Como enfrentar a violência contra mulheres? Aula Pública por Luciana Araújo

Jornalista Luciana Araújo, militante feminista que atua no Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, afirma que é necessária uma compreensão mais abrangente do conceito de violência

no Ópera Mundi

Agressões contra mulheres devem ser analisadas dentro de um contexto mais amplo. No caso brasileiro, de uma sociedade fundada sob a violência, sobretudo na colonização e no período de escravidão. O próprio desenvolvimento econômico do país é marcado pela hierarquização de vidas em favor do acúmulo de capital. Portanto, é necessário compreender que os ataques às mulheres têm um vínculo histórico com a realidade brasileira de violência.

Esta é uma das análises feitas por Luciana Araújo, jornalista e militante feminista que atua Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, durante a gravação da Aula Pública Opera Mundi sobre Como Enfrentar a Violência Contra a Mulher.

“Apenas em 2015, conseguimos incluir na legislação a tipificação do feminicídio e, mesmo assim, a medida ainda é vista como um exagero por uma parcela da sociedade. É muito diferente uma morte resultante de violência urbana ou de conflitos socioeconômicos do que você matar alguém por sua condição de existência. Estamos falando de mortes motivadas pelo pelo fato de serem mulheres. Todos dias morrem mulheres em razão de ‘deixar de fazer o jantar’, ‘não arrumar a cama’ ou ‘porque o marido não aceita a separação’. Debater isso é o primeiro passo para reverter esse quadro”, afirma Luciana.

Para especialista, também é necessária uma compreensão mais abrangente sobre o que é violência. Casos contemporâneos, como acesso às senhas de redes sociais ou ameaças simbólicas, exemplificam que as agressões não se limitam apenas aos ataques físicos.

“Há casos de mulheres que suicidaram após o vazamento de imagens nas redes sociais. Portanto, não podemos tratar o assunto apenas como violência virtual, pois há episódios com desdobramentos claros para o mundo real. Debater essa nova realidade é fundamental para reverter o quadro de um país que é o 5°, em 84 países, que mais mata mulheres. E o 1° colocado que mais mata travestis e transsexuais. E são mortes que estão associadas ao que é feminino nessas pessoas e nesses corpos”, afirma Luciana.


+ sobre o tema

para lembrar

Mulher negra filma sua expulsão de loja Victoria’s Secret; assista

Suposto caso de preconceito racial ocorreu nos Estados Unidos A...

Investiga Menina! incentiva atuação de estudantes negras na Ciência

Coordenadora do projeto, Anna Benite, explicou como ocorre a...

Taís Araújo usa as redes para celebrar o respeito à liberdade religiosa

No sábado, Taís Araújo foi às redes para relembrar...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=