Começa no Rio o Festival de Arte e Cultura da Diversidade

Em parceria com a Superintendência de Saúde Mental, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ), e Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Instituto de Psiquiatria da UFRJ abriu hoje (24)  a quinta edição do Festival de Arte e Cultura da Diversidade. O evento ocorre no Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ (CBAE), na Urca, zona sul da cidade, até o próximo dia 26, incluindo atividades artísticas e culturais e debates sobre diversidades cultural, social e racial.

Do: Jb

O festival é o prosseguimento do trabalho em conjunto com o Hip Hop é Redução de Danos, atualmente em sua quarta edição. Ele objetiva debater temas considerados importantes para saúde mental, entre eles autonomia, direitos e acessibilidade, conforme informou a psicóloga Carmen Lúcia Feitosa, articuladora de Saúde Mental da Coordenação de Área Programática da Zona Sul (Cap2.1), ligada à Secretaria Municipal de Saúde.

A programação é diversificada. Pela manhã, ocorreu a oficina de arte Com o que sonham as crianças?, coordenada pelos centros de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil, da Rede de Saúde Mental. Entre outras atividades, inicialmente houve debates sobre cultura, direitos e autonomia, além da apresentação de atores com síndrome de Down.

Para amanhã (25), está programado show da Banda Harmonia Enlouquece e dos blocos carnavalescos Tá Pirando, Pirado, Pirou e Loucura Suburbana e ainda adaptação do texto O inspetor-geral, de Nicolai Gogol, pelo grupo de teatro do Instituto Benjamin Constant. Outras atrações incluem rodas de capoeira e samba, musicais, poesia, debates sobre educação, direitos, geração de renda e acessibilidade.

Na quarta-feira (26), durante toda a manhã, ocorrerá uma oficina de grafitagem. Paralelamente, haverá o lançamento do Manual de Direitos e Deveres dos Usuários e Familiares em Saúde Mental e Drogas.

Carmen Lúcia Feitosa adiantou que, das mesas de debates, sairão documentos que contribuirão para aperfeiçoar o trabalho dos serviços de saúde. “A ideia é que tenhamos cada vez mais recursos e ações voltados para o público que queremos incluir em nossos serviços. Em cada unidade de saúde, pensamos ter esse trabalho de forma integral”, acrescentou.

O público preferencial das discussões são pacientes de saúde mental e do Programa de Redução de Danos, que engloba dependentes de drogas, pessoas hipertensas e diabéticas e as que tenham desenvolvido síndromes como hipertensão e pânico.

+ sobre o tema

Reorganizar a esquerda passa por enfrentar o racismo e o patriarcado

Dia desses tive a honra de dividir uma mesa...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

para lembrar

A escola e o terreiro: diversidade e educação antirracista em pauta

Palestrantes Do Sesc   Stela Guedes Caputo Doutora em Educação, professora do Programa...

Globo de Ouro: HFPA anuncia nova estrutura após boicote por falta de diversidade

A edição anual do Globo de Ouro, uma das mais tradicionais...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura iniciou o processo de seleção das 2.671 iniciativas inscritas no edital do Prêmio...

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...
-+=