Grupo Mulheres do Brasil destaca importância de falar sobre racismo

O Comitê de Igualdade Racial do Grupo Mulheres do Brasil lança a campanha Tocando no Assunto.Em formato de animação, cartilha, websérie e encontro presencial, os eventos fortalecem o Mês da Consciência Negra e seguem até dezembro, em São Paulo. Com foco na desigualdade, o projeto aborda o racismo de todas as maneiras, promovendo um diálogo de construção.

Do Jornal da USP

Ilustração: Caio Vinícius Bonifácio

Criar  diálogos para reflexão é fundamental na derrubada do racismo, seja ele em qual camada estiver presente. Visando a uma ponderação coletiva, o comitê lança hoje (22) a Primeira Cartilha de Conscientização. O Jornal da USP No Ar conversou com Lena Roque. Ela é atriz, diretora de teatro formada pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e membro do Grupo Mulheres do Brasil. Lena fala sobre o intuito da cartilha: “Assim como a websérie, discute os temas raciais, mas dentro das instituições. Onde é que estão colocados os negros nas empresas? O que foi observado em algumas reuniões é que, mesmo as pessoas negras tendo graduação, pós-graduação, dominando idiomas e mais de 15 anos de trabalho nas respectivas empresas, elas não estavam ocupando cargos de liderança. A cartilha é propositiva para que as pessoas pensem sobre isso. Para que o mundo corporativo olhe esse profissional e veja as qualidades”.

A cartilha, segundo Lena, propõe algumas ações que podem ser tomadas pelas empresas. Além disso, busca a reflexão de alguns comportamentos do cotidiano e que são sintomas do racismo estrutural — e institucional, como evidenciado e debatido no material. “Nossa voz, efetivamente, precisa alcançar todos os lugares. Porque você vê, no panorama, na sociedade, nos melhores cargos, na política, não há negros. Tem hora que eles fecham as portas e a gente não consegue ir para frente. Por isso, é preciso falar”, afirma a atriz e diretora de teatro.

Serão várias ações no transcorrer do mês de dezembro, as quais buscam o diálogo necessário para entender a real situação do racismo velado no Brasil. Na última terça-feira, Dia da Consciência Negra, ocorreu a estreia da animação, que conta a história que cerca a data. O lançamento da Primeira Cartilha de Conscientização será no Unibes Cultural, na Rua Oscar Freire, em São Paulo.

+ sobre o tema

Mulheres negras são hoje maior grupo nas universidades públicas do país

Discriminadas no mercado de trabalho, as mulheres negras tiveram uma série de...

Nísia Floresta: A feminista brasileira que você não encontrará nos livros de história

Pouco estudada, a escritora nordestina que viveu no século...

Eu negra.

Não vou começar esse texto dizendo que sou filha...

Sem desigualdade de gênero, mundo poderia ter PIB ao menos 20% maior, diz Banco Mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) global poderia aumentar em...

para lembrar

Atenta aos sinais por Flávia Oliveira

Vibro com datas que trazem reflexões sobre temas, pessoas,...

Racismo e xenofobia: precisamos falar sobre ser uma mulher negra que viaja sozinha

Cara leitora, Nunca se falou tanto sobre mulheres que viajam...

Justiça de MT autoriza aborto de feto anencéfalo em Lucas do Rio Verde

"Obrigar uma mulher a manter durante nove meses a...

Dia Internacional da Menina

Hoje é comemorado o primeiro Dia Internacional da Menina,...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=