A colunista responde a um e-mail de um admirador

‘Você, sua amada e o amor infinito de vocês estão guardados comigo’

por Flávia Oliveira no O Globo

Querido Rubens,

Peço desculpas por demorar a te responder. Precisei de uma semana desde que sua carta aterrissou na minha caixa virtual, porque decidi tornar público o seu contato privado. Demonstrações de afeto, meu amigo — permita-me assim chamá-lo — andam tão raras que precisam ser celebradas e exaltadas e compartilhadas tanto quanto possível. Eu não coube em mim depois de ler suas linhas. Minha família, idem. Não sei se você sabe, tenho uma filha de 22 anos. Ela carrega a ironia e o ceticismo da juventude, mas se emocionou com seu e-mail. Faz pouco tempo, conversávamos sobre pessoas idosas militando pelo direito de antecipar o fim de uma existência já longa — imagino que tenha lido sobre David Goodall, o cientista australiano que, aos 104 anos, contratou suicídio assistido na Suíça. Você, aos 92, me escreveu para relatar um amor da vida toda. Mais que isso, sobre como dois nonagenários mantiveram a relação rejuvenescida quase oito décadas e, agora, além da morte.

Você, meu querido, contou que começou a amar uma jovem aos 14, e nunca mais parou. Foi seu primeiro e único amor, sua primeira e única mulher. Não houve outra boca, outro beijo, você revelou. Quando eu nasci, em 1969, o amor de vocês ia longe. Contudo, já madura, cansada de guerra, fui eu a moça a despertar ciúmes na sua amada e, nas suas palavras, apimentar o casamento. E eu me pus a imaginar o casal, lado a lado no sofá, TV ligada, Maria Beltrão gargalhando, você me elogiando, sua amada desdenhando, vocês se reapaixonando.

Rubens, você me perguntou: “Desde quando há lugar para paixão num casal de 92 e 90 anos?”. Eu te devolvo: “Há lugar para paixão?”. Outro dia, casaram-se o príncipe Harry, sexto na linha de sucessão da rainha Elizabeth II, e a atriz afro-americana Meghan Markle. Acordei cedo para assistir à cerimônia. Encantam-me os compromissos selados com rituais. Pela TV já acompanhara a união dos pais do noivo. Não faz um século, mas parece, de tanto que o mundo mudou desde aquele julho de 1981.

Foram tantas viradas, que a capela da nação outrora escravocrata abrigou o sermão de um reverendo negro que, falando de amor, citou Martin Luther King. Ouviu um coral inteiramente negro cantar a composição de um artista negro. Testemunhou a emoção da mãe da noiva, uma negra de cabelo trançado, sozinha e altiva no altar. Eu senti naquela celebração uma brisa de transformação. Sou dessas que buscam explicação, terrenas ou não, em cada cena, solitária palavra, minúscula expressão.

No dia seguinte, li que a noiva, por aqui, seria branca; eu, encardida. Nada preta ou nada branca são conceitos que o racismo brasileiro usa para tentar silenciar os que assumiram a identidade negra e dela se orgulham. São tempos estranhos em que a utopia da inclusão é rebatida com ironia, cinismo ou ódio. Direitos humanos, aquele conjunto de princípios listados num documento quase septuagenário, tornaram-se expressão criminalizada; feminismo, doença de mal-amadas.

Você pediu licença para me chamar pelo diminutivo, dizendo que poderia ser meu bisavô. Nem tanto, Rubens — está claro que te pareço mais nova. Mas eu não conheci nenhum de meus avôs, e sua carta me fez sentir neta. Na minha religião reverenciamos os mais velhos e cultuamos a ancestralidade. Os que atravessaram o ciclo completo da existência nunca desaparecem. Sua amada já não está entre nós, mas você, Rubens, ela, de quem você não revelou o nome, e o amor de vocês serão lembrados. Estão os três guardados comigo. Fazem parte da minha vida, tanto quanto eu, pela tela da TV, um dia entrei na de vocês.

Com amor, Flavinha

+ sobre o tema

Edital oferece apoio financeiro a organizações lideradas por mulheres e pessoas trans

Edital oferece apoio financeiro a organizações lideradas por mulheres...

Repúdio ao racismo e machismo

Indignadas com o discurso do senador Demóstenes Torres (DEM-Goiás),...

O que é um homem? O que é uma mulher?

Ei, você aí. Você, com um pênis no meio...

para lembrar

I Fórum Protagonismo Feminino será apenas com mulheres negras

Idealizado pela consulesa da França, Alexandra Loras, o evento...

Filme brasileiro sobre jovem cego gay vence prêmio de crítica em Berlim

Filme brasileiro sobre jovem cego vence prêmio da crítica...

Jout Jout, Clarice e o feminismo branco

Já falamos aqui sobre a questão do feminismo branco....

Nº 1 do revezamento no Brasil, Fabiana fala de racismo, machismo e política

Capitã da seleção feminina de vôlei e bicampeã olímpica,...
spot_imgspot_img

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....
-+=