“Descarregar a arma”, disse PM ao levar jovem encontrado morto no Rio

Um dos dois policiais presos sob suspeita de envolvimento na morte de um adolescente cujo corpo foi encontrado em um matagal próximo à estrada do Sumaré, no Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro, em junho, afirmou, minutos antes de levar o jovem para o local, que iria “descarregar a arma um pouquinho”.

A afirmação foi gravada pela câmera do carro onde os cabos identificados como Lima e Magalhães trabalhavam no dia da morte do adolescente. As imagens foram divulgadas no domingo (20) pelo “Fantástico”, da TV Globo.

O vídeo mostra a perseguição a dois adolescentes suspeitos de furto no centro do Rio de Janeiro, seguida da captura dos dois e de mais um jovem que, segundo o cabo Lima afirma, “ficou de longe assim, olhando” a perseguição.

Em seguida, com os três no carro, os PMs combinam de “ir lá pra cima” –em referência ao Morro do Sumaré—”descarregar a arma um pouquinho”. Ao chegar ao morro, que fica dentro da Floresta da Tijuca, eles fazem três paradas. Na última delas, as imagens gravadas pela câmera do veículo são interrompidas.

O vídeo recomeça com os dois PMs dentro do carro, sem nenhum dos três adolescentes dentro. O terceiro dos jovens a ser detido pode ser visto descendo o morro, após ter sido liberado pelos policiais. Eles ainda dão carona para o rapaz até a Lapa, recomendando que ele não comente o ocorrido: “Se tiver alguma fofoca ali na Uruguaiana de que tu veio aqui em cima com a gente, a gente vai atrás de tu. Escutou? Vai fingir que nada aconteceu”, diz o cabo Magalhães.

Após o corpo do adolescente ter sido encontrado, cinco dias depois, a Polícia Civil começou a investigação e descobriu que ele havia sido detido pelos PMs. A partir de então, as investigações focaram nos dados fornecidos pela câmera e GPS do carro.

Os dois policiais foram presos no dia 17 de junho, e a investigação está a cargo da Polícia Civil. O outro adolescente disse que sobreviveu aos tiros se fingindo de morto e chegou a participar da reconstituição do caso.

Fonte:  UOL

+ sobre o tema

O país que adotou a violência, mas quer abortar o criminoso

Em regra todo criminoso/delinquente/infrator contumaz possui valores próprios, singulares,...

Ana Flavia Cavalcanti: “Não falta negro no audiovisual, falta a vontade de pessoas brancas”

Diretora, roteirista, produtora e atriz tanto de filmes e...

Seminário do Instituto Ethos analisa ações afirmativas para a promoção da igualdade racial

Evento fará uma análise comparativa entre dois contextos -...

Em série, casais inter-raciais revelam insultos que ouvem diariamente

Ver um casal de diferentes etnias não deveria ser...

para lembrar

Vidas que importam

As recentes mortes envolvendo negros e policiais brancos norte-americanos...

Pesquisador do IPEA defende sistema de cotas raciais para fomentar igualdade racial

    O diretor de Cooperação e Desenvolvimento...

Cotas, Prá que ti quero? A Política Social de Cotas Raciais

José Ricardo d'Almeida A polêmica das cotas raciais está cada...

Entrevista com Carlos Moore: ‘O racismo é o maior perigo para a humanidade’

Entrevista com Carlos Moore: 'O racismo é o maior...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=