Denúncia: Prostitutas que defendem o reconhecimento da profissão são assassinadas em Belém

A revelação é da coordenadora do Observatório da Prostituição da Universidade Federal do Rio de Janeiro, professora Soraya Silveira Simões.

Da Revista Fórum 

Foto: Creative Commons

Desde o dia 1 de janeiro, ao menos três trabalhadoras sexuais do chamado Quadrilátero do Amor, como é conhecida a antiga zona do meretrício do centro de Belém (PA), foram assassinadas. A denúncia é da coordenadora do Observatório da Prostituição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), professora Soraya Silveira Simões. As informações são do blog do Ancelmo Gois, em O Globo.

As mulheres eram militantes do movimento pelo reconhecimento da profissão. Em toda a Região Metropolitana de Belém, já passaria de dez o número de assassinatos de prostitutas somente em 2018.

*Com informações do blog do Ancelmo Gois, de O Globo

+ sobre o tema

Uma em 1 milhão

Em março de 2005, Cynthia Howlett, Vera Zimmermann e...

Índias levam bandeiras feministas às aldeias e assumem dianteira do movimento

Nascidas em aldeias indígenas no Acre, Letícia Yawanawá, 49...

para lembrar

O funk é feminista – Por: Carla Rodriguez

Quando cantam suas letras consideradas obscenas, as funkeiras reivindicam...

O que acontece depois que uma mulher jovem e grávida decide não abortar?

Recebemos esse texto e a autora nos pediu para...

Em artigo no ‘NY Times’, Angelina Jolie desabafa após visitar campo de refugiados

Atriz escreveu artigo no jornal de NY Times, publicados...

74% das mulheres encarceradas são mães e cumprem pena em estrutura masculinizada

Especialistas e parlamentares criticaram em audiência na Câmara o...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=