Quando o FBI quis matar, com palavras, Martin Luther King

Enviado por / FontePor Raquel Godos/ EFE, no R7

Ameaças acompanhadas de insultos e humilhações foram parte de uma carta anônima que o FBI enviou ao histórico líder dos direitos civis nos Estados Unidos, Martin Luther King, cujo último propósito era que este, desesperado, acabasse recorrendo ao suicídio.

A carta que é de 1964 e nesta semana foi divulgada na íntegra, mostra a obsessão do FBI, dirigido por J.Edgar Hoover, para demonstrar o suposto vínculo do ativista com o comunismo em plena Guerra Fria.

“Animal anormal”, “fraude” ou “ser diabólico” são alguns dos adjetivos usados pela agência ao ameaçar King em revelar suas relações extraconjugais, das quais, disse, eram próprias de um “psicopata sexual”.

“King, olhe dentro de seu coração. Sabe que é uma completa fraude e a maior mentira para nós, os negros. Os brancos deste país têm suficientes fraudes por si mesmos, mas tenho certeza de que neste momento não têm uma que iguale a sua”, dizia o texto.

Dias antes de receber o Prêmio Nobel da Paz em 1964, a carta foi enviada pelo FBI à casa do defensor dos direitos civis e recebida por sua esposa, Coretta, que encontrou junto a ela uma gravação que ilustrava os supostos deslizes sexuais de seu marido. Escrita de maneira anônima, o suposto autor se passou por um seguidor de King totalmente decepcionado com sua atitude por ter traído a mulher com outras relações e lhe dava um prazo de 34 dias para se suicidar se não quisesse que a história viesse à tona.

“Está acabado. Só há uma saída para ti. É melhor que opte por ela antes que você, anormal, seja exposto à nação”, dizia a carta. A carta, de uma página e escrita à máquina, foi achada pela professora da Universidade de Yale Beverly Gage e publicada pelo jornal “The New York Times”.

Hoover, fundador e comandante do FBI durante quase quatro décadas, temia que a fulminante ascensão de King como figura defensora dos direitos dos negros acabasse com seus esforços para desacreditá-lo, durante uma das épocas mais difíceis e críticas da lei Jim Crowe, que legalizava a segregação racial no país.

A carta havia sido publicada pelas autoridades federais após passar por uma estrita edição, mas Gage achou o documento original nos Arquivos Nacionais de College Park (Maryland), nos arredores de Washington DC, em meio a uma investigação que está sendo realizada sobre Hoover. A tensa e conflituosa relação entre King e Hoover não era, no entanto, um segredo: o diretor do FBI chegou a dizer em público, se referindo ao ativista, que era “o mentiroso mais notório do país”.

Por isso, como explica Gage, King suspeitou desde o princípio que o FBI era quem estava por trás da carta, embora nunca tenha chegado a denunciá-lo, e só soube sobre sua existência uma década depois do assassinato do ativista, quando Hoover já tinha morrido.

A perseguição da agência federal contra King foi tão escandalosa que, segundo Gage, seu atual diretor, James Comey, conserva uma cópia da solicitação de escuta telefônica do FBI para a linha de King em sua escrivaninha “como uma recordação da capacidade da agência para fazer o mal”.

 

Copyright Efe – Todos os direitos de reprodução e representação são reservados para a Agência Efe, EFE rg/ff/ma

 

+ sobre o tema

Michelle Obama

Michelle LaVaughn Robinson Obama é a esposa do 44º...

Ex-Pantera Negra é libertado após 43 anos em solitária nos EUA

Albert Woodfox, o detento mantido mais tempo em uma...

Política e Prisões: uma entrevista com Angela Davis

A ENTREVISTA COMO MÉTODO: DIÁLOGO COM ANGELA DAVIS Nos últimos...

Crítica: Livro de historiador expõe contradições de Malcolm X

Capitalismo e racismo andam juntos na história. Discriminações servem...

para lembrar

‘Equilíbrio foi o segredo do líder Mandela’, diz especialista

Por: Marcelo Ribeiro   O responsável por promover...

Promotoria sul africana suspende acusações polêmicas

As acusações de homicídio contra 270 mineiros que...

Rebeldes avançam e convocam exército centro-africano a entregar armas

A coalizão rebelde de Seleka, que se encontra...

Países africanos são os que mais importam tecnologias sociais do Brasil

Entre as políticas sociais que mais despertam interesse dos...
spot_imgspot_img

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo entre os países

O Brasil e os Estados Unidos promoveram a primeira agenda entre congressistas e a sociedade civil desde a retomada do acordo de cooperação bilateral...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Primeira fase da Unicamp aborda ChatGPT, ‘Guardiões da Galáxia’ e racismo com textos de Sueli Carneiro e Luther King

Inteligência artificial, racismo, reflexo da colonização nos indígenas, música brasileira sob o regime militar, testes em animais e uso de anabolizantes estiveram entre os...
-+=