Desigualdade racial permanece evidente no mercado audiovisual

Negros até aparecem nas telonas, mas poucos ocupam papel de destaque

Da EBC 

Este ano, o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) lançou, pela primeira vez desde 2006, um edital que direciona 35% dos recursos para produtos dirigidos por mulheres e 10% para projetos dirigidos por negros e indígenas. O objetivo é diversificar as equipes de criação nesse mercado.

De acordo com um estudo da Agência Nacional do Cinema (Ancine), dos 142 longas-metragens brasileiros lançados, em 2016, comercialmente 75,4% são de homens brancos, outros 19,7% são assinados por mulheres brancas. Os homens negros assinam apenas 2,1% das direções cinematográficas, enquanto que nenhum filme foi dirigido por uma mulher negra no período pesquisado.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Ricos (não) merecem o que têm?

Privilégio representa alguma vantagem ou direito que uma pessoa...

O permanente holocausto negro

por: Ricardo Gondim A formação cultural brasileira tem graves deformações....

A face racista da miscigenação brasileira – Por Jarid Arraes

A questão da miscigenação racial no Brasil costuma ser...
spot_imgspot_img

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Famílias famintas e mães desdentadas: o retrato da miséria na ditadura que ficou ‘escondido’ nos arquivos do IBGE

O Brasil vivia a rebarba do milagre econômico — período de acelerado crescimento na primeira metade da Ditadura Militar (1964-1985) — quando o Instituto Brasileiro de Geografia e...
-+=