Eleonora Menicucci recusa acordo com Frota: ‘minha história jamais permitiria’

Ministra de Políticas para as Mulheres do governo Dilma está sendo processada após criticar ator por apologia ao estupro

Do Agencia Patricia Galvao

Terminou sem acordo a audiência na Justiça, realizada ontem (6), no Juizado Especial Cível, no centro de São Paulo, sobre a ação movida pelo ator Alexandre Frota contra a ex-ministra de Políticas para as Mulheres do governo Dilma Rousseff, Eleonora Menicucci. Frota exige desculpas e R$ 35 mil reais de indenização por ter sido acusado de incentivo ao estupro. “Não houve acordo. A minha história jamais permitiria. Não pedi desculpas”, afirmou Eleonora.

No ano passado, em programa de televisão, Alexandre Frota contou, sem demonstrar constrangimento, que teria estuprado uma mulher. A ex-ministra criticou o ator e afirmou que ele fazia apologia ao estupro.

Eleonora foi recebida por dezenas de mulheres que foram lhe prestar solidariedade e protestar contra o ator que,  na chegada ao tribunal, zombou das mulheres e da imprensa.  Elas denunciaram o machismo da sociedade brasileira e a cultura do estupro, que naturalizam a violência contra a mulher. “Estamos aqui apoiando a ex-ministra. Somos todas Eleonora”, afirmou Junéia Batista, secretária nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, em entrevista ao repórter Jô Miyagui, para o Seu Jornal, da TVT.

Assista:

“Ele fez, em tom de galhofa, aquilo que, na realidade, ele faz e acredita. Quem faz determinadas brincadeiras discriminatórias, de estímulo e incentivo à violência contra a mulher, é porque é machista”, frisou Liege Rocha, da União Brasileira de Mulheres.

Conhecido nos últimos anos por atuações em filmes pornográficos, o ator Alexandre Frota também causou polêmica, quando foi um dos primeiros a ser recebido em audiência, pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, ainda durante a interinidade do governo Michel Temer.

A audiência definitiva sobre o caso foi marcada para o dia 11 de outubro.

Veja a íntegra da nota de Eleonora Menicucci:

Hoje tive audiência de conciliação com Allexandre Frota: não aceitei acordo proposto.

Não jogaria na lata de lixo minha vida inteira dedicada a luta pelos direitos das mulheres, contra qualquer forma de violência de gênero inclusive a tipificada como crime hediondo: o estupro.

Lutei contra a ditadura, fui presa torturada e luto agora contra o golpe parlamentar que tirou da Presidência Dilma Rousseff.

Como sua ministra das Mulheres criamos o maior programa de enfrentamento a violência contra as mulheres.

Não podemos ter medo de pronunciar palavras que expressam a luta contra o preconceito a discriminação contra as mulheres, negros, índios, população LGBT, população pobre de nosso pais.

Não a cultura do medo; não a cultura do estupro.

Obrigada a todas as mulheres que se solidarizaram comigo , tanto as que foram ao Fórum, como as que não puderam comparecer e aquelas que estão se manifestando nas redes.

+ sobre o tema

Violência Obstétrica: Ela existe ou é mais uma ‘invenção de feministas’?

O tampão foi esquecido. Thamara não poderia ter saído...

Mulheres negras urgem empoderamento feminino e lutam contra racismo pela música

Kmila CDD, Mc Soffia, Luana Hansen e Karla da...

Irmãos se abraçam e são espancados por oito homens em Salvador; um morreu

José Leonardo da Silva, 22 anos, não imaginava que...

CPI da Violência contra a Mulher quer no Código Penal um crime chamado feminicídio

Cintia Sasse e Ricardo Westin O problema não está apenas...

para lembrar

Estudantes criam sutiã elétrico contra estupro na Índia

O terrível estupro coletivo e assassinato de uma estudante em Nova...

Eleições-2014: é possível uma pauta feminista?

Dez questões incômodas, que você pode dirigir a candidatos...

Cai número de héteros no Brasil. E os gays com isso?

Seria o sonho da “ditadura gay” ou de repente...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=