Clássico do feminismo negro, obra de estreia de bell hooks é relançada no Brasil

E Eu Não Sou Uma Mulher? examina o impacto do sexismo e do racismo nas mulheres afro-americanas

Por Marília Moreira, Do Correio

 bell hooks- mulher idosa negra, vestindo camiseta preta e cachecol laranja- em pé com um microfone na mão
(Foto: Imagem retirada do site Correio)

Uma das maiores referências contemporâneas quando o assunto é a intersecção entre feminismo e mulheres negras, bell hooks, 67 anos, teve o seu livro de estreia relançado no Brasil mês passado, 38 anos depois da primeira publicação.

Em E Eu Não Sou Uma Mulher? Mulheres Negras e Feminismo (Record | R$ 40 | 320 págs), a autora examina o impacto do sexismo e do racismo nas mulheres negras durante a escravidão nos Estados Unidos, e parte daí para pensar a desvalorização da “mulheridade” negra, o sexismo dos homens brancos e negros, o racismo entre as feministas e os estereótipos dos quais as mulheres negras são vítimas ainda hoje.

Foto em preto e branco de belll hooks quando jovem,- mulher negra de cabelo black, vestindo camiseta larga- sentada com a mão esquerda apoiando o rosto
(Foto: Imagem retirada do site Correio)

“No período da escravidão, pessoas brancas criaram uma hierarquia social baseada em raça e sexo que posicionou homens brancos em primeiro lugar, mulheres brancas em segundo, apesar de às vezes serem colocadas na mesma posição dos homens negros, que estavam em terceiro lugar, e as mulheres negras eram as últimas”, escreve bell hooks no capítulo em que fala sobre a contínua desvalorização das mulheres negras na sociedade americana.

No prefácio à edição de 2015, na qual se baseia a tradução brasileira, a autora reconhece que a obra foi escrita quando ela e o próprio movimento feminista ainda eram jovens, e que por isso, contém falhas e imperfeições, as quais, de modo algum, diminuem o “poderoso efeito catalisador para leitores ávidos” por explorar as raízes da interseccionalidade, categoria que permite pensar múltiplos sistemas de opressão, articulando raça, gênero e classe.

Batizada como Gloria Watkins, bell hooks é um nome em homenagem a sua bisavó materna, Bell Blair Hooks. Watkins queria que seu pseudônimo fosse escrito em letras minúsculas para mudar a atenção de sua identidade para suas ideias. Sob o pseudônimo de bell hooks (grafado assim mesm, com minúsculas), a autora passeou por diferentes gêneros ao longo da vida: memórias, poemas, literatura infantil, ensaios e teoria crítica.

O primeiro rascunho de E Eu Não Sou Uma Mulher? foi escrito aos 19 anos, mas o livro só foi publicado quando ela tinha 29, depois de receber seu doutorado em inglês pela Universidade. da Califórnia, Santa Cruz. A autora atribui à relação com sua mãe, Rosa Bell, a inspiração para escrever o livro: uma mulher que incentivou as seis filhas a serem capazes de cuidar de si sem jamais dependerem de um homem.

+ sobre o tema

para lembrar

Deputados aprovam projeto com perda do poder familiar em caso de feminicídio

Em uma noite de votações conduzidas pela bancada feminina,...

Feministas protestam em frente tribunal de Nova York contra Dominique Strauss-Kahn

Cartazes carregam a frase 'Nafissatou, acreditamos em você'   Vinte e...

Dilma, estamos cansadas

Na quarta feira dia dois de dezembro, o presidente da...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=