‘Dois Estranhos’ mostra que pretos são alvos não importa o que façam

“Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte/ Porque apesar de muito moço, me sinto são e salvo e forte.” Já se sentiu assim como Belchior em “Sujeito de Sorte”?

Eu não. Sou preto de quebrada, e sorte é um produto que, quando compramos no AliExpress, sempre fica preso em algum país racista.

Baleado com uma furadeira na mão. Baleado voltando da escola. Baleado por brincar no quintal de casa. E 80 balas por estacionar o carro em frente a um grupo de soldados. A gente é público-alvo, alvo de bala.

Em “Dois Estranhos”, curta indicado ao Oscar e disponível na Netflix, Carter James acorda depois de uma noite aparentemente romântica com a linda Perri. Ele está na casa dela e precisa voltar para dar comida a seu cachorro. Ao descer as escadas do prédio, é abordado pelo oficial Merk. A partir dali, é bala, bala e bala.

São 30 minutos de um único homem preto morrendo porque correu, porque fumou, porque deixou cair o dinheiro no chão ou porque disse algo que o policial não entendeu. O ditado “basta estar vivo para morrer” deveria ser “basta ser preto para não viver”. Viver com medo de morrer não é viver.

Se o filme fosse filmado no Brasil, duraria 23 minutos.

O curta é uma clara homenagem dos diretores Travon Free e Martin Desmond Roe a George Floyd, assassinado por asfixia depois de falar por mais de 20 vezes “eu não consigo respirar”‘.

Interessante que, em todas essas tantas mortes a que Carter é submetido, ele sempre faz papel do mocinho. É educado ao descer as escadas, elogiando as pessoas, cumprimentando-as e abrindo a porta para um estranho. Até que é visto por Merk. E bala.

Se você é preto, sabe que isso é normal. Se vai ao mercado, por exemplo, o segurança vai te seguir, surgir nos corredores, aparecer no campo de visão de longe, te olhando. A dica é: faça amizade com o segurança, cumprimente-o sempre que entrar no mercado, isso ameniza a relação. Mas, para ele, você ainda é um suspeito.

Em dado momento, Carter reflete sobre isso: eu sou mais inteligente que ele, sou provavelmente mais rico que ele, mais bonito. Vou tentar conversar. Já os argumentos de Merk vão na linha de “sou do interior”, “sou xucro”, “não tenho muito estudo” até ele matar Carter mais uma vez.

Adam Rutherford, geneticista e comunicador britânico, lançou em fevereiro do ano passado o livro “How To Argue With a Racist”, ou como discutir com um racista, ainda sem edição no Brasil. Nele, diz: “Este livro é uma arma!”. Assim como o cantor Belchior, Rutherford é branco.

Carter tenta de tudo para voltar para casa e alimentar o cachorro. Se veste bem, arruma o óculos, penteia os cabelos. Mas, para Merk, seria melhor ele guardar a sua melhor roupa para o caixão.

Todos são culpados, quem mata e quem assiste. Nem o nosso nome é lembrado. No “caso Henry”, Henry é um menino branco cruelmente assassinado. No dos três meninos de Belford Roxo, eles são crianças que desapareceram. Em um, a mídia faz especial, fala com pais, mãe, babá, avó e o cachorro de estimação. No outro, a mídia cobriu uma manifestação que “terminou em baderna”.

Tentamos de tudo para não morrer. Política, Marielle Franco. Música, Evaldo dos Santos. Esporte, Mário Sabino. Estudos, Emily Victória, Ágatha Félix, Jenifer Gomes. Mas continuamos morrendo. Qual é a solução?

Imagina que em um quarto tem muito dinheiro, comida, todos vivendo bem e seguros, mas você está do lado de fora dele com fome, vendo a sua família morrer. Todos os dias você bate na porta, eles abrem e deixam você ver tudo —festas, risadas, comida e segurança. Não deixam você entrar.

Todos os dias, você canta: “Temos fome, estamos morrendo, por favor! Nos deixem entrar”. Mais uma semana e a música muda: “Estamos morrendo, preciso entrar”. No mês seguinte: “Estou morrendo, vou arrombar a porta”. Um ano depois, você quebra a maçaneta e entra.

Pedimos de todas as formas. Panteras Negras, Movimento Negro Unificado, Marielle Franco. A maioria deles está morta ou na cadeia. Então, agora, o que acha que vamos fazer?

+ sobre o tema

SP: Polícia mata, governo mente e movimento negro convoca protesto

*Charge de Latuff, especial para Campanha Contra o Genocídio...

Antropologia da Sofrência, um estudo de caso

O meu vizinho de parede mora relativamente bem: casa...

Honorato diz que ainda existe racismo no judô do país

Ex-atleta foi o único homem negro a conquistar uma...

Lei de Cotas nas Universidades completa três anos

Medida de Cotas já ofertou aproximadamente 150 mil vagas...

para lembrar

Bomba no protesto contra morte do menino Jesus

Na sexta-feira da Paixão de Cristo, a Polícia Militar...

Quando você mata dez milhões de africanos, você não é chamado de “Hitler”

O seguinte texto foi escrito por Liam O’Ceallaigh para...

Racismo institucional ainda é realidade na Bahia

Somente 5% dos altos cargos públicos são ocupados por...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=