2018 começa com mais um brutal caso de feminicídio

Stefhani Brito, de 22 anos, é carregada morta na garupa de moto por horas até ser abandonada às margens da Lagoa da Libânia, em Fortaleza. Segundo familiares, ela já sofria torturas do ex-companheiro, apontado como autor do crime

Da Revista Fórum

(Foto: Facebook/Reprodução)

Este ano começa com mais um caso chocante de feminicídio. A jovem de 22 anos Stefhani Brito foi morta pelo ex-companheiro no primeiro dia de 2018. O autor do crime transitou com a jovem morta na garupa de sua moto por horas no bairro Mondubim, em Fortaleza. Os moradores presenciaram a cena, até o corpo ser abandonado nas proximidades da Lagoa da Libânia. Antes, o assassino ainda bateu a cabeça de Stefhani no tanque da moto.

Segundo o jornal O Povo, de Fortaleza, a vizinhança conta que o corpo de Stefhani ficava caído sobre ele, que parou em uma borracharia e também na calçada de uma residência. Em uma das paradas ele perguntou a uma menina de 12 anos se havia alguma farmácia aberta e parecia tranquilo. De acordo com os moradores, a mulher parecia sem vida e cheia de hematomas.

Na tarde desta terça (2), o irmão de Stefhani a reconheceu. Viu nas redes sociais que haviam achado um corpo na lagoa e quando chegou no lugar confirmou que era a irmã.

O ex-companheiro de Stefhani, com quem ela conviveu por cinco anos, é apontado como autor do crime. Uma familiar disse que a jovem era torturada e que todos viam as marcas. Ela chegou a ser queimada com ponta de cigarro e até com uma colher quente. Stefhani chegou a ir morar no Interior para se distanciar.

“Quando batia nela, ele amarrava para não gritar. Acredito que ela era ameaçada, pois sempre ela dizia, sempre que discutia, a gente pedia para que ela não fosse encontrar. E ela dizia que ia pois precisava salvar a família”, disse ao jornal.

Há pelo menos seis meses os dois terminaram o relacionamento. No último dia 1º, Stefhani foi chamada pelo homem para uma conversa. A família preocupada permaneceu ligando e a jovem atendia as ligações. No entanto, a partir das 21 horas, as conversas eram apenas pelo WhatsApp. O que faz a família acreditar que seja o autor do crime se passando por ela. Em determinado momento, as mensagens pediam todas as fotos de Stefhani do Reveillón. Amigos da vítima dizem que era o ex-companheiro querendo saber com quem ela estava.

Brasil tem quinta maior taxa de feminicídio

O ano passado, 2017, também começou com um crime de feminicídio. O técnico em laboratório Sidnei Ramis de Araujo, de 46 anos, pulou o muro da casa onde ocorria a festa de ano novo de sua ex-esposa, Isamara Filier, e entrou atirando. Isamara e outras 11 pessoas, todas da família, morreram. O crime ocorreu em Campinas (SP), e somente em dezembro foi tipificado como feminicídio.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem a quinta maior taxa de feminícidio no mundo. O número de assassinatos chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres. O Mapa da Violência de 2015 aponta que, entre 1980 e 2013, 106.093 pessoas morreram por sua condição de ser mulher. As mulheres negras são ainda mais violentadas. Apenas entre 2003 e 2013, houve aumento de 54% no registro de mortes, passando de 1.864 para 2.875 nesse período. Muitas vezes, são os próprios familiares (50,3%) ou parceiros/ex-parceiros (33,2%) os que cometem os assassinatos.

+ sobre o tema

“De quais mulheres temos falado?”

Era 1852, quando na segunda convenção anual do movimento...

Derrota da democracia por Flávia Oliveira

Jean deixa a vida pública em prol da particular....

Ameaças, estupros e prostituição: os impactos do garimpo ilegal para as mulheres

A atividade garimpeira clandestina impacta diariamente a vida dos povos indígenas...

NY aprova incentivo para contratação de mulheres e minorias na TV

Parlamentares do estado americano de Nova York aprovaram um...

para lembrar

Falar é preciso

Temos de debater colorismo, porque cor de pele conta...

2013: Um ano atípico para a luta feminista

As mulheres deram sua contribuição acertada para a agenda...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=