“É muito triste ver sua filha ser rejeitada”: Mãe faz relato sobre racismo sofrido pela filha de 4 anos

Há aproximadamente uma semana, Ana Paula Xongani publicou um desabafo sincero nas suas redes sociais. Ela falou sobre as condutas racistas que as crianças reproduzem ao relatar um episódio que aconteceu com a sua filha Ayoluwa, de 4 anos. A empresária disse que levou a pequena ao parquinho e observou quando três meninas que estavam brincando simplesmente se afastaram dela.

por Luísa Massa no Bebe Abril

“Ser mãe de uma menina preta me trouxe muitos medos, muitos desafios e muita força. É muito triste ver a sua filha sendo rejeitada! Mesmo antes de dizer ‘olá!’, ela chega perto e todas correm, ela se aproxima, e todas as outras se agrupam, ela chama e ninguém responde. Isolam-a, excluem-a, a machucam. Ela não entende, mas sente. Não reclama, mas entristece“, afirmou na publicação.

É claro que a cena, que foi registrada por Ana Paula, partiu o seu coração. Diante disso, ela resolveu chamar a garotinha para uma conversa. Depois de abraçá-la, a mãe fez questão de forçar o quanto ela é bonita, inteligente e amada. A empresária também confessou que ficou apreensiva ao pensar nos momentos em que, infelizmente, a filha passará por isso sem a sua presença.

“A gente sempre fala da solidão da mulher negra, muitas vezes relacionada com a afetividade adulta. Mas essa solidão começa muito cedo, começa na infância. O racismo é aprendido pelas estruturas e reproduzido pelos pequenos de forma assustadora. Tivemos avanços, mas as nossas meninas negras ainda são preteridas, rejeitadas, isoladas”, ressaltou no texto.

Ela também reproduziu o diálogo que teve com a pequena. Ao questionar se as amigas não gostavam de brincar, logo ela respondeu que é sempre assim, mas que não se importa porque gosta se divertir sozinha. “Será que gosta? Ou aos 4 anos já se protege na solidão? E para você que acredita que é ‘coisa de criança’, certamente você não é uma mulher negra”, comentou Ana Paula.

Dias após publicar o relato, Ana Paula também fez um vídeo para falar sobre a solidão da mulher negra e o racismo. “As crianças aprendem com as estruturas muito cedo a reproduzirem o racismo. As crianças aprendem de uma forma assustadora a serem racistas. Eu, nesse momento, acabo de viver essa situação e liguei a câmera para dizer que eu preciso de ajuda para continuar lutando porque é muito difícil”, afirmou.

Assista:

+ sobre o tema

Nei Lopes – Retratos do Brasil Negro

Poeta, compositor, sambista, pesquisador e escritor, Nei Lopes é...

Pega no meu power | Os homens que odiavam crianças pretas

Se não fosse meu filho. O senhor ia fazer...

Ufal abre processo administrativo contra aluno por ‘ameaças físicas, racismo e misoginia’

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) informou nesta quinta-feira...

É hora de RACIALIZAR o debate sobre o sistema prisional no Brasil

Não que eu tivesse dúvidas antes, mas tomei coragem...

para lembrar

‘Ela deveria colocar negras na capa da Vogue’, diz Olívia Santana sobre polêmica

Primeira negra deputada estadual da Bahia, a parlamentar Olivia...

Uma luta incansável

Desde que escrevi minha última coluna, muitas coisas aconteceram...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=