Colorismo? Top model africana fala sobre ser vítima de racismo por ser ‘negra demais’

Da BBC 

“Nunca trocaria minha cor de pele por nada no mundo. Se nascesse de novo, ainda escolheria ser negra”.

A modelo queniana Olivia Sang diz querer empoderar mulheres de todas as raças.

Vinda de uma família humilde, ela hoje possui um contrato com uma agência sul-africana e seu rosto estampa a campanha de uma famosa marca de roupas.

Mas seus feitos não vieram sem obstáculos.

Pelo contrário, Olivia diz ter sido vítima de racismo quando era criança.

“Quando estava crescendo, as pessoas zombavam de mim por ser muito escura”, conta.

“Achava que era sensível demais. Mas, na verdade, isso é algo que fica com você e faz com que você pense: ‘Não sou bonita'”.

Segundo Olivia, o colorismo – discriminação pela cor da pele – existe até dentro da própria comunidade negra.

“Uma menina de pele mais escura ainda é vista de uma forma diferente. O colorismo existe e espero um dia conseguirmos erradicá-lo, porque todo tipo de negro é bonito.”

+ sobre o tema

para lembrar

spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=