Somos mulheres negras e, na nossa sociedade, as coisas não são fáceis e não são dadas para a gente”, destacou Stephanie.

“Precisamos falar cada vez mais sobre esse assunto. É um ponto discrepante atualmente, sempre foi. Estamos tentando fazer que as pessoas saibam dessa desigualdade. A desigualdade social no Brasil, e no mundo, é um fato”, completou Thami.

O estilo escolhido para a Sueli é o African IPA, uma India Pale Ale com a utilização de lúpulos africanos (african queen e southern passion no dry hopping). De coloração cobre clara, aromas frutados e cítricos e o amargor bem presente, ela conta com 5,5% de teor alcoólico e 55 IBU. Vendida apenas em chope, ela custará: 200ml (R$ 11,50), 450ml (R$ 20) e 570ml (R$ 24). O lançamento está marcado para 25 de novembro, no Brewhhouse de Goose Island, a partir das 16h. Apesar disso, algumas pessoas já poderão prová-la a partir do dia 20, no evento Desse Lado da C*r, no House of All, às 14h.

“Fiquei muito contente com essa homenagem. Não estamos aqui apenas para falar sobre o lançamento de uma nova cerveja, mas para trazer essa discussão e reflexão para a realidade das pessoas. Uma mesa de bar também pode ser um ótimo lugar para debater diversos temas e novas ideias com seriedade”, afirmou Sueli.

Por indicação da homenageada, o lucro da venda da cerveja será doado para a Geledés – Instituto da Mulher Negra. Fundada em 1988, é uma organização política brasileira de mulheres negras contra o racismo e sexismo, tendo como principal objetivo erradicar a discriminação na sociedade que afeta indivíduos com essas características, sem desencorajar a luta contra todas as restantes formas de discriminação. Seu nome deriva do conceito de gelede, sociedades secretas femininas na cultura iorubá. É uma das maiores ONGs de feminismo negro do Brasil com várias campanhas e ações significativas contra o racismo.

Divulgação

Até o momento, sete cervejas já foram criadas pela confraria: Carolina, Enedina, Nísia, Luz, Helô, Kitty e Giu. Sueli é a oitava.

+ sobre o tema

‘Ranking’ expõe intimidade sexual de alunas da USP e causa revolta

Material cita também homossexuais e foi exposto no campus...

O papel da colonização africana na percepção do corpo da mulher negra: uma leitura de O Alegre Canto da Perdiz

Prólogo O presente trabalho pretende mostrar, num primeiro momento, de...

Sentimento doentio de posse domina os agressores de mulheres

Sentimento de posse, ciúme doentio e machismo. As causas...

A literatura afro-brasileira de autoria feminina: um estudo de Úrsula, de Maria Firmina dos Reis

Resumo: O romance Úrsula, escrito por Maria Firmina dos...

para lembrar

Os estragos invisíveis da pandemia para as mães solo

Em 2020, as latino-americanas sofreram um retrocesso histórico em termos financeiros...

Por uma nova masculinidade. Por que os homens continuam a matar as mulheres?

Vivemos no Brasil uma situação mais fatal do que...

Por que o termo bifobia incomoda?

Texto de Érica G. para as Blogueiras Feministas. O polêmico...

Graça Machel e o protagonismo feminino em Moçambique

A luta pelo empoderamento feminino em Moçambique é um...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=