Este discurso me ensinou o que é ser mulher no século XX

Domingo eu passei o dia lendo o necessário livro da Chimamanda Ngozi Adichie, Sejamos Todos Feministas, publicado pela Companhia das Letras. O livro é baseado em uma conferência da TEDxEuston dada pela autora e o vídeo encontra-se disponível na internet, tendo cerca de mais de um milhão de acessos.

por  no Brasil Post

As palavras de Chimamanda são inspiradoras e nos levam a uma reflexão profunda. Cada página, cada palavra, cada frase traz a verdade irremediável de que precisamos mudar essa perversa lógica social que enquadra o feminino em um lugar subalterno. Com exemplos que vão desde sua infância até os dias atuais, ela demonstra de forma pragmática e simples, o que é ser mulher no século XXI. Claro, é bem melhor do que era no século XIX, mas ainda não é tranquilo, porque ainda não é igual a ser homem. Em outras palavras, porque não somos vistas como sendo tão seres humanos quanto os homens o são.

De tudo o que o Sejamos Todos Feministas me trouxe, o que mais me tocou e mais me fez mergulhar em reflexões infinitas foi a questão dos sonhos individuais, aparentemente, determinados pela nossa sociedade em função do gênero. Explico: desde pequenas, nós meninas, somos incentivadas a sonhar com o casamento, com a formação de uma família, com o vestido branco – de modo que crescemos tendendo a acreditar que nossa existência deve ser sempre orientada pelo e para o outro, por isso temos uma necessidade compulsiva de agradar, de sermos queridas. Também nos ensinam que mulheres devem ser doces, cordatas e pacientes. Enquanto isso, os garotos são ensinados a satisfazerem seus desejos e sonhos, sejam eles quais forem e, para isso, são incentivados a serem firmes, focados, racionais, orientando suas vidas para a autossatisfação, tornando-se mais independentes daquilo que os outros pensam ou sentem em relação a eles.

Meninos e meninas aprendem a abafar em certa medida suas personalidades para tornarem-se aquilo que a sociedade espera deles. Um menino sensível vai aprendendo a duras penas que se quiser chorar deve se esconder e que o ideal mesmo é que ele não chore nunca. Ou seja, quando o assunto é sentimentos, o menino precisa se preocupar com o que os outros pensam – e se defender – afinal, a demonstração dos afetos é uma característica feminina. Por outro lado, uma menina ambiciosa e brava, vai sendo punida até que começa a entender que não deve competir, que deve ceder, pois caso contrário, não terá namorado – pior crime que uma mulher pode cometer. Em outras palavras, as meninas não devem buscar a satisfação pessoal e devem ceder o lugar de liderança aos homens.

A questão da criação se agrava nos dias de hoje, em que encontramos cada vez mais mulheres que ambicionam um lugar de destaque em suas carreiras e profissões. Mulheres que desejam protagonizar e não serem meras coadjuvantes de suas próprias vidas. Mas que, por toda a influência maligna do patriarcado, se culpam por isso. Mulheres como eu, que querem sim ter um parceiro para dividir os sonhos, mas que sentem que a vida não se resume a isso e que acham tão importante o amor quanto um diploma. Mulheres que postergam filhos e casamento em nome de sua liberdade, porque nisso está sua realização pessoal. Mulheres que têm poucas certezas além do fato de que querem ser foderosas naquilo que fazem, mas que sabem que para isso, terão de provar sua competência muito mais do que os homens. Terão que ser ainda mais esforçadas, ainda mais incríveis, ainda mais presentes. Terão de ser firmes e, em consequência disso, serão chamadas de mal amadas ou de mal comidas.

Aliás, para nós, mulheres, quase nunca é fácil mesmo. Afinal, se decidirmos ficar solteiras e livres, flanando por romances intensos e passageiros, somos tidas e havidas como putas. Se casamos e decidimos cuidar da família e não trabalhar fora, somos fracas, encostadas, interesseiras e preguiçosas. Se fazemos ambas as coisas – temos filhos e ralamos no mercado profissional – somos doidas, sem tempo para o marido – e, obviamente, estamos abrindo a concorrência.

Esta aí outra coisa interessante: o esforço que as mulheres devem fazer para agradar seus homens! Só digo uma coisa em relação a isso: ora, que preguiça! Ainda mais se, no final das contas, sabemos que o mundo dirá: “nossa, como a fulana é sortuda em ter aquele marido!”. Juro, já ouvi isso uma centena de vezes sobre uma centena de casais, mas devo ter ouvido apenas duas ou três vezes na vida o inverso – “nossa, fulano deu sorte, a fulana é incrível!”.

Olhando para tudo isso, não me sinto desanimada. Penso que é preciso seguirmos em frente lutando pelos nossos direitos. Lutando para que possamos criar nossos filhos de maneira mais igualitária. Que possamos incentivar o menino sensível a se emocionar diante das belezas da vida e a menina ambiciosa a competir com respeito, mas a não desistir de seus audaciosos sonhos. Que não precisemos nos culpar quando estivermos com 35 anos e não quisermos ter filhos, ou casar. Que não nos culpemos quando decidirmos parar de trabalhar para cuidar da casa e nem quando acharmos que é preciso voltar ao mercado de trabalho e deixar o nosso bebê em casa com uma babá ou na escolinha. Que a vida possa fluir para nós todos de maneira mais verdadeira, não determinada por aquilo que carregamos entre as pernas – esse trocinho aí é um mero detalhe. Afinal, o que realmente importa é que somos todos seres humanos – nascidos para brilhar e não para morrer de fome (existencial), como já disse Caetano.

 Este é o discurso feminista que TODOS deveriam ouvir


Recentemente, a escritora feminista Chimamanda Ngozi Adichie fez um discurso na cerimônia de formatura do Wellesley College, faculdade liberal para mulheres em Massachusetts, Estados Unidos. E todos deveriam ouvi-lo.

A premiada escritora falou sobre feminismo, privilégios dos homens e a coragem de expressar opiniões. Adichie disse que entendeu bem cedo que o mundo não tratava as mulheres como trata os homens. Sabia que “os homens não eram inerentemente maus. Eram simplesmente privilegiados. E sabia que o privilégio cega, porque é da natureza do privilégio cegar”.

Ela disse à plateia de recém-formadas que elas agora também dispunham de um certo privilégio, depois de se formar em uma faculdade de prestígio para mulheres. “Não importa seu passado. Esse diploma e a experiência de estar aqui são um privilégio”, disse. “Não permitam que isso [o privilégio] as cegue demais. Às vezes vocês precisarão empurrá-lo para o outro lado para ver claramente.”

A escritora de 37 anos também deu conselhos de vida para inspirar as mentes e incentivar ações, dizendo: “Faço um apelo para que tentem criar o mundo no qual querem viver… Sirvam o mundo de uma forma que possam mudá-lo. Sirvam de uma maneira real, ativa, prática, coloquem a mão na massa”.

Adichie continuou, listando várias maneiras pelas quais as recém-formadas podem transformar o mundo:

“Escrevam [roteiros de] programas de televisão nos quais a força das mulheres não seja retratada como algo extraordinário, mas normal. Ensinem seus alunos a ver a vulnerabilidade como um traço humano em vez de feminino.”

Encomendem artigos de revista que ensinem os homens a fazer uma mulher feliz. Porque já existem muitos artigos que dizem às mulheres como fazer um homem feliz.”

Façam campanhas e se mobilizem a favor da licença-paternidade remunerada em todos os cantos nos Estados Unidos.”

Empreguem mais mulheres onde existem poucas. Mas lembrem-se que a mulher contratada não precisa ser excepcionalmente boa. Como a maioria dos homens que são contratados, ela apenas precisa ser boa o suficiente.”

Adichie lembrou o público que o feminismo realmente serve para todos.

O feminismo deve ser um partido inclusivo. O feminismo deve ser um partido cheio de diferentes feminismos”, disse, acrescentando “por isso, turma de 2015, saiam daqui e façam do feminismo um grande, estridente e inclusivo partido”.

Ela concluiu o discurso com uma observação linda e comovente, dizendo às jovens que a coisa mais importante no mundo é o amor – mas lembrar de dar amor e receber amor é a chave. “Agora as garotas muitas vezes são criadas para ver o amor apenas como doação. As mulheres são apreciadas por seu amor quando aquele amor é um ato de doação. Mas amar é dar e receber”, disse.

“Por favor, amem doando e recebendo. Doem e recebam. Se estiverem apenas doando sem receber, saberão. Saberão a partir daquela pequena e verdadeira voz interna que nós mulheres tantas vezes socializamos ao silêncio.”

Adichie conclui seu discurso dizendo à público: “Não silenciem essa voz. Enfrentem o desafio”.

+ sobre o tema

Negras e negros estão mais próximos do feminismo do que brancos no Brasil, aponta pesquisa

Datafolha também mostra que quase metade dos homens evangélicos...

Beyoncé usa sampler de discurso feminista de Ronda Rousey em show nos EUA (VÍDEO)

Beyoncé, que comemorou seu 34º aniversário na última sexta-feira,...

Aulas sobre “masculinidade” diminuem índices de violência contra a mulher

Para pesquisadores, meninos devem ser ensinados sobre os aspectos...

para lembrar

Contra agressão a Dilma, Gleisi lança movimento pela dignidade feminina

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) reagiu "indignada" aos adesivos...

Feministas se elegem vereadoras em busca de representatividade para mulheres

Em 2016, um grupo de vereadoras se elegeu prometendo...

Um amor que bagunce meu cabelo e não minha vida

Eu, mais que tudo, quero um amor que compartilhe...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...
-+=