Intersecção entre gênero e raça: A outra face do Samba Paulista

O ANGANA – Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios Negros de São Paulo atua na desconstrução de versões da história que se pretende oficial e universal, a qual desconsidera toda a atuação política da população negra nos mais distintos ramos da atuação humana. Batalhamos pelo direito à memória, onde as referências e experiências de matriz afro sejam reconhecidas, valorizadas e passem a compor o mosaico que forma cada um(a) de nós como sujeitos históricos e políticos.

Por Thais Avelar enviado para o Portal Geledés 

Carnaval Vila Esperança – Déc. de 1950. Autor desconhecido

É a partir desse ensejo que atua o Grupo de Estudos Afro – GEAP paulistanos para pautar, coletivamente, a desconstrução de visões míticas, estereotipadas e estigmatizantes que distorcem e esvaziam as experiências históricas dos africanos e afrodescendentes.

Para tanto, propõe-se o diálogo e a troca de saberes e referências a partir do diálogo e leituras orientadas e debatidas coletivamente, a partir de um cronograma de leituras, organizadas em caráter interdisciplinar, abordando transversalmente perspectivas historiográficas, geográficas, cartográficas, urbanísticas, patrimonialistas e culturais que permitam recompor o mosaico da história  pautando às experiências múltiplas e heterogêneas da população negra no contexto paulistano, a partir de sua diversidade, complexidade e agências no processo histórico. 

Para dividir e multiplicar os conhecimentos, mensalmente estaremos abertos para criar canais de interlocução.

Em março de 2018 abrimos os trabalhos sincronizando as discussões do grupo com as reflexões sobre o carnaval, justamente por compreendermos que a história do samba em São Paulo é um potente instrumento para refletir a formação dessa cidade e a resistência negra na construção da mesma em contraponto aos projetos de planejamento urbano, dotados de caráter higienista, onde a presença da população negra fisicamente e simbolicamente era indesejada. Com o pretexto de rever a história dos nossos ancestrais os quais fizeram das ruas espaço de disputa política e afirmação de identidades negras.

No bojo dessa discussão, a questão de gênero, alicerçada no protagonismo de mulheres negras constitui-se como vetor da discussão ao entendermos que questionar a história “oficial” prevê, concomitantemente, o questionamento do patriarcado e o reconhecimento das experiências das mulheres negras na subversão da cristalização dos papeis sociais e no fomento a outros devires.

Convidamos todas e todos para refletir sobre essas questões a luz da obra “História  de vida de  mulheres negras: estudo elaborado a partir das escolas de samba paulistanas em diálogo com a autora Eloiza Maria N. Silva.

 

Sobre a autora:

Eloiza Maria N.  Silva é graduada em História e mestre em História Social pela Universidade de São Paulo – USP, licenciada em Pedagogia pela UNIBAN e especialista em Educação para Relações Raciais pela Universidade Federal de São Carlos. Coordenadora Pedagógica da escola “EMEI Profª Alaíde Bueno Rodrigues” da rede pública.

 

Mediadores

Marcelo Vitale Teodoro da Silva é graduado em história e cursa mestrado na USP, sobre a história de mulheres negras em São Paulo, sob orientação de Maria Cristina C. Wissenbach. Idealizador do curso Afrodescendência Plural e Ativa no Brasil: Desconstrução e reconstrução das historicidades das populações negras em São Paulo (1ª edição), contemplado pelo PROAC – Proteção e Promoção das Culturas Negras. Atualmente é pesquisador do Angana – Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios Negros.

Thais Fernanda Alves Avelar é Graduada em Lazer e Turismo pela Universidade de São Paulo – USP. Mestre em Museologia – MAE/USP. Especialista em Cultura, Educação e Relações Étnico-raciais – USP. Especialista em Gestão de Projetos Culturais – USP. Atuou na formação de professores, na temática de educação étnico–racial, na linguagem audiovisual, no NEER-  Núcleo de Educação Étnico-Racial da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Atualmente é pesquisador do Angana – Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios Negros.

 

Onde: Centro Cultural da Penha

Quando: 07 de março de 2018

Horário: das 19:30h  às 21:30h

  1. Promover estudos e pesquisas relacionadas às histórias e culturas das populações afro-brasileiras na cidade de São Paulo;
  2. Problematizar e pesquisar a história da população negra na cidade de São Paulo a partir da leitura “a contrapelo” das narrativas da história oficial;
  3. Reunir indicações de referências bibliográficas, obras audiovisuais e registro de atividades culturais que possam servir de referência para estudos e pesquisas sobre educação patrimonial e territorialidades afro-brasileiras na cidade de São Paulo;
  4. Evidenciar a presença múltipla e heterogênea da população negra na cidade de São Paulo, como sujeito ativo e partícipe da história dessa cidade. Ou seja, evidenciar as “cidades invisíveis”, entendendo que tal ato está diretamente relacionado com o combate ao racismo, e, por conseguinte, o fortalecimento da democracia, uma vez que esse exercício possibilita “enxergar no espelho da história”, a atuação da população negra,  subvertendo as lentes hegemônicas que inviabilizam o reconhecimento de seu protagonismo histórico.

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Chael Sonnen lutou dopado contra Anderson Silva

Foto UFC O americano versado...

‘Menino não chora’ e outras 4 frases para não dizer ao filho

Tudo o que falamos para as crianças têm um...

A figura paterna no desenvolvimento infantil

Pesquisas revelam a influência específica do pai no fortalecimento...

Hamilton é advertido por incidente com Bruno Senna nos boxes

Mais rápido do primeiro dia de treinos para...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Heitor dos Prazeres: música, poesia e pintura

  BIOGRAFIA Heitor dos Prazeres pintando e...

Governo sueco ‘responde’ a Trump com uma foto de mulheres do gabinete

Vice-primeira-ministra assina uma proposta ambiental rodeada por sete colaboradoras...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...
spot_imgspot_img

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido espaços de ensino e aprendizado. Carregam no nome a sua missão: ser escola. Ensinam sobre...

Samba, amor e Hip Hop

A quem nunca viu o samba amanhecer, Geraldo Filme aconselhava que fosse ao Bixiga para ver, ao quilombo da Saracura, à sede da Vai-vai....

Quilombo do Rio de Janeiro usou renda de roda de samba para lutar pelo território

No fim de uma pequena estrada cercada por mata atlântica, um galpão recebe dezenas de pessoas todos os finais de semana. Ali ocorrem as...
-+=