Ele vai ficar sumido 30 anos, diz mulher de Amarildo em protesto no Rio

A mulher do pedreiro Amarildo de Souza, 42, desaparecido desde o dia 14 de julho, afirmou nesta quinta-feira (1º) que “não está tendo resposta alguma” em relação às buscas pelo morador da favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro.

“Ninguém me fala onde está o meu marido. Nem a polícia nem o governo. Ele vai ficar sumido 30 anos”, disse Elizabete Gomes, 48. “E durante 30 anos a gente vai fechar a boca do túnel”, afirmou, referindo-se ao protesto realizado nesta noite, que fecha a autoestrada Lagoa-Barra, em São Conrado.

“Eu moro num cubículo com oito pessoas e estou sem o meu marido. A UPP [Unidade de Polícia Pacificadora] entrou aqui para pegar trabalhador. (…) Eu não preciso nem achar que ele está morto. Eu sei que ele está morto”, disse. “Foi a polícia que matou o meu marido. E ainda sumiram com os documentos para dizer que ele não está morto.”

Michele disse que a família não recebeu o relatório sobre as investigações conforme havia sido prometido na reunião com o procurador-geral de Justiça Marfan Vieira nesta quarta-feira (31). O delegado Rivaldo Barbosa afirmou, segundo ela, que o mais importante nesse momento é manter sigilo absoluto em relação ao trabalho de investigação, metodologia já tradicional da Delegacia de Homicídios.

A Polícia Civil e o governo estadual do Rio anunciaram dar prioridade a este caso que causou comoção. O Ministério Público já trata o caso como homicídio.

foto

O pedreiro foi detido ao ser confundido com um traficante que comanda a Rocinha e, segundo os policiais, posto em liberdade em seguida. As câmeras da UPP da Rocinha, no entanto, não registraram a entrada ou saída de Amarildo do local. Segundo a polícia, o equipamento estava com defeito.

Protesto
Moradores e líderes comunitários da favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, iniciaram, por volta das 19h, uma passeata contra o sumiço do pedreiro Amarildo de Souza, retirado da porta de sua casa no último dia 14 de julho e levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Às 21h, eles chegaram à rua Aristides Espíndola, no Leblon, onde mora o governador do Estado, Sérgio Cabral, e onde cerca de 50 pessoas estão acampadas desde a noite de domingo (28).

Os manifestantes cantavam palavras de ordem contra o governador –“Cabral bandido, cadê o Amarildo?”– e cantavam um trecho da música “Rap da Felicidade” –“Eu só quero é ser feliz, andar tranqüilamente na favela onde eu nasci”.

Durante a passeata, eles fecharam os dois sentidos da Autoestrada Lagoa-Barra e o túnel Zuzu Angel. O líder do movimento Favela Não Se Cala, André Luiz Abreu de Souza, 38, um dos grupos que convocou a passeata, afirmou que o governador Sérgio Cabral (PMDB) está “desesperado” com a repercussão midiática do desaparecimento do pedreiro.

Por: Hanrrikson de Andrade

Ato lembra desaparecimento do pedreiro Amarildo em Copacabana

Os crimes de maio e as manifestações de junho e o Amarildo: o extermínio nosso de cada dia – Por: Deivison Nkosi

Onde estão os Amarildos?

 

Fonte: UOL

+ sobre o tema

OAB vai apurar conduta de advogado que disse que mulher negra não tinha perfil de gerente

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Ribeirão Preto...

Justiça do Trabalho adota cotas para afrodescendentes

  O Conselho Superior da Justiça do Trabalho...

Denúncia de racismo contra militares chega ao comando da PM de Alagoas

'Sou negro e não tolero racismo', diz comandante da...

Aprovada multa de até R$ 37 mil por racismo, homofobia ou transfobia no Ceará

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa...

para lembrar

Caso Genivaldo: PRF retirou direitos humanos do curso de formação de agentes

Todos os policiais que ingressam na PRF são obrigados...

O estranho caso de um inocente boneco preto pendurado na UFBA

No dia 02 de março de 2015, primeiro dia...

Suzana Varjão – ‘Micropoderes, macroviolências’

Micropoderes, macroviolências é uma narrativa sobre a "guerra de...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=