Dia dos pais

Passei o último domingo com minhas filhas de 20 e 25 anos. Para variar, a conversa girou em torno de coisas que o pai, cartunista, escritor e agora Secretário Municipal de Promoção da Igualdade Racial, sempre defendeu. Algumas das quais, elas nunca vivenciaram, mas aprenderam a defender também. Seja por amor, solidariedade ou até mesmo por aquele sentimento muito comum entre as mulheres: cumplicidade.

Por Maurício Pestana via Guest Post para o Portal Geledés

As duas sempre viram o pai defender cotas nas universidades, embora nunca tenham tido que recorrer a esse sistema para estudar. Mas entendem a dívida histórica que o Brasil tem com os negros e a importância desse recurso para avançarmos socialmente.

Sempre ouviram do pai que o pior mal da economia é uma tal de hiperinflação aliada ao desemprego, algo que também não chegaram a sentir.

Que impeachment por aqui só ocorreu quando um presidente playboy, inventado pela direita e inflado por um grande veículo de comunicação, chegou ao poder e, entre outras coisas, surrupiou a grana da população, bem diferente do que alguns querem fazer hoje com uma presidente reeleita com base popular e que até pegou em armas para defender a democracia neste país.

Que quem já viveu sob os tempos do governador Adhemar de Barros (1901-1969), autor da célebre expressão “rouba mas faz”; da ditadura militar com o ministro Delfim Neto, apelidado na época de ministro 10%; e da gestão Paulo Maluf no governo de São Paulo sabe que o que estamos vendo na Operação Lava Jato não começou agora, mas que atualmente as coisas estão mudando até demais, pois estão prendendo até quem já está preso.

Que hoje, quando viajam de avião, podem ver outras pessoas negras embarcando por via aérea, bem diferente de seu pai quando tinha a idade delas, onde era o único negro e sempre confundido com pagodeiro ou jogador de futebol nos aeroportos.

Mas, principalmente, elas ouviram no almoço de dia dos pais que, neste país, golpe ainda é algo que não pode ser descartado e que, por serem jovens, precisam estar atentas para lutar e defender a democracia. Assim como seu pai o fez, em um passado não muito distante.

+ sobre o tema

Libertar-se do papel de macho-idiota ou ser vetor do sofrimento alheio?

Faz tempo que não sentia tanta vergonha alheia como...

‘Perdemos cada vez mais meninas e jovens’, diz pesquisadora

Jackeline Romio participou da Nairóbi Summit e aponta os...

Sou ateia, mas rezei: Uma história de violência sexual e direito ao aborto

Homens que possuem espaço na mídia foram instigados a...

Por um feminismo de baderna, ira e alarde

Neste 8M, ocuparemos politicamente as ruas e as nossas...

para lembrar

10 coisas que foram inventadas por mulheres e você não sabia

Quando você pensa em quem inventou um utensílio ou...

Vereadores de SP aprovam lei que permite presença de doulas em hospitais e maternidades da cidade

Vereadores de São Paulo aprovaram na última quarta-feira (7)...

Bancada feminina da Câmara diverge sobre veto à minissaia e ao decote

Mesa Diretora estuda regras de vestimenta para mulheres na...
spot_imgspot_img

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Machismo e patriarcado afetam não só as mulheres, mas também os homens e a crianças

O Projeto de Lei (PL) nº 1974/2021, de autoria da Deputada Sâmia Bomfim (PSOL/SP) e do Deputado Glauber Braga (PSOL/RJ), cuja tramitação pode ser...
-+=