Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

FONTEBBC, por David Cox
Foto: Andrii Nekrasov/Adobe iStok

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável.

Há várias décadas, cientistas ao redor do mundo têm ficado cada vez mais preocupados com sinais de que meninas estão entrando na puberdade em uma idade muito mais jovem em comparação com gerações anteriores.

Desde o início da menstruação das meninas, algo que os cientistas chamam de idade da menarca, até o início do desenvolvimento dos seios, essas mudanças marcantes que marcam o início da adolescência parecem estar ocorrendo cada vez mais cedo.

Nos EUA, a estimativa é de que meninas estejam menstruando até quatro anos mais cedo em comparação com um século atrás.

Em maio, novos dados mostraram que enquanto as meninas nascidas entre 1950 e 1969 geralmente começavam a menstruar aos 12,5 anos, isso diminuiu para uma média de 11,9 anos para a geração nascida no início dos anos 2000.

A mesma tendência também tem sido observada ao redor do mundo. Cientistas sul-coreanos descreveram com certa preocupação como o número de meninas exibindo sinais de puberdade precoce — seja desenvolvimento dos seios ou menstruação antes dos oito anos de idade — aumentou 16 vezes entre 2008 e 2020.

“Também estamos vendo que essas idades decrescentes na puberdade são ainda mais pronunciadas em grupos de baixo status socioeconômico e grupos étnicos minoritários,” diz Audrey Gaskins, professora associada na Universidade Emory, em Atlanta, EUA. “Isso tem importantes implicações para a saúde a longo prazo.”

Pesquisadores como Gaskins estão principalmente preocupados com a possibilidade de que iniciar a puberdade mais cedo desencadeie uma sequência de acontecimentos com consequências de longo alcance na vida adulta.

Dados mostram que isso não só pode reduzir a janela de fertilidade, especialmente se essas mulheres entrarem na menopausa mais cedo, mas também encurtar suas vidas.

A puberdade precoce tem sido repetidamente associada a um maior risco de doenças que vão desde câncer de mama e ovário, síndromes metabólicas como obesidade e diabetes tipo 2, até doenças cardiovasculares.

Os cientistas ainda estão tentando entender por que isso acontece, mas Brenda Eskenazi, professora de saúde pública na Universidade da Califórnia, diz que uma teoria indica que se as células do corpo forem expostas a níveis circulantes de hormônios sexuais como o estrogênio por um período maior de tempo, isso pode aumentar o risco de desenvolvimento de tumores porque esses hormônios estimulam o crescimento celular.

“Há algumas teorias de que ter uma janela de exposição mais longa aos hormônios aumenta o risco de cânceres reprodutivos,” ela diz.

Além disso, existem as possíveis consequências sociais. Eskenazi destaca que meninas que entram na puberdade mais cedo também têm mais chances de se tornarem sexualmente ativas mais cedo.

“Existe uma situação preocupante nos Estados Unidos quando temos a tendência de tornar o aborto ilegal e a contracepção não estar disponível,” ela diz. “Isso vai levar a mais gravidezes na adolescência indesejadas, então essa combinação de fatores é muito assustadora.”

Mas por que o desenvolvimento infantil está sendo acelerado dessa forma?

Da obesidade à poluição do ar

O início da puberdade é ditado por duas amplas redes de comunicação no corpo conhecidas como eixos hipotálamo-hipofisário-adrenal (HPA) e hipotálamo-hipofisário-gonadal (HPG).

Elas conectam uma região do cérebro chamada hipotálamo, que regula várias funções corporais essenciais, desde a fome até o controle da temperatura, com diferentes glândulas que secretam hormônios.

Gaskins diz que até 10 a 20 anos atrás, os cientistas presumiam que a única causa da puberdade precoce era a obesidade infantil, com proteínas produzidas por células de gordura chamadas adipocinas desempenhando um papel na estimulação dos eixos HPA e HPG.

“Só recentemente é que as pessoas começaram a perceber que isso não explica tudo e deve haver outros fatores envolvidos,” ela diz.

Vários estudos nos últimos três anos apontaram para outra causa, mais surpreendente: a poluição do ar.

Muitas dessas pesquisas foram realizadas por cientistas na Coreia do Sul, com Seul, Busan e Incheon figurando entre as 100 cidades mais poluídas do mundo de acordo com o índice IQAir.

Uma revisão de estudos publicada recentemente pela Universidade Ewha Womens em Seul identificou uma relação repetida entre a exposição a vários poluentes e o início precoce da puberdade.

Alguns dos principais culpados parecem ser gases tóxicos como dióxido de enxofre, dióxido de nitrogênio, monóxido de carbono e ozônio, todos os quais são liberados no ar através de emissões veiculares ou resíduos produzidos por fábricas.

Em 2022, um estudo de cientistas na Polônia, um país conhecido por sua má qualidade do ar devido à prevalência de fábricas movidas a carvão, examinou dados de 1.257 mulheres e encontrou uma ligação entre uma maior exposição a gases de nitrogênio e o início da menstruação antes dos 11 anos de idade.

Talvez uma preocupação ainda maior seja a matéria particulada fina (MP), partículas que são muito pequenas para serem vistas, mas são liberadas no ar a partir de fontes que variam de obras de construção a incêndios florestais, usinas de geração de energia, motores de veículos e até estradas poeirentas e não pavimentadas.

Em outubro de 2023, Gaskins e colegas descobriram que meninas dos EUA expostas a altas quantidades de MP2.5 — definidas como partículas com um diâmetro inferior a 2,5 μm — e MP10, tanto no útero materno quanto durante a infância, têm mais probabilidade de ter sua primeira menstruação em uma idade mais precoce.

“As partículas de MP2.5 podem entrar na corrente sanguínea com bastante facilidade,” diz Gaskins.

“Você as inala até os pulmões e elas não são filtradas como algumas das partículas maiores seriam, e podem então alcançar diferentes órgãos. Vimos certas partículas de MP2.5 se acumulando na placenta, nos tecidos fetais, nos ovários, elas podem ir para qualquer lugar.”

Estudos usando misturas de partículas encontradas em amostras de ar interno mostraram que os produtos químicos contidos nessas partículas finas são capazes de interagir com os receptores de vários hormônios envolvidos no desenvolvimento — especialmente androgênio e estrogênio.

Isso pode potencialmente desencadear uma reação em cadeia que leva ao início da puberdade.

“Nossa hipótese principal era que as meninas que tiveram maior exposição ao PM2.5 também foram expostas a mais produtos químicos que estavam imitando o estrogênio ou simplesmente perturbando o eixo HPA e seus sinais regulares, levando o corpo a entrar na puberdade mais cedo,” diz Gaskins.

Ao mesmo tempo, é provável que muitos fatores diferentes estejam envolvidos na puberdade precoce.

Gaskins indica que as evidências relacionadas ao PM2.5 e outros poluentes são apenas um exemplo de como produtos químicos ambientais nocivos podem penetrar no corpo, estimulando mudanças hormonais de longo alcance.

“As meninas pré-púberes são um grupo interessante porque outra grande via de exposição a produtos químicos que perturbam os processos hormonais é através de produtos de cuidados pessoais,” diz Gaskins. “E agora há muitas empresas ativamente visando esse público e comercializando produtos para elas.”

No geral, Eskenazi diz que ainda há muito que não sabemos sobre a complexa conexão entre nosso mundo em mudança e como essas flutuações estão impactando o desenvolvimento infantil, com o papel de fatores como microplásticos e até mesmo mudanças climáticas sendo muito desconhecido.

“Acho que ainda estamos apenas na ponta do iceberg,” ela diz.

“Não sabemos como um clima mais quente está afetando o ciclo menstrual ou mesmo o papel de fatores sociais, pressionando as meninas a crescerem mais cedo. Mas essa tendência é muito real, e pode ser uma combinação multifatorial de produtos químicos ambientais, obesidade e questões psicossociais que estão se combinando para reduzir a idade da menarca.”

-+=
Sair da versão mobile