Conheça Carol Anchieta, a nova aposta do “Jornal do Almoço”

Carol Anchieta, 36 anos, é a nova aposta do Jornal do Almoço, muito em breve na telinha. Mas, se você está achando seu rosto familiar, não está enganado.

De novata, a jornalista não tem nada: ela foi apresentadora do canal a cabo Futura por dois anos.

Atuou nos bastidores do Encontro Com Fátima Bernardes.

E foi âncora do Octo por sete meses.

A mil já com as gravações para o JA, ela sai às ruas como uma missão nobre: falar sobre diversidade e cultura para todos. Ficou curioso pra conhecer melhor esta gaúcha?  Nós também!

Aqui Entre Nós — Como será o teu desafio no JA?
Carol Anchieta —
Vou dar um direcionamento bem específico para a cultura. Já fiz externas (gravações fora do estúdio) mais trabalhadas, que fogem do formato hard news (dos noticiários). Vou trazer a cultura underground (além dos modismos), de life style (estilo de vida) em Porto Alegre e Região Metropolitana. O meu foco é mostrar o cenário cultural, as questões de gênero e as raciais, de comportamento, ou seja, cultura e diversidade.

Aqui — Qual será o tom?
Carol — Será sempre com um foco positivo. Quando eu penso em diversidade e inclusão, a minha ideia é mostrar que há espaço para todos. Que as pessoas se sintam à vontade de ir a todos os lugares.

Aqui — Como vais trabalhar esta proposta em uma emissora de tevê aberta, com um público tão diversificado?
Carol —
Como sou muito espontânea, vou fazer minhas matérias em tom de convite: “Vai, é bacana! Todo mundo pode”. Porto Alegre ainda é uma cidade muito segregada. Quero mostrar que existem programas para todos, em todos os lugares. Quero aproximar as pessoas.

Aqui — Recorda um pouco a tua trajetória até chegar à RBS TV.
Carol —
Comecei na TV Unisinos, em que atuei como âncora e me trouxe a experiência do ao vivo. Depois, fiz uma participação como convidada no College na TV, na Band, com matérias minhas sobre skate e o cenário street (de rua). No Rio de Janeiro, fui editora e apresentadora do Futura e fiquei no Encontro Com Fátima Bernardes por seis meses, como editora de texto. Depois, de volta a Porto Alegre, fiz Octo.

Aqui — Qual é a tua opinião sobre a representatividade do negro no jornalismo que é feito na tevê?
Carol —
Acho fundamental pelo que inspira. É uma inspiração para que outros estudantes negros nos vejam e pensem: “Eu posso também”. E não, necessariamente, para ser jornalista. Glória Maria é uma referência, claro. E Regina Casé também, porque sempre teve na sua fala a diversidade e trabalhou com outros formatos. A Regina é uma referência, pra mim, de conteúdo. Fiquei tensa quando a conheci (risos), mas, aí, puxei um papo sobre o Futura (risos), e começamos a conversar. Eu demorei a perceber a importância da minha representatividade no vídeo. Quando morei no Rio de Janeiro (por quatro anos), me aproximei mais do feminismo negro e entendi melhor esta minha missão.

+ sobre o tema

Através da minha história, vou ajudar as mulheres negras

Monalysa Alcântara foi eleita Miss Brasil 2017 na noite deste...

Thaíde completa 30 anos dedicados ao hip hop

Thaíde está completando 30 anos de carreira. Desde 1985,...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Cabelos curtos e cacheados

Muita gente acha que cabelo médio e curto não...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=