Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que, na escola, sempre foi chamada de “feia”. Ela reagiu à discriminação de que foi alvo no colégio quebrando estereótipos: “Temos que entender quem somos, porque, se deixarmos esse espaço aberto, colocamos nossa identidade nas mãos da sociedade”

no Revista Fórum

Kyemah McEntyre, uma jovem norte-americana de 18 anos, conviveu, durante os anos de colégio, com o racismo e o bullynig. Sua resposta à discriminação de que foi alvo veio em grande estilo: reafirmando-se enquanto negra, desenhou seu vestido de formatura em estilo africano. O resultado foi o sucesso absoluto e o título de rainha do baile.

As fotos de Kyemah vestida para a festa viralizaram desde que foram postadas em seu Instagram, há cinco dias. Uma das imagens foi publicada junto a um texto sobre valorização da autoestima e quebra de estereótipos. “Tenho 18 anos e sem dúvida sou descendente de africanos”, escreveu a jovem, que contou ter sempre sido chamada de “feia”. “Gostaria de usar esse momento para dizer que temos que entender quem somos, porque, se deixarmos esse espaço aberto, colocamos nossa identidade nas mãos da sociedade. Não deixe que ninguém te defina. Coisas boas acontecem quando você se orgulha de si mesmo #meninasnegrasarrasam #kyequebraainternet.”

Confira as imagens:

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=