Justiça por Marielle e Anderson: 5 anos é tempo demais

Descoberta de mandante do crime dará espaço para melhores práticas políticas e jurídicas

Em 14 de março de 2023 o assassinato de Marielle Franco completará 5 anos. Marielle foi uma ativista e intelectual negra, bissexual, mãe, cria da favela da Maré, defensora dos direitos humanos, parlamentar eleita pelo PSOL à vereança da cidade do Rio em 2016, e que, ao longo de sua trajetória, lutou contra a violência policial e o genocídio da população negra. Em razão da sua história, Marielle é um símbolo de resistência e liderança que inspira mulheres negras por todo o mundo.

Porém, ainda temos que lutar por justiça. Nesta data, em 2018, época em que o Estado do Rio de Janeiro estava sob intervenção federal no governo Temer, Marielle estava a caminho de casa quando foi executada junto com seu motorista Anderson Gomes, no centro da cidade do Rio. Ela foi atingida por quatro projéteis na cabeça e Anderson levou três tiros nas costas. Ele também morreu, deixando um filho, que tinha então um ano e meio de idade.

Apesar de termos chegado ao marco de meia década desde o assassinato, e de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, acusados de serem os executores do crime, estarem privados de liberdade, o caso não tem nenhuma condenação, visto que o júri popular ainda não tem data para acontecer.

Além disso, a família e os advogados das vítimas estão sem acesso à investigação relativa aos mandantes, razão pela qual foi impetrado um mandado de segurança, que tramita no Superior Tribunal de Justiça.

Tal cenário, somado às mudanças no comando das investigações e ao fato de os familiares e representantes legais das vítimas serem informados pela mídia sobre elas, traduz a dificuldade estrutural de acesso à Justiça por parte de familiares de mulheres negras e, em especial, defensoras de direitos humanos, vítimas da violência do Estado.

As autoridades têm a obrigação de solucionar esse crime, que expõe, para o Brasil e para o mundo, as constantes violações de direitos fundamentais que atravessam as populações periféricas e favelas em nosso país.

Em virtude disso, como uma resposta ao assassinato de Marielle, a família criou em 2019 o Instituto Marielle Franco. O instituto busca inspirar, conectar e potencializar mulheres negras, LBTQIAPN+ e periféricas a seguirem movendo as estruturas da sociedade por um mundo mais justo e igualitário e para que mais mulheres negras e faveladas ocupem a política e não sejam interrompidas.

Nesse contexto, em 14 de julho de 2021, a organização articulou a criação do Comitê Justiça por Marielle e Anderson junto com as famílias das vítimas, o mandato da vereadora Mônica Benício, e as organizações Anistia Internacional Brasil, Justiça Global, Coalizão Negra por Direitos e Terra de Direitos, no intuito de lutar por justiça no caso. Hoje o comitê é uma das principais frentes de atuação do Instituto.

Além disso, após a morte de Marielle, houve um crescimento de casos de violência política contra mulheres negras, cis e trans, e defensoras de direitos humanos, historicamente sub-representadas, que mobilizou o instituto a organizar a campanha permanente Não Seremos Interrompidas.

Este programa está baseado em uma plataforma por meio da qual, junto a outras organizações da sociedade civil, lutamos por proteção e segurança para mulheres negras, LBTQIAPN+ e periféricas que se disponibilizam a ocupar a política, de modo institucional ou através de movimentos, coletivos e organizações.

Desde de 2020, atuamos para que o que aconteceu com Marielle, não se repita, afinal alcançar justiça por Marielle significa que o Estado, dentre outras medidas, deve implementar ações capazes de alterar as circunstâncias estruturais que promoveram e não evitaram que violações de direitos humanos como essa se concretizassem. Como resultado dessa nossa luta, juntamente a outros esforços da sociedade, em 2021, foi aprovada a primeira Lei de Violência Política Nacional, a Lei 14.192/21.

Ademais, como parte da celebração do Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, o governo federal enviou à Câmara dos Deputados uma série de projetos de lei, entre eles o que propõe a instituição do dia 14 março como o Dia Nacional Marielle Franco –data que terá por foco o enfrentamento à violência política de gênero e de raça.

Porém, para além disso, ainda é necessária a estruturação de uma política pública nacional de prevenção e proteção para as vítimas. Essa pauta é defendida pelo Instituto Marielle Franco, junto a parceiros da sociedade civil, perante o Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores localizadas em vários pontos do país.

O assassinato de Marielle e Anderson marcou a história política brasileira e mundial, demonstrando a fragilidade da democracia no nosso país, e levantou a importância do debate da violência política de gênero e raça, da violência letal LGBTQIAPN+fóbica e do ataque a defensores de direitos humanos no Brasil. Trata-se de meia década de ausência de respostas, o que reflete a negligência e a impunidade estrutural em casos de crimes contra a vida de defensores de direitos humanos.

Logo, no dia 14 de março de 2023 ecoaremos ainda mais forte o nosso grito de “Justiça por Marielle e Anderson”. Descobrir quem mandou matar Marielle significa mais do que fornecer uma resposta para a sociedade e famílias das vítimas.

Com isso, o Estado brasileiro tem a possibilidade de tornar o caso paradigmático, de modo que dele surjam melhores práticas políticas e jurídicas que ajudem defensores de direitos humanos a permanecerem vivos e seguros. Tudo isso também faz parte do legado de Marielle.


Ligia Batista

Diretora executiva do Instituto Marielle Franco, advogada e pesquisadora em Direitos Humanos. Atua nos campos de direitos humanos, democracia, participação, representação e enfrentamento a desigualdades políticas, justiça racial e de gênero na América Latina

+ sobre o tema

“O tráfico não opera da forma como Marielle foi executada”, diz delegado

Orlando Zaccone, delegado da polícia civil do Rio de...

Hoje faz 30 dias que Marielle foi assassinada e ninguém foi preso

Os brutais assassinatos da socióloga e ex-vereadora do PSOL-RJ,...

Anistia Internacional grava vídeo comovente com parentes de Marielle Franco. Veja aqui

Por ocasião dos quatro meses do assassinato de Marielle...

Uma conversa de Marielle com Deus

Uma conversa de Marielle com Deus. Nove meses se passaram...

para lembrar

Brancos não falam do racismo porque isso os beneficia, diz autora jamaicana

Em ensaio de seu próximo livro, Claudia Rankine questiona...

A Geni do Nobel da Paz atende pelo nome de Barack Obama

Fonte: O Tempo - Por: Fátima Oliveira - "De tudo que...

Conferência Internacional do Trabalho 2010 – Trabalho Doméstico

O encontro que acontece nos dias 15 e 16...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=