Conheça 7 intelectuais que nos ajudam a entender o racismo no Brasil

Enviado por / FonteO Globo

Nos últimos dias atos contra o racismo e a violência policial estouraram nos Estados Unidos e no Brasil, em plena pandemia do coronavírus, chamando a atenção para a centralidade da luta anti-racista nesses países. Além dos atos organizados por movimentos como o “Black lives matter” e o “Vidas negras importam”, a questão racial vem sendo pautada diariamente por diversos intelectuais que veem a questão do racismo como central nessas sociedades.

Para isso, muitos pensadores vêm produzindo conteúdo de forma gratuita em seus perfis em redes sociais. O GLOBO selecionou alguns destes intelectuais que podem ajudar quem quer entender melhor os problemas estruturais causados pelo histórico escravocrata do Brasil e como o racismo segue produzindo desigualdades no país.

Silvio Almeida

Silvio Luiz de Almeida é jurista, professor da FGV, da Mackenzie, e da Universidade de Duke, nos EUA. Em seus livros, artigos e publicações nas redes, ele discute como o racismo estrutural se manifesta no Brasil usando exemplos que vão do futebol, até a questões da política nacional e do direito.

Sueli Carneiro

Djamila Ribeiro

 

Ver essa foto no Instagram

 

Somos mulheres negras pensando e elaborando o mundo. Quando somos marcadas para nos discriminar, isso não é enxergado como um problema. Quando nós nos marcamos para nos empoderar, geramos incômodo. Raça e gênero se entrecruzam e combinam: para alguns corpos, a experiência material e cotidiana do racismo não se separa da vivência do machismo. A interseccionalidade é uma ferramenta metodológica desenvolvida por feministas negras e usada para problematizar a concepção branco-centrada de sujeito. Precisamos romper definitivamente com a ideia da existência de um sujeito universal – falamos, sim, de lugares diferentes. Atribuir uma identidade comum a categorias distintas socialmente é um erro de categoria. E se trabalharmos com essa hipótese, como buscar a emancipação de mulheres negras tendo como base a experiência do machismo vivenciado por mulheres brancas? É preciso ter cautela ao definir qual é realidade da qual estamos falando. Que possamos entender que as diferenças são um problema quando significam desigualdade. . Edit: no corte do vídeo, o “não” foi suprimido. O correto é “não eleja qual opressão é mais importante”.

Uma publicação compartilhada por Djamila Ribeiro (@djamilaribeiro1) em

Flavia Oliveira

A jornalista e colunista do GLOBO Flavia Oliveira aborda o racismo a partir de pespectivas como a da economia, em que mostra como negros enfrentam as maiores taxas de desemprego, por exemplo.

Winnie Bueno

A acadêmica e influenciadora digital Winnie Bueno é criadora do projeto “Winnieteca”, que conecta pessoas através da doação de livros para promover o debate contra o racismo.

Jurema Werneck

Diretora da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck também é médica e doutora em comunicação e cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ela trabalha com temas como direitos humanos e políticas públicas para a população negra.

Lilia Schwarcz

 

Ver essa foto no Instagram

 

Os Estados Unidos estão vivendo um momento de muita pressão. Tudo começou como uma resposta à morte de George Floyd, um homem negro que teve o pescoço prensado pelo joelho de um policial branco da cidade de Minneapolis. A cena não era uma exceção mas uma regra. No entanto, do alto de seu racismo o presidente Donald Trump defendeu neste sábado (30) que os estados e as cidades ajam de modo “muito mais duro” e ameaçou entrar com medidas severas, que podem incluir o uso de militares. Na noite desta sexta, houve manifestações em ao menos 30 cidades dos EUA, com confrontos em parte delas. Infelizmente esse não é um cenário estranho aqui no Brasil. O menino João Pedro, de 14 anos, que “desapareceu” após ser baleado em operação no Rio, e foi levado por um helicóptero, sendo que a família só conseguiu localizar o corpo na manhã desta terça-feira, no Instituto Médico Legal (IML), é prova do genocídio negro praticado também aqui no Brasil. Não será com a força que acabaremos com o racismo. Também não será com esteriótipos. Que essas mortes não caiam nos números frios das estatísticas. Temos que enfrentar o tema central que permanece sendo a morte de pessoas negras pela polícia: aqui e nós Estados Unidos. Não existe democracia com racismo.

Uma publicação compartilhada por Lilia Moritz Schwarcz (@liliaschwarcz) em

+ sobre o tema

Cnbb negra vai a Câmara de Vereadores de Salvador cobrar promessa do Prefeito

Fonte: Lindinalva de Paula     O Fórum de Religiosos de Matrizes...

Consciência Negra e o Besouro Mangangá

Fonte: Companhia do Cinema - Besouro - Da...

para lembrar

Pretos em Harvard

Nós, Anderson, Daiane e Sharah, jovens negros, tivemos nosso...

Intelectuais negros pensam a Independência em novo livro do selo Sueli Carneiro

Foi lançado nesta semana o livro "A Resistência Negra...

Carta para Carolina Maria de Jesus – Por Aline Botelho

Rio de Janeiro-2021. Essa carta é direcionada para uma Feminista...

“Outubro Negro” vai homenagear a escritora Carolina Maria de Jesus

No próximo dia 25 de outubro, quarta-feira, das 17...
spot_imgspot_img

Conheça Abdias do Nascimento, o novo nome no livro de ‘Heróis do Brasil’

Nascido no dia 14 de março de 1914, na cidade de Franca, em São Paulo, Abdias do Nascimento foi um jornalista, escritor, ator e político...

Gênero e reparação histórica na Guiné-Bissau e Além: entrevista com a intelectual Joacine Katar Moreira

No ano da celebração do 50º Aniversário da Independência da Guiné-Bissau, o Sesc Pompeia e o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP...

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na cidade de São Paulo deixava marcas com o pioneirismo em relatos contra o racismo e a ampliação...
-+=