A crítica de Marcien Towa às doutrinas de identidade africana

O presente trabalho propõe tematizar a crítica que o filósofo Marcien Towa realizou sobre a questão da identidade africana. Sobre tal questão, o autor parte de duas concepções que consistiram primordiais no desenvolvimento da filosofia africana contemporânea: a alma negra de Blyden e a negritude de Senghor. A crítica a tais concepções tem como objetivo evidenciar que a tentativa de encontrar uma essência para a população africana invariavelmente não atenta para a diversidade de identidades no continente africano. Com isso, uma das implicações é a exigência para refletir sobre a fronteira entre natureza e cultura que propicia a construção da filosofia africana enquanto capaz de realizar um diálogo com outras formas de pensamento.

Palavras-chave: Alma negra, identidade africana, Marcien Towa, negritude.

Marcien Towa (Ilustração: Romulo Arruda)

no Textos Diaspóricos

Este trabalho pretende tematizar a crítica realizada pelo filósofo Marcien Towa sobre a questão da identidade africana. A crítica encontra-se em grande parte na obra Identité et Transcendence (2011) na qual o filósofo expõe uma reflexão acerca da crise da identidade. Tal reflexão pode ser sintetizada no fato de que a filosofia da identidade, em sua hegemonia ocidental, está envolta em inúmeras ideologias que se constituem no próprio sintoma de uma profunda crise de identidade. E a partir da percepção da crise decorre um sistema de opressão que tem como finalidade retirar os direitos de outros povos, inclusive porque “O Ocidente é, assim, proclamado o absoluto do mundo diante do qual todos os outros povos não têm direitos” (TOWA, 2011, p. 338).

E a partir da compreensão da diversidade de identidades, Towa questiona a propósito da identidade africana, em como ela é construída pelos diversos povos dentro e fora do continente africano. Para isso, primeiro, duas concepções são fundamentais para essa discussão: a alma negra de Blyden e a negritude de Senghor, além do que essas duas concepções condicionam uma análise de como as diversidades das identidades humanas consistiriam numa fronteira entre natureza e cultura.

Acesse o texto completo

+ sobre o tema

Renascimento do continente africano em debate no 50. aniversário da UA

Um debate sobre o "Pan-africanismo e renascimento africano"...

ONG oferece capoeira para crianças refugiadas palestinas

A ONG britânica Bidna Capoeira está fazendo da...

para lembrar

Destacado contribuição da mulher africana na luta contra discriminação

A ministra da Família e Promoção da Mulher, Genoveva...

Quenianos poderão processar Reino Unido por torturas coloniais

Por Estelle Shirbon   LONDRES, 5 Out (Reuters) - Três idosos...

Candidatos a professores em SP têm de apresentar exames caros

Testes médicos exigidos de 12 mil candidatos custam mais...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=