Documentário “Clyde Alafiju Morgan, na Bahia entre a América e a África” + mesa de debate | 28 de fevereiro

Exibição do Documentário “Clyde Alafiju Morgan, na Bahia entre a América e a África” com mesa de debate com Clyde Morgan, João da Costa Pinto, Luiz Monteiro e Gustavo Gelmini

Do Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro

Foto: DocDança

Clyde Alafiju Morgan, na Bahia entre a América e a África

Quando em 1971 Clyde Morgan chegou à Bahia para conhecer a Dança da Capoeira, nem imaginava que viria a se tornar um elo importante para o intercâmbio entre os Estados Unidos e a Bahia, através da cultura africana. Tampouco imaginava a influência e importância que teria para a afirmação da cultura negra dentro da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia.
Neste portrait sobre Clyde, através de suas experiências e histórias, o documentário registra um período importante para a dança e a cultura na Bahia.
Clyde é baiano de corpo e alma, na dança, na música, e na religião, sintetizando a união dos mundos americano e africano.

Após a exibicação do filme haverá um bate-papo com Clyde Alafiju Morgan e Luiz Monteiro, mediado por Gustavo Gelmini.

Ficha Técnica
Direção e Montagem: João Pinho
Roteiro: João Pinto e Clyde Morgan
Produção: Maria Lais Morgan e Thaïs Balázs
Duração: 75 min.

Luiz Monteiro é mestre, pós-graduado em Dança e Consciência Corporal; Coreógrafo da Cia Rubens Barbot – Teatro de Dança; Diretor da Cia L2C2 – Teatro e Dança; Pesquisador de Dança Negra e Gestor do Terreiro Contemporâneo de Arte e Cultura.

Clyde Morgan Alafiju, nasceu em Cincinnati, Ohio/EUA. Na Casa Karamu Theater iniciou a sua formação em dança, graduando-se pela Cleveland State University. Fez cursos de aperfeiçoamento na Bennington College e com mestres da dança americana.
Criou o seu próprio grupo de dança com Carla Maxwell, New York duo, com o qual visitou dançando e pesquisando músicas e danças africanas os países da África Ocidental e Oriental. Em 1971, chega ao Brasil para ocupar os cargos de Diretor Artístico e Coreógrafo do Grupo de Dança Contemporânea da Universidade Federal da Bahia em Salvador (1971 a 1980). No Brasil coreografou também para o Corpo de Baile do Teatro Guaíra. Atualmente Clyde Morgan ocupa o cargo de Professor Associado de dança africana e Diretor Artístico do Dança Africana Sankofa e Ensemble Tambor na SUNY College, em Brockport.

João da Costa Pinto é cineasta nascido na Bahia e há 25 anos mora na Alemanha, tendo realizado edição de diversos longa-metragens e séries para TV e Cinema.

Gustavo Gelmini é diretor da Cia Gelmini. Artista residente do Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro e Le Centquatre-Paris. Criou os espetáculos Toque e Espaço Tempo Movimento, selecionados respectivamente entre os melhores da dança em 2017 e 2016 pela crítica especializada. Atualmente dirige Fauno, com os intérpretes criadores Tiago Oliveira e Mônica Burity, que estreia em abril no Sesc Copacabana. https://www.facebook.com/ciagelmini/

Data: 28 de fevereiro de 2018
Horário: 19h, com debate após a exibição
Duração: 75 min
Classificação: livre
Evento Gratuito
Sujeito a lotação

+ sobre o tema

Um mestre quilombola no palco do Margarida Schivasappa

Nesta quinta-feira, 04, vários artistas estarão reunidos para...

Eu, cidade – os centros urbanos africanos fora de estereótipos

“É realmente difícil separar eu mesma de você porque,...

Obama lidera comemoração do centenário de nascimento de Mandela

O discurso do ex-presidente americano Barack Obama é o...

para lembrar

Ludmilla faz seu primeiro ensaio como cantora na Beija-Flor

A cantora Ludmilla fez nesta quinta-feira (12) seu primeiro...

Nas encruzilhadas do teatro é onde se encontram anjos e divas

Sabe aquela história fantástica que faz a gente vibrar...

Universidade da Dinamarca terá curso sobre Beyoncé

Já pensou em estudar Beyoncé na faculdade? Pois agora...

Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento

O livro Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...
-+=