comunidade quilombola resiste a implantação de mega resort na ilha de cajaiba

Comunidade Quilombola de Acupe diz NÃO ao empreendimento turístico da Empresa Propert Logic


Após muita pressão e insistência da comunidade remanescente de quilombo de Acupe, o Instituto do Meio Ambiente – IMA e a Empresa Propert Logic realizou ontem (17/08/2010), no Centro Cultural D. Helder Camara – Distrito de Acupe, Santo Amaro – BA uma reunião pública para tratar sobre os impactos do Empreendimento Turístico e Hoteleiro que pretende se instalar na Ilha de Cajaiba localizada na foz do Rio Subaé.

Na reunião os técnicos da empresa e do IMA apresentaram o projeto sendo constatado graves impactos que o empreendimento irá causar as comunidades pesqueiras e quilombolas do entorno em seguida as lideranças comunitárias fizeram vários questionamentos e se posicionaram contrários a implantação do complexo hoteleiro na ilha que preve a substituição da mata atlântica por campos de GOLF e hotéis, além da implantação de áreas de esportes náuticos e espaços de exclusão da pesca.

As lideranças aproveitaram a oportunidade para denunciar que o projeto da Empresa Propert Logic está influenciando a privatização de outras ilhas da região, a exemplo das ilha grande, passarinho, nordeste, guarapirá e coroa branca que estão sendo ocupadas ilegalmente por pessoas de fora. Denunciaram que a construção de imoveis nestas ilhas iniciaram após a divulgação de que a Empresa havia anunciado a possibilidade de construir resorts na Ilha de Cajaiba. Solicitaram que o IMA e o Ministério Público tomassem as devidas providencias para impedir a destruição das ilhotas.

Além da especulação imobiliária, as lideranças destacaram os seguintes motivos pelos quais são contrários a instalação do empreendimento:

· A Ilha de Cajaiba é o principal berçário da vida marinha e garante o sustento de mais de 10.000 pessoas da comunidade;

· A Ilha favorece o desenvolvimento da atividade pesqueira, o extrativismo de frutas e serve de abrigo para os pescadores em épocas de temporais;

· A Ilha é reconhecida pelas comunidades remanescentes de quilombos da região como território quilombola. Processo de identificação já iniciado pelo INCRA ;

· A instalação do mega empreendimento turístico e hoteleiro irá trazer inúmeros prejuízos sociais, econômicos e ambientais para as comunidades: aumento da criminalidade e do tráfico de drogas; prostituição; exclusão de áreas de pesca e a poluição do estuário devido ao lançamento de resíduos sanitários.

Após várias manifestações da plenária, insatisfeita com o processo de licenciamento e com as respostas dos representantes do IMA e da Empresa quanto aos diversos questionamentos apresentados, algumas lideranças solicitaram a realização de uma Audiência Pública com a presença do Ministério Público, INCRA e Fundação Cultural Palmares.

Articulação local – Movimento dos Pescadores e Pescadoras

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Recife – O Racismo e as Mulheres Negras

Promovido pela Secretaria da Mulher do Recife, o evento...

Incra ajuíza desapropriações de imóveis rurais para titulação de quilombolas na Bahia

Pela primeira vez, a superintendência regional do Incra ajuíza...

Quilombolas são foco de acordo entre a Seppir e o Maranhão

Cooperação será firmada nesta quarta-feira (04), às 10h, no...

para lembrar

Gigante imobiliária, PDG mira Norte e Nordeste

Por: CAMILA FUSCO     Líder em vendas...

Casa África realiza 4º Fest’AfroBrasil

Artistas africanos e afrobrasileiros reunidos em diversos espetáculos e...

IBGE: Diminui desigualdade racial no acesso à educação

As desigualdades raciais no acesso à educação e...

Projeto elaborado pela Semed para o mês da Consciência Negra

Como parte integrante da programação do Mês da...
spot_imgspot_img

Entre rios e matas: uma comunidade de negros em Gurupá (PA)

O que você sabe sobre a história da população negra na Amazônia? Angulado por essa questão, neste artigo, resultado da pesquisa desenvolvida durante o...

Primeira médica de quilombo baiano criou cursinho pré-vestibular

"Eu era um ponto preto em uma folha branca", ouvia Marina Barbosa, 32, de um professor durante a graduação em medicina. Hoje formada pela UFBA...

Grito dos Excluídos em Salvador tem pedidos por justiça e proteção aos povos preto e quilombola

A 29ª edição do Grito dos Excluídos reuniu diversos grupos em Salvador, nesta quinta-feira (7), para pedir justiça e proteção para o povo negro e...
-+=