Chavoso da USP tem foto colocada em álbum de reconhecimento de suspeitos da Polícia Civil: ‘Surpreso e sem entender’, diz estudante

Enviado por / FontePor Gustavo Honório, do g1

Influenciador e aluno de ciências sociais da Universidade de São Paulo, Thiago Torres só ficou sabendo do caso porque, coincidentemente, um amigo advogado encontrou o retrato enquanto analisava um processo: 'Racismo estrutural'.

O influenciador e palestrante de política Thiago Torres, que é estudante de Ciências Sociais na Universidade de São Paulo (USP), teve sua foto incluída em uma lista de reconhecimento de suspeitos em um inquérito policial que investiga um caso de sequestro na cidade de São Paulo. Ele recebeu com espanto a informação.

“Fiquei muito surpreso e sem entender o que que a gente está fazendo num lugar daqueles, de pessoas que são suspeitas”, contou ele ao g1.

A foto consta no inquérito ao menos desde outubro deste ano, mas Torres só ficou sabendo do caso porque, coincidentemente, um amigo advogado estava analisando o processo e reconheceu sua foto.

Em seguida, ele compartilhou o ocorrido em seu perfil no Instagram. “Era só o que me faltava mesmo“, lamentou ele em postagem na segunda-feira (19).

Conhecido como Chavoso da USP, Thiago faz sucesso nas redes por produzir conteúdos relacionados a questões sociais, raciais e de gênero.

“Fui estudar o caso, como é de praxe na rotina de um advogado. Estava lendo os autos para poder identificar a conduta do meu cliente quando vi uma das páginas com seis fotografias, e uma delas era do Thiago”, explicou ao g1 o advogado criminalista Bruno Santana, amigo de Thiago.

“Poderia até ser minha foto lá, porque eles colocam imagens de pessoas que, esteticamente, se assemelham a pessoas da periferia, da quebrada, tem toda essa estigmatização. Por isso, o reconhecimento é falho”, disse.

“Você coloca uma pessoa como um chavoso, cheio de corrente, com a camisa do Flamengo, de boné, um padrão que qualquer acusado de um crime pode ter. E se a vítima fala que foi ele?”, questionou Santana.

O advogado citou dois exemplos recentes sobre casos semelhantes:

  1. Foto de astro do cinema Michael B. Jordan aparece em lista de procurados pela polícia do Ceará
  2. Homem ficou 10 meses preso injustamente e foi tido como criminoso 9 vezes por erro de reconhecimento

Racismo estrutural

Thiago Torres disse que duas coisas podem explicar por que sua foto foi parar em um álbum de reconhecimento de suspeitos: o racismo estrutural e a militância política exercida por ele.

“Como essas instituições olham para a gente e tratam a gente como suspeito naturalmente. Isso é uma coisa que eu sempre passei nos enquadros da vida, quando a polícia me vê na rua e me para. Agora, isso se manifestou de uma outra forma”, relatou.

“É mais uma face desse racismo institucionalizado, desse racismo estrutural, do preconceito com moradores de periferia e de favela de um modo geral, com o preconceito com a nossa forma de se vestir e com os estereótipos que a gente carrega para esse sistema construídos pela mídia”, completou.

Torres disse que pensa na possibilidade de a polícia ter incluído a foto de forma proposital, “por maldade”, como uma forma de incriminá-lo.

O que diz a Secretaria da Segurança Pública

g1 questionou a Secretaria da Segurança Pública (SSP) sobre o caso, mas não obteve respostas até a última atualização desta reportagem.

+ sobre o tema

As empreiteiras, a Justiça e a impunidade

Mônica Francisco * Ao ouvir o senso comum nas ruas...

As mulheres estão no centro da crise humanitária da pandemia

A análise do movimento do mercado de trabalho em...

CBF define punição por racismo em competições nacionais; clubes poderão perder pontos

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) definiu, nesta terça-feira (15), punições...

Média de homicídios no Brasil é superior à de guerras, diz estudo

por Paula Adamo Idoeta   Com 1,09 milhão de homicídios...

para lembrar

Teatro da Uerj amanhece pichado com inscrições racistas

RIO - Os muros do Teatro  da Uerj...

Empresa de Franca é condenada por racismo

Fonte: Cosmo Online - No setor em que um funcionário...

Aviso da doutora Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus (1914-1977) dizia que o Brasil...

Casos de perda de guarda de crianças por mães praticantes de religiões de matriz africana alarmam especialistas

Casos de intolerância religiosa contra religiões de matriz africana...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=