Em seu primeiro discurso como candidata, Marina diz que quer ser a primeira presidente negra do Brasil

PV fez convenção nacional hoje em Brasília e se mostrou otimista para chegar ao 2º turno


Marina Silva fez nesta quinta-feira (10) seu primeiro discurso como candidata à Presidência. Na convenção nacional do PV, em Brasília, Marina foi oficializada candidata do partido ao lado do empresário Guilherme Leal, que será o vice na chapa. A senadora encerrou seu discurso por volta das 18h de hoje, depois de um evento que começou às 11h20.

 

– Que no dia 1º de janeiro o Brasil possa ter a primeira presidente negra da história.

 

Marina é a terceira colocada nas pesquisas de intenção de voto, atrás de José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). A candidata do PV varia entre 8% e 12% das intenções de voto. Hoje, o partido se mostrou confiante na possibilidade de chegar ao segundo turno.

 

Em seu discurso, Marina citou sua trajetória de vida, afagou aliados, elogiou Leal e lembrou sua passagem pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva, como ministra do Meio Ambiente. A candidata do PV se emocionou ao lembrar os últimos meses no ministério.

 

– Eu fiquei no governo durante cinco anos, nunca fiz um discurso fácil para o presidente, dizendo “sim senhor, sim senhor, sim senhor”. […] Mas nunca me neguei de construir as melhores soluções para o país.

 

Marina foi aplaudida durante sua fala. Apesar de ter feito várias brincadeiras, a candidata do PV não poupou críticas ao governo. Ela reconheceu os avanços no país, mas disse que não se pode fazer uma “apologia cega” às conquistas.

 

– Hoje nós temos um Brasil que não precisa olvidar [esquecer] suas conquistas, mas também não precisa fazer uma apologia cega a ela, esquecendo que ainda temos muitos desafios, e muitos erros a ser conhecidos.

 

O evento estava marcado para começar às 10h, mas atrasou. Antes de Marina, Guilherme Leal também discursou. Além dos candidatos a presidente e vice, outros militantes do partido discursaram para a plateia. Fernando Gabeira, pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro, aparou arestas da briga interna com a cúpula do partido e afirmou que está ao lado de Marina na disputa pela Presidência.

 

Alfredo Sirkis, coordenador da pré-campanha de Marina, fez um discurso conciliador sobre questões polêmicas como religião e a união entre pessoas do mesmo sexo. Sirkis pregou a “multiplicação” do eleitorado de Marina, seguindo o discurso confiante no partido. O presidente da legenda, José Luiz Penna, foi um dos primeiros a falar à militância verde.

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Barbosa derruba supersalário no Tribunal de Contas do Município de São Paulo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro...

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

Moradores das favelas sonham com casa e negócio próprios em 2020, mas sem otimismo por segurança

Estudo do Data Favela mostra que moradores desses conglomerados...

para lembrar

Número de mulheres eleitas prefeitas no 1º turno aumenta 31,5% no país

Candidatas alcançaram posto em 663 cidades, mas apenas uma...

Desembargador do TRF4 manda soltar Lula da prisão ainda hoje

Lula livre: Desembargador do TRF4 manda soltar Lula da...

Dengue avança em São Paulo com 6 mortes

Total de vítimas da Dengue no Estado é metade...

Mano Brown e Iceblue gravam com Fernando Haddad

por Walber Silva O candidato a prefeitura de São...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=