Ciclo de Conversas discutirá os lugares de memória negro indígena de 14 a 16 de setembro de 2022

O Ciclo de Conversas Lugares de Memória Negro-indígena reunirá profissionais do  mundo acadêmico, artistas, estudantes, ativistas e público em geral interessado em  refletir sobre o patrimônio cultural dos povos originários do Brasil e de África. 

Desde o início se procurou elaborar um evento que enfrentasse o desafio de  diversificar os olhares para o tema, trazendo não só profissionais desse campo de  

pesquisa, mas também as pessoas que detém as memórias em questão e intervenções  que discutem a temática por meio da linguagem artística. 

O Ciclo terá seis mesas, e cada uma delas será antecedida por uma intervenção que  contribuirá para a discussão, nesse evento que ocorre nos dias 14 e 15 no Sesc  Consolação, e no dia 16, no Centro Universitário Maria Antônia. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo site https://memorianegroindigena.com.br/ .

O objetivo di ciclo é produzir subsídios teóricos e práticos para realizar um inventário de  memória negro-indígena que retome, para ampliar os resultados produzidos pelo  Inventário dos Lugares de Memória do tráfico atlântico de escravos e da história dos  africanos escravizados no Brasil, e com maior enfoque no Estado de São Paulo em um  primeiro momento. O inventário foi organizado pelo Laboratório de História Oral e  Imagem (LABHOI), da Universidade Federal Fluminense (UFF), em parceria com o  Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo: Resistência, Herança e  Liberdade, da UNESCO. Em seu documento final sinalizava que ali havia um ponto de  partida, uma ação a ser expandida no futuro.  

O Ciclo de Conversas Lugares de Memória Negro-Indígena é uma realização do Instituto Tebas (idealizador), Sesc São Paulo, Instituto CPBrazil e Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, com apoio do Centro Universitário Maria Antônia.

SERVIÇO 

ONDE e QUANDO 

Dias 14 e 15, das 14h às 20h – Sesc Consolação 

rua Dr. Vila Nova 245, Vila Buarque, São Paulo 

Dia 16, das 14h às 20h – Centro Universitário Maria Antônia 

rua Maria Antônia, 258, Vila Buarque, São Paulo 

FICHA TÉCNICA 

Idealização: Instituto Tebas de Educação e Cultura

Realização: Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, Sesc São Paulo, Instituto Tebas e Instituto CPBrazil

Apoio: Centro Universitário Maria Antônia

Produção: Núcleo Coletivo das Artes Produções e Instituto CPBrazil

Site do Ciclo

SESC CONSOLAÇÃO 
13h – Receptivo

14h – Abertura

14h30 – INTERVENÇÃO: PERFORMANCE DEMARCAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ANCESTRAIS 

15h – Mesa 1. CORPO: PRIMEIRO LUGAR DE MEMÓRIA Para as pessoas que têm a ancestralidade marcada pelo genocídio e a escravidão,  o corpo é um território permanentemente ameaçado de extinção Mediação: Jaíra Poti Debatedoras: Kota Mulanji e Olinda Yawar Muniz Wanderley

17h – intervalo 17h30 – INTERVENÇÃO: POCKET – ABERTURA DE PROCESSO CASA DE FAYOLAdas 18h às 20h – Mesa 2. LUGARES DE MEMÓRIA NEGRO-INDÍGENA: UM CONCEITO EM  CONSTRUÇÃO A proposta da mesa é refletir sobre uma possível fronteira comum na experiência histórica  dos povos originários do Brasil e da África em diáspora, sem deixar de considerar suas  incontornáveis especificidades Mediação: Heloisa Pires de Lima Debatedores: Mário Medeiros e Eliane Potiguara
SESC CONSOLAÇÃO 15 de SETEMBRO de 2022  

13h – receptivo 

14h30 – INTERVENÇÃO: ALOYSIO LETRA E ODERIÊ 

15h – Mesa 3. OS LUGARES DE MEMÓRIA DOS POVOS DE CULTURA ORAL Como os povos de cultura oral ritualizam a memória? O debate pretende explorar as  possibilidades de identificação, proteção e valorização de lugares de memória desses povos  no contexto brasileiro Mediação: Casé Angatu Debatedores: Aline Kayapó e Mestre Lumumba dos Tambores 

17h – Intervalo 

17h30 – INTERVENÇÃO: CENA DA PEÇA LUIZ GAMA: UMA VOZ PELA LIBERDADE 

18h às 20h – Mesa 4. A LIBERDADE COMO LUGAR DE MEMÓRIA Se os lugares de memória podem ser, conforme Pierre Nora, “imediatamente oferecidos à  mais sensível experiência e, ao mesmo tempo”, sobressair “da mais abstrata elaboração”,  pode a ideia de liberdade ser assim considerada?  Mediação: Cínthia Gomes Debatedoras: Erika Malunguinho (a confirmar) e Fernanda Kaingang
CENTRO UNIVERSITÁRIO MARIA ANTÔNIA 16 de SETEMBRO de 2022 

13h – receptivo 

14h30 – VÍDEO-MANIFESTO: O BRASIL PRECISA SER EXORCIZADO

15h – Mesa 5. A TRAJETÓRIA BRASILEIRA DO CONCEITO LUGAR DE MEMÓRIA Desde 1984, quando a obra Les Lieux de Mémóire colocou em evidência, sob a  coordenação de Pierre Nora, a partir da França, o conceito de “Lugares de  Memória”, houve releituras no interior do mundo acadêmico. Como tem se dado  essa experiência no Brasil? Mediação: Patrícia de Oliveira Debatedores: Renato Cymbalista e Matheus Cruz  
17h – Intervalo 17h30 – DOCUMENTÁRIO: CRIANDO PASSADOS PRESENTES: MEMÓRIA DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL   (relacionado ao inventário discutido na mesa que se segue) 

18h às 20h – Mesa 6. INVENTÁRIO DOS LUGARES DE MEMÓRIA DO TRÁFICO ATLÂNTICO Em 2013, a Universidade Federal Fluminense e a UNESCO abriram o precedente, realizando  o inventário que identificou 100 lugares de memória do tráfico atlântico no Brasil.  Passados oito anos, o que se pode acrescentar a essa experiência? Mediação: Solange Barbosa Debatedores: Mônica Lima e Milton Guran 

+ sobre o tema

Ludmilla anuncia participação em Velozes e Furiosos 10: “Atriz de Hollywood”

A cantora Ludmilla anunciou nesta segunda-feira (24) em suas redes sociais...

Cabelos de Taís Araújo em Viver a Vida

É o que a atriz Taís Araújo está vivendo...

Abertas inscrições para artistas negros ao edital Sesc – O Corpo Negro

Artistas negros de todo o país podem se inscrever...

Stevie Wonder é destaque em homenagem à Motown Records

Em 1959, começava de forma humilde a gravadora Motown...

para lembrar

Programa vai destinar R$ 20 mi para ações culturais em universidades

Ministérios da Cultura e da Educação lançaram nesta quarta-feira...

África em Quadrinhos

Introdução Os estudos sobre a História da África apresentam-se como...

Após campanha com Gil e Emicida, Museu de Arte Negra bate meta para expo 3D

Após a realização de uma campanha com apoio de...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=