Daniel Alves cobra união contra racismo, e Grafite diz que política do futebol atrapalha ativismo

Enviado por / FonteGlobo Espote

Convidados de um dos painéis desta quarta-feira do World Football Summit (WFS), evento organizado pelo ex-jogador Ronaldo, o lateral-direito Daniel Alves, do São Paulo, e o ex-atacante Grafite, comentarista do SporTV , debateram sobre ativismo de jogadores no futebol atualmente. Sob a mediação da apresentadora Glenda Koslowski em transmissão de vídeo, deram suas opiniões sobre como os atletas podem se posicionar contra racismo e outros preconceitos para ajudar na conscientização do meio.

O lateral cobrou dos organizadores do futebol brasileiro uma posição mais firme com quem comete atos de racismo.

– Sinto falta de uma união das federações no Brasil.

“Precisam deixar de ser egoístas, pensando nelas e nos benefícios que o esporte pode trazer, e começar a pensar naqueles que eles estão representando”

– Deveria se fazer valer todo o poder que o esporte tem – afirmou.

Grafite destacou a dificuldade que os jogadores têm para organizarem ações coletivas contra o racismo ou a favor de outras causas.

– É difícil se posicionar em um esporte que não é individual. O futebol é uma coisa muito política, é difícil para os jogadores se reunirem e realizarem um evento.

“Assim que o time começar a não jogar bem ou a perder, o jogador será culpado por isso”

– O futebol tem aquela parte política que limita os jogadores de tomar partido fora do campo – criticou.

Grafite foi vítima de ofensas racistas do zagueiro argentino Leandro Desábato em jogo do São Paulo contra o Quimes, pela Copa Libertadores, em 2005. O adversário foi preso, mas depois liberado. Para o ex-atacante, hoje em dia, com a carreira consolidada, acha mais fácil tomar posição.

“Quando eu comecei, eu não tinha a autonomia que tenho hoje”

– Quando você é um jogador consagrado, é mais fácil para nós nos posicionarmos. Mas para aqueles que estão começando e ainda não têm um nome, é difícil. Estou falando dentro do futebol, em outros esportes eu não tenho conhecimento. Agora, com os movimentos que ocorreram ao redor do mundo, a luta contra o racismo vai ser mais igualitária.

“A janela se abriu, e acho que não vai mais fechar”

Em 2014, Daniel Alves comeu uma banana atirada em campo durante jogo do Barcelona contra o Villarreal. Seis anos depois, disse que vai continuar se posicionando contra o que for quando bem entender.

– Continuarei incentivando grande parte da união dos povos, dos atletas. Tomo uma posição quando tenho que tomar uma posição, quando tenho que expressar minha opinião. É uma questão mundial, todos têm que se unir, fazer uma defesa – disse.

+ sobre o tema

O Caçador Cibernético da Rua 13

Baseado na mitologia de Odé Oxossi, O Caçador Cibernético...

Ódio racial por Sueli Carneiro

O ódio racial emerge como tema de maneira insólita...

para lembrar

Amarildo, jamais te esqueceremos! A Criminalização da pobreza

A polícia protege o patrimônio do grande capital...

Mulher chama funcionários de “macacos” em shopping, é seguida e se esconde em loja

Polícia foi chamada; situação indignou clientes e funcionários Por Gil...

É preciso combater as fraudes nas cotas raciais

Causou muita polêmica a medida tomada pela Secretaria do...

O Caçador Cibernético da Rua 13

Baseado na mitologia de Odé Oxossi, O Caçador Cibernético...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=