A educação das crianças pequenas sob a ótica griô afro-colombiana: um convite feminista negro transnacional

Ao tomarmos os versos de Mary Grueso Romero como fonte histórica primária3, procuramos desarticular as amarras da colonialidade, que se reproduz em uma tripla dimensão: a do poder, do saber e do ser, com vistas a desconstruir os essencialismos e propor uma epistemologia crítica contrapondo às concepções dominantes pautadas no racismo e no sexismo.

Por Artur Oriel Pereira e Flávio Santiago enviado para o Portal Geledés 

Foto: Chuare Napi de Guapi (Cauca)

A obra de Romero é ocupada pela memória feminina negra, dessa maneira os conteúdos libertários e de reivindicação do povo de ascendência africana são
evidenciados, redefinindo, então, o sujeito negro e propondo uma reconstrução da identidade pessoal associada a uma ordem racial afirmativa da negritude. Seus escritos trazem uma ruptura para com a visão eurocentrada de beleza, relações sociais e constituição da identidade, tendo como principal foco a interlocução com as meninas negras. Entendemos que “negritude” é o movimento que resgata a humanidade das pessoas negras cujo pilar de sustentação é o rompimento das amarras do racismo imposto pela colonização 4.

No livro infantil La niña em el espejo, a escritora apresenta o processo de construção dos laços ancestrais entre a menina negra e sua mãe, bem como o reconhecimento de si e de pertencimento de grupo, o que lhe confere cultura, aparência física específica, além de formas individuais de se relacionar com o corpo e com os elementos que constituem o mundo. Durante a narrativa, a “menina” explora, sensivelmente, a identidade racial asseverando de forma contundente os adjetivos que denotam as características que possibilitam sua assunção:

Se miró detalladamente y se detuvo en su rostro. Vio sus hermosos ojos negros y su largo pelo crespo, peinado en trenzas que terminaban cada una en
chaquiras transparentes, una piel de color negro canela, unas mejillas tan sonrosadas que parecían dos manzanitas y en el centro de ellas dos hermosos
hoyuelos. Unos labios bien alineados que parecían un coral (ROMERO, 2016, p. 30).

Inegavelmente, o encontro da menina negra com sua ancestralidade fica evidenteno momento  em que ela contempla seus traços físicos, o que não produz na criança um sentimento de vergonha ou ambiguidade, pelo contrário, a narrativa enfatiza o prazer deste autorreconhecimento, pois ao olhar para o espelho5, ela percebe, entusiasticamente, que é bela e negra como sua mãe: sua ancestral6.

Essa poética afro-colombiana forma um painel narrativo à semelhança de um caleidoscópio, vivo e cambiante, que nos possibilita pensarmos uma perspectiva pedagógica e crítica que procura racionalizar as percepções construídas em torno das crianças, das infâncias e dos modos de estar no mundo – sobretudo, articula o reconhecimento da memória e ancestralidade negra.

O feminismo negro não estabelece só uma luta diária contra as estruturas do patriarcado e o sexismo, mas também desarma as estruturas eurocêntricas de
representação da mulher, dos corpos e das relações sociais, descolonizando a iconografia pejorativa em torno da ancestralidade e das relações entre os membros da comunidade negra, ao mesmo tempo em que direciona a criação de artefatos e saberes que desarticulam a história única e diálogos monolínguisticos estabelecidos pela colonialidade.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo Revolucionário: pedagogia para o novo milênio. Trad. Márcia Moraes e Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. p. 263.

RIBEIRO, Ronilda. Mãe negra: o significado ioruba da maternidade. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo – USP, 1995.

ROMERO, Mary Grueso. La niña em El espejo. Ilust. Vanessa Castillo. Colección de Cuentos Ilustrados de Niños Afrocolombianos – Pelito de Chacarrás. Buenaventura: Apidama, 2016.


1Especialista em Sociopsicologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Letrólogo. Pedagogo. Membro da Fraternidade Imhotep dos Homens Negros e do Fórum Virtual Intelectualidade Afrobrasileira. São Paulo – SP, Brasil.
2Doutorando em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP; Bolsista FAPESP.  Membro do GEPEDISC – linha Culturas Infantis. Campinas – SP, Brasil. Atualmente realiza estágio sanduíche na Università degli Studi di Milano-Bicocca.
3Agradecemos a possibilidade de encontro com a obra de Mary Grueso Romero, propiciada pela Profa. Dra. María Isabel Mena García, coordenadora Nacional de África em Escola e docente na Universidade Nacional Aberta e à Distância de Bogotá D.C., Colômbia.
4Com efeito, a “branquitude” estrutural procura se resguardar em uma pretensa ideia de invisibilidade,  assim, ser branco é considerado padrão normativo, dessa maneira o indivíduo ou grupo concebido é concebido como sinônimo de ser humano “ideal” (MCLAREN, 2000, p. 263).

5O abebé (espelho) aparece em inúmeros mitos da Cultura e Religião Tradicional Iorubá e tem valor epistemológico. É símbolo do autoconhecimento, da transformação e da Ìyámi Àkókó (Mãe Ancestral Suprema), também chamada de Òsún (Oxum) e Mãe das Crianças; divindade cultuada na cidade de
Òsogbo e protetora de Abéòkúta. Disponível em: http://www.oduduwa.com.br/index.php. Acesso em: 04 mai. 2017.
6Como podemos ver na tese Mãe negra: o significado Iorubá da maternidade de Ronilda Ribeiro (1995), na comunidade Iorubá, a maternidade consagra a mulher ao papel de elo geracional; expressando sua força vital e expandindo sua identidade pessoal, que passa a incluir os descendentes.

 

***Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Carta aberta: É preciso aperfeiçoar o relatório do PNE

CARTA ABERTA DAS ENTIDADES E MOVIMENTOS EDUCACIONAIS É PRECISO APERFEIÇOAR...

44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro, aponta pesquisa Retratos da Leitura

Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil anuncia resultados de...

Orgulho! Lorrayne Isidoro ficou em 18º lugar em Olimpíada Internacional de Neurociências

Lorrayne Isidoro enfrentou diversos obstáculos para chegar até a...

Leandro Karnal: professor que festejou ataque a estudante é “co-autor da violência”

O limite da liberdade de expressão Por Leandro Karnal Do DCM Conquistamos...

para lembrar

Rodson Magalhães Lourenço: As mulheres negras

 Fundador da Associação de Integrantes de Alas de Baianas...

Para Ives Gandra: sobre direitos e privilégios

São Paulo, 20 de novembro de 2017. Prezado Ives Gandra, Márcia...

Atividades alusivas ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – Ceará

Nos últimos anos, o INEGRA juntamente com o Fórum...
spot_imgspot_img

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo da meninade joelho num surrão. Grita ao vento seu nomeComo se quisesse dizerQue mulher tem que...

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro da ANPAE (Associação Nacional de Política e Administração da Educação), realizado na primeira semana de...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...
-+=