Debate sobre o racismo leva Johnson & Johnson a retirar cremes branqueadores

Enviado por / FonteGrande Consumo

A Johnson & Johnson decidiu deixar de vender cremes para branquear a pele, muito populares na Ásia e no Médio Oriente, devido à pressão social, das últimas semanas, sobre a desigualdade racial.

Denominada Clean & Clear Fairness, a linha de produtos é vendida, essencialmente, na Índia. Já no início deste mês, a multinacional norte-americana tinha informado que iria eliminar a gama Neutrogena Fine Fairness. “As conversações, nas últimas semanas, destacaram que alguns nomes de produtos ou afirmações sobre os nossos produtos redutores de manchas escuras descrevem o branco como uma cor melhor que o próprio tom de pele. Esta nunca foi a nossa intenção. Uma pele sã é uma pele bonita”, disse um porta-voz da empresa à Reuters.

A Johnson & Johnson não irá mais produzir nem distribuir os produtos, que ainda poderão ser encontrados nas lojas até se esgotar o stock.

 

Mercado

Os cremes que prometem aclarar a pele são comercializados, principalmente, para mulheres pelas maiores empresas de cuidados pessoais. No ano passado, foram vendidas 6.277 toneladas em todo o mundo, de acordo com os dados da Euromonitor International, incluindo os produtos comercializados como cremes anti envelhecimento dirigidos a manchas escuras.

 

Leia Também:

‘Creme para embranquecer pele’ coloca Nivea no centro de polêmica em países da África

Indiano é acusado de racismo após lançar creme que clareia a vagina

+ sobre o tema

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

para lembrar

Vereadora alvo de ofensa racista: ‘Disseram que era liberdade de expressão’

Em entrevista ao UOL News, a vereadora Paolla Miguel (PT-SP)...

Não queremos mais Marielles

Às vésperas do Dia Internacional dos Direitos Humanos, vereadores negros...

Supervisor acusa vereador de Embu das Artes de racismo: “Todo preto fede”

O supervisor Izac Gomes, de 57 anos, acusou hoje...

Cotas no ensino superior: uma política bem-sucedida

Para um país que historicamente se pensava como uma...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...
-+=