Documentário destaca luta da ativista Angela Davis pelos direitos civis dos negros nos EUA

Os passos que os Estados Unidos deram entre o fim do regime escravocrata, em 1863, e a eleição do seu primeiro presidente negro, em 2008, tiveram pelo caminho capítulos simbólicos de uma luta que, naquela sociedade, é travada dia a dia com a devida gravidade. Um desses momentos relevantes é tema do documentário Libertem Angela Davis (Free Angela and All Political Prisoners, EUA/França, 2012), em cartaz a partir desta quinta-feira no CineBancários, em Porto Alegre.

Com direção de Shola Lynch, o filme destaca a figura da ativista negra Angela Davis, protagonista de um caso policial e jurídico que ganhou dimensão mundial em 1970 por seu simbolismo político e social. Nascida em 1944 no Alabama, Estado sulista dos mais racistas naqueles tempos, Angela formou-se em Filosofia na Alemanha. De volta aos EUA, encontrou o país em convulsão. Os assassinatos de Malcolm X (em 1965) e Martin Luther King (em 1968) colocaram a luta contra a segregação racial em evidência tanto pelo viés radical de um quanto pela tentativa de diálogo empreendida pelo outro.

Angela engajou-se no Partido Comunista dos EUA e no grupo Panteras Negras, que defendia o direito dos negros à luta armada. Acusada de envolvimento no sequestro frustrado que resultou na morte de um juiz, tornou-se se a mulher mais procurada dos EUA. Ela própria, hoje com 70 anos, ajuda reconstituir, em meio a depoimentos atuais e imagens de arquivo, a história de sua fuga, captura, temporada na prisão e julgamento. Passos que ajudaram a pavimentar a estrada para Barack Obama chegar à Casa Branca.

Como mostram os recentes eventos policiais ocorridos nos EUA, a luta de Angela continua, mas em um nível de conquistas e debates ainda muito distantes, por exemplo, do que se observa no Brasil. Aliás, Angela esteve esse ano participando de um evento em Brasília e disse estranhar que a população majoritariamente negra do país não esteja espelhada, na mesma proporção, na representação política e na programação de TV. Por aqui, este ainda é um caminho longo e pedregoso a ser desbravado.

Leia mais sobre Afro-americanos

+ sobre o tema

Lee ‘Scratch’ Perry, produtor pioneiro de reggae e dub, morre aos 85 anos na Jamaica

O produtor e músico jamaicano Lee Scratch Perry morreu...

São Paulo – Sarau: Literatura Nossa

Sarau: Literatura Nossa Quando: 16 de maio Local:  Suzano Horário: 9h30 Entrada franca      

ANASTÁCIO: Semana da Consciência Negra está preparada

Fonte: Aquadiana -   Em Anastácio, já está...

para lembrar

Mulheres de Terreiro se encontram para discutir temas sociais no Recife

Abertura do evento é nesta segunda (23), no Cinema...

Elza Soares: “Ainda me machuca a perda dos meus quatro filhos”

Após mais de 60 anos de carreira, Elza Soares...

Morreu Edward Brooke, o primeiro afro-americano eleito pelo voto do povo

Edward W. Brooke, o primeiro cidadão negro eleito por...

Europa reluta em indenizar a África pela colonização

Em plena fúria global contra o racismo sistêmico, Burundi,...
spot_imgspot_img

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...
-+=