Decepção: Câmara barra maior participação das mulheres na política

Faltaram 15 votos para a Câmara dos Deputados garantir uma maior participação das mulheres na política brasileira. Após cederem na proposta para tentar angariar votos, as deputadas viram o texto conquistar apenas 293 dos 308 votos que a emenda à Constituição precisava para passar pelo primeiro turno. Houve 101 votos contrários e 53 abstenções.

Do Brasil Post 

A matéria, inclusa na reforma política, previa uma espécie de reserva de vagas para as mulheres nas próximas três legislaturas. Na primeira delas, de 10% do total de cadeiras na Câmara dos Deputados, nas assembleias legislativas estaduais, nas câmaras de vereadores e na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Na segunda legislatura, o percentual subiria para 12% e, na terceira, para 15%.

As vagas deveriam ser preenchidas pelo sistema proporcional. Se a cota não fosse preenchida, seria aplicado o princípio majoritário para as vagas remanescentes.

Debate em Plenário

No debate em Plenário, diversos deputados defenderam as cotas. A deputada Luciana Santos (PCdoB-PE) disse que as mulheres já conquistaram marcos legais importantes, como as leis Maria da Penha e do Feminicídio. “Mas ainda precisamos enfrentar o modelo político que exclui a participação das mulheres”, disse ela, recordando o papel decisivo de uma das figuras mais significativas do feminismo no Brasil, a bióloga Bertha Lutz, que conquistou o direito da mulher de votar em 1932.

O líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), disse que o aumento da participação de mulheres no Parlamento envolve uma batalha jurídica, política e cultural. “As mulheres são 52% da população e, aqui [na Câmara dos Deputados], só tem 9,9% das vagas”, disse Alencar.

Segundo ele, esse baixo percentual é “uma sequela de uma estrutura patriarcal e machista que transborda do ambiente familiar para as relações sociais e instâncias do poder público”.

A deputada Janete Capiberibe (PSB-PE), por sua vez, disse não querer “superar os homens, mas atingir a igualdade”.

+ sobre o tema

O algoz não vai ter mais razão

Há um desespero cômico naqueles que não falam mais...

“A falta de solidariedade das mulheres naquele artigo me espanta”

Historiadora das mulheres francesa analisa a recente polêmica em...

Heroínas negras na história do Brasil

Na história do Brasil, conta-se muito pouco a respeito...

Fátima Oliveira: Encomendar almas para o outro mundo, um dom

"Reencontros na travessia: a tradição das carpideiras" no teatro? É...

para lembrar

Candidato revela ser gay em horário político no Ceará; veja vídeo

Aílton Lopes (PSOL) diz ser gay na propaganda eleitoral...

As mulheres e a vitória de Dilma no 1º turno

Depois da entrada do programa de televisão dos candidatos...

O feminismo em África

O que é o feminismo na África? O feminismo...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=