#ECA25anos: Homicídio de crianças e adolescentes é o maior desafio do Brasil

No aniversário de 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, comemorado nesta segunda-feira (13), o Unicef divulgou um estudo com os avanços e um alerta para o Brasil. O mais preocupante é a taxa de homicídios no grupo de pessoas com até 19 anos. Os casos mais que dobraram entre 1990 e 2013 e fazem com que o Brasil seja o segundo país que mais mata crianças e adolescentes, só perde para a Nigéria.

no Grasielle Castro

O Unicef identificou ainda que os principais avanços do País não alcançam determinados grupos.”Muitas crianças e adolescentes estão sendo deixados para trás em razão de sua raça ou etnia, condição física, social, gênero ou local de moradia”, ressalta o #ECA25anos.

Um exemplo é a mortalidade de crianças indígenas. “Elas têm duas vezes mais risco de morrer antes de completar 1 ano do que as outras crianças brasileiras e estão entre os grupos mais vulneráveis em áreas como educação”, aponta o estudo.

Representante da entidade no Brasil, Gary Stahl destaca que analisando a trajetória desses 25 anos, o País tomou a decisão certa em adotar o Estatuto. “O Brasil precisa agora se focar nos mais excluídos. Para isso, são necessárias ações específicas, capazes de alcançar as crianças e os adolescentes que foram deixados para trás”.

Homicídio

O homicídio é, para o Unicef, a mais trágica das violações de direitos que afetam meninos e meninas brasileiros são os homicídios de adolescentes.

Se as condições atuais permanecerem, cerca de 42 mil adolescentes brasileiros poderão ser assassinados entre 2013 e 2019.

Essa é a estimativa feita a partir do Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), desenvolvido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, pelo UNICEF, pelo Observatório de Favelas e pelo Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (LAV-Uerj)

O estudo também destaca que, de 1990 a 2013, a taxa de homicídio passou de 5 milpara 10,5 mil casos ao ano (Datasus, 2013), um aumento de 110%. “Isso significa que, em 2013, a cada dia, 28 crianças e adolescentes eram assassinados.”

“Dos adolescentes que morrem por causas externas no País, 36,5% são assassinados. Na população total, esse percentual é de 4,8%. (Homicídios na Adolescência no Brasil, 2015). Esse cenário perturbador coloca o Brasil em segundo lugar no ranking dos países com maior número de assassinatos de meninos e meninas de até 19 anos, atrás apenas da Nigéria (Hidden in Plain Sight, UNICEF, 2014).”

Redução da maioridade penal

Outra preocupação da Unicef é a proposta de emenda à Constituição que reduz amaioriade penal de 18 para 16 anos para aqueles que cometerem crimes contra a vida.

“O País vive hoje a ameaça de retroceder o caminho que trilhou nos últimos 25 anos caso seja aprovada a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.”

Para a entidade, a criação do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) foi um avanço, mas não está sendo implementado de forma efetiva.

“Aperfeiçoar o sistema socioeducativo, garantindo que ele ajude a interromper a trajetória do adolescente na prática do delito, é uma das tarefas mais importantes que o País tem diante de si”, diz o relatório.

Educação

Outro desafio apresentado pelo Unicef é o da exclusão escolar. De acordo com o estudo, mais de 3 milhões de crianças e adolescentes ainda estão fora da escola (Pnad, 2013).

“Os excluídos da educação representam exatamente as populações marginalizadas no País: são pobresnegrosindígenas quilombolas. Muitos deixam a escola para trabalhar e contribuir com a renda familiar. Uma parcela tem algum tipo de deficiência. E grande parte vive nas periferias dos grandes centros urbanos, no Semiárido, na Amazônia e na zona rural.”

Crianças e adolescentes no Brasil: Quantos são? O que fazem?

– São cerca de 59,7 milhões, o equivalente à população da Itália.

– Apesar de ainda serem muitos, estão diminuindo proporcionalmente. De 1991 a 2010, a parcela de brasileiros de até 19 anos caiu de 45% para 33% (Censo Demográfico, 2010).

– Mais da metade da população de até 18 anos é formada por afro-brasileiros. Da população indígena, de 784 mil pessoas, 31% – ou 246 mil – são meninos e meninas (Censo Demográfico, 2010).

– O percentual de meninos e meninas que viviam em domicílios pobres caiu de 70% em 1991 para 52% em 2010.

– Enquanto 37% das crianças e dos adolescentes brancos viviam na pobreza em 2010, esse percentual se ampliava para 61% entre os negros e pardos.

+ sobre o tema

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

para lembrar

spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=