Cinco anos sem Marielle e Anderson: investigação sem respostas mostra que Brasil tem problema crônico para apurar homicídios e crimes políticos

Enviado por / FonteG1

Presidente da comissão de segurança pública da OAB-RJ Rafael Borges explica o que significa a abertura de inquérito pela PF e quais são os requisitos necessários para a federalização do caso.

O assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completa cinco anos nesta terça-feira (14) sem respostas sobre os mandantes do crime.

Estão presos o policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado de ter feito os disparos que mataram a vereadora e o motorista, e o ex-policial militar Elcio de Queiroz, acusado de dirigir o carro usado na execução. Os réus nunca revelaram quem mandou matar Marielle Franco e Anderson.

Na semana passada, parentes das vítimas se reuniram com a força tarefa do Ministério Público do Rio. Após cinco trocas da comando da investigação, o delegado Guilhermo Catramby vai conduzir o inquérito na Polícia Federal.

Em entrevista a Natuza Nery, o presidente da comissão de segurança pública da OAB-RJ Rafael Borges explica o que significa a abertura de inquérito pela PF e quais são os requisitos necessários para a federalização do caso: “É inegável que os agentes da PF poderiam ter contribuído muito mais se estivessem na investigação desde o início”, diz.

Para Borges, a falta de respostas para o caso mostra que as autoridades brasileiras falham não só para investigar crimes políticos, mas homicídios como um todo.

“O Brasil tem um problema crônico de apuração de homicídios. O índice de apuração de homicídios pelas agências de segurança pública brasileira é vergonhoso… Não faltam verbas públicas para as agências de segurança pública. A questão é como esse dinheiro vem sendo empregado. Eu entendo que esse dinheiro tá sendo empregado hoje muito mais de uma perspectiva repressiva. Era preciso que parte mais significativa desses recursos fosse realmente direcionada para as atividades de investigação pra que a gente pudesse alcançar índice de apuração notadamente em crimes com imensa repercussão política como foi o caso de Marielle. Isso não acontece, mas é uma questão de opção política de quem comanda o orçamento.”

Rafael ainda recorda que a execução de Marielle ocorreu sob intervenção e a “segurança pública do estado era cuidada por um general do Exército” – o interventor era Braga Netto, ex-ministro e candidato a vice de Bolsonaro.

+ sobre o tema

Na Argentina, Mães da Praça de Maio prestam homenagem a Marielle Franco

Na tarde desta quinta-feira (15), enquanto acontecia no Rio...

Corpos Negros Ainda Estão na Mira #LegadoMarielle

Desde muito pequena aprendi sobre o assédio feminino, abordagem...

Bolsa de estudos Marielle Franco

O SIAPARTO tem o prazer de oferecer, em homenagem...

Universidade Johns Hopkins em Baltimore cria “Bolsa de Estudos Marielle Franco”

O Programa de Estudos Latino-Americanos (LASP) da Escola de...

para lembrar

Abusada por treinador, nadadora tem crise nervosa após entrevista de Xuxa

Joanna Maranhão sofreu e usou o Twitter para dar...

“O protagonismo feminino veio para ficar” por Benedita da Silva

Em artigo para a Fórum, deputada federal afirma que...

Um governo jogando na retranca e a gota d´água, no oceano

O grande feito do primeiro ano, não saberia dizer...
spot_imgspot_img

Por que mandaram matar Marielle Franco? Essa agora, é a pergunta que não se cala…

Seis anos depois e finalmente o assassinato de Marielle Franco e Anderson Borges, parece estar chegando a um final, pelo menos em relação aos...

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo da meninade joelho num surrão. Grita ao vento seu nomeComo se quisesse dizerQue mulher tem que...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...
-+=