Ele não é o nosso branco

Travis Wilkerson olha para o racismo institucional americano do outro lado da porta.

Por 

Se Raoul Peck filmou James Baldwin a dizer que ele não era o negro que queríamos que ele fosse, Travis Wilkerson filma-se a si próprio, fora de campo, a dizer que os brancos também não são quem nós queremos que eles sejam. E ele lá sabe – com Did You Wonder who Fired the Gun? (Concurso Internacional), o artista e performer americano investiga a história da sua própria família, centrando-se num bisavô que, nos anos 1940, matou a tiro um negro na cidadezinha do Alabama onde vivia e, apesar de ter sido acusado de homicídio, nunca foi condenado.

Inicialmente apresentado como one-man-show multimédia com Wilkerson em palco a narrar a sua história enquanto lança do portátil deixas musicais e blocos de imagem, forma na qual tem vindo a circular pelos EUA, Did You Wonder Who Fired the Gun? estreia-se em Locarno na sua forma cinematográfica. É um filme-ensaio que recorre a filmes de família, material inédito e imagens de arquivo, onde cabem o romance de Harper Lee Não Matem a Cotovia (e a sua versão cinematográfica Na Sombra e no Silêncio), que o realizador denuncia como “um santo secular e não uma pessoa de carne e osso”; a canção que Phil Ochs dedicou ao activista branco dos direitos civis William Moore, assassinado numa estrada do Alabama; ou o lendário tema de Billie Holiday Strange fruit , e a sua metáfora dos linchamentos de negrosE Wilkerson, ao colocar-se simultaneamente no centro da narrativa (é a sua família, é a sua voz, é a sua história) e fora dela (não a viveu, apenas a investiga, e pergunta-se como é possível vir desta família), ilumina todo um lamaçal de questões éticas e morais sobre a verdade das relações raciais nos estados do Sul da América (e na América como um todo) e alerta-nos para não as ignorarmos nem as normalizarmos.

Uma das frases preferidas dos movimentos nacionalistas sulistas é “O Sul voltará a erguer-se”. O que Travis Wilkerson nos mostra é que ele nunca se foi realmente embora, porque o racismo institucionalizado nunca desapareceu. Apenas se escondeu.

+ sobre o tema

Vítima de racismo em hipermercado pediu afastamento do trabalho por vergonha: ‘Chorei e ainda choro’

Vítima de racismo em hipermercado pediu afastamento do trabalho...

Após protestos, UFRGS descarta alteração em sistema de cotas

Mudança ainda tirava opção de cotistas concorrerem pelo acesso...

Mamadou Ba: O racismo tem de ser punível por lei

A propósito do Dia Mundial da Tolerância, esta quinta-feira,...

Ruivos fazem 1º Encontro Nacional em São Paulo

"Ei ferrugem!" ou "Vem aqui, alemão" foram frases muito...

para lembrar

Garantir direitos para superar o racismo e a violência

No Dia Internacional da Juventude, o UNFPA e agências...

Michelle Obama afirma que já foi tratada de forma diferente por ser negra

A primeira-dama falou de sua experiência ao ser discriminada...

O silêncio ensurdecedor frente ao extermínio dos jovens negros

A tragédia que se abateu sobre os jovens negros...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=