Duas pessoas são condenadas por racismo e injúria racial no DF

Ex-policial e irmã dele cumprirão a pena em regime aberto.
Cada vez mais, as vítimas estão denunciando esses crimes no Brasil.
no G1
Na semana passada, um ex-policial civil e a irmã dele receberam as maiores penas já aplicadas em crimes de racismo. A discriminação é uma prática antiga no Brasil. A novidade agora é que as vítimas denunciam o crime.
A advogada Josefina Santos, ex-secretária de igualdade racial do Distrito Federal, estava caminhando quando viu quatro jovens sendo abordados por policiais militares. Após a revista, ela foi conversar com um dos garotos que era negro e aí ouviu xingamentos de uma policial branca.
“Quando eu falei que era advogada ela falou: ‘essas neguinhas quando aprendem alguma coisa acham que é gente’”, fala a advogada Josefina Serra dos Santos.
Já para produtora de eventos, Claudenilde Chagas, o racismo aconteceu dentro de uma boate. As duas entraram na justiça contra os agressores. Elas querem a condenação criminal e uma indenização. “Ele disse para mim: você já se olhou no espelho? Você parece uma macaca. Você é feia e não é para estar nesse tipo de lugar. Eu comecei a chorar”.
Esses casos são considerados injúria racial. É quando alguém ofende uma pessoa com o uso de palavras depreciativas por causa da cor.
O crime permite fiança e tem pena de até três anos. Já o racismo é a discriminação de um grupo por causa da cor ou da religião. Acontece quando alguém é proibido de entrar em algum lugar por causa da raça, por exemplo. O crime é inafiançável e tem pena de até cinco anos.
Na semana passada, saiu a maior pena já aplicada para os dois crimes no Distrito Federal. 
O ex-policial civil Welingthon Guimarães e a irmã dele Eliane Guimarãess foram condenados por racismo e injúria racial.
Eles tiraram o sossego dos moradores da casa que fica atrás de uma oficina. O mecânico Raimundo Nonato Carvalho viu uma das ofensas. “Ele falava que não gostava de preto, entendeu”, conta.
A família registrou queixa na delegacia. As denúncias motivaram o Ministério Público a entrar com uma ação na justiça. Segundo o processo, a irmã do ex-policial xingou e ameaçou o filho do dono da casa. “Vou matar esse macaco que você chama de filho”. “Esse negro que parece um chimpanzé”.
O ex-policial passou também a amedrontar os vizinhos. De acordo com os depoimentos, ele arrombou o cadeado e invadiu o lote com uma arma na cintura e uma barra de ferro na mão e fez ameaças à família. Dentro da casa estavam a dona da casa e uma criança. Depois disso, todos decidiram se mudar às pressas.
O ex-policial foi condenado a três anos e quatro meses e a irmã a quatro anos, os dois em regime aberto.
“Esperamos que possamos chegar um dia que se vire essa página e que deixemos de ter casos de racismo e de discriminação na nossa sociedade”, fala o promotor Tiago Pierobom.
A família que foi vítima do ex-policial e da irmã dele não quis gravar entrevista. Por questão de segurança, ela teve que se mudar para outra cidade.

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Atriz de “Preciosa” desabafa sobre preconceito sofrido em loja famosa e marca se manifesta

Famosa por seu trabalho no longa “Preciosa” e atualmente...

RACISMO EM RIO DAS OSTRAS: O Banco do Brasil

No dia 04 de dezembro, uma nota publicada no...

Padre é vítima de racismo em Serra Preta

Os internautas de Serra Preta ficaram perplexos com um...

ONU diz que ação contra imigrantes na Itália é preocupante

ROMA - Representantes de direitos humanos da Organização das...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=