Enfim, medidas contra o racismo nos estádios

Tem início no próximo sábado, na Rússia, a Copa das Confederações. Infelizmente, o Brasil não estará presente. A competição reúne os seis campeões continentais, além do campeão da última Copa do Mundo e o país-sede. Para participar, o Brasil teria de ter conquistado a Copa América — o campeão aí, porém,  foi o Chile. Desde a criação do torneio, em 1997, esta será a primeira vez que o Brasil estará ausente. Mas não é desse ineditismo que vamos tratar aqui, e sim de outro: é que nesta edição da Copa pela primeira vez, em uma competição oficial, a Fifa colocará em prática um pacote de medidas contra a discriminação.

Do Diário de Pernambuco

Foto: iStock.com

O Brasil ausente é uma notícia ruim, para nós brasileiros; as sanções contra os atos de discriminação nos estádios são uma notícia boa, para todo o mundo. Os estádios têm sido palco privilegiado de gestos e atos dessa natureza, notadamente de racismo. As medidas a serem aplicadas na Rússia têm potencial para enfrentar o problema, e capacidade para ser implantada posteriormente em qualquer lugar.

Será assim, informa matéria da Agência Estado: “Quando identificado o ato discriminatório, o árbitro poderá parar o jogo e fazer um anúncio público no estádio para suspender o jogo até que o ato seja interrompido, juntamente com outra advertência. Caso necessário, o juiz poderá até abandonar a disputa, em uma atitude mais drástica”.

Em todas as partidas haverá observadores antidiscriminação, entre as torcidas das duas equipes. Além da possibilidade de ação no próprio momento em que o problema ocorre, será feito um relatório, a ser encaminhado ao Comitê Disciplinar da Fifa, que poderá estabelecer punições com base no que foi relatado.

As medidas ampliam em larga escala o poder dos árbitros no enfrentamento ao problema. São “ferramentas extras” que lhes são concedidas, observou ontem o presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino. Para ele, a luta contra a discriminação “é global”, e não exclusiva de um ou outro país.

É preciso, de um lado, deixar claro para todos que os estádios não são território livre para atos, gestos e cânticos de discriminação — aberrações que nada têm a ver com o que o esporte representa. E, de outro lado, estabelecer formas de aplicar sanções imediatas e no pós-jogo. O pacote de medidas da Fifa é capaz de atuar nos dois casos. Torçamos para que a iniciativa prospere e se dissemine pelo futebol mundial.

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

O Racismo institucional se manifesta na extincao da TVE-FM cultura

Á SEPPIR, FUNDAÇÃO PALMARES E AO MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO. Por Emir Da...

Presa por racismo é nomeada secretária da Igualdade Racial

Além de Maria Luiza, prefeito de Bodocó (PE), Túlio...

Racismo leva aposentado para a cadeia

Fonte: Cosmo Online - O aposentado Ariovaldo Luiz...
spot_imgspot_img

Mbappé comunica ao PSG que vai sair do clube ao fim do contrato

Mbappé comunicou à diretoria do Paris Saint-Germain que vai deixar o clube ao fim do contrato, o qual se encerra em junho. A informação foi dada...

Costa do Marfim venceu o CAN 2024

Já é conhecido o vencedor da 34ª edição do Campeonato Africano das Nações de futebol: a Costa do Marfim. Primeira parte: vantagem Nigéria A selecção nigeriana, que tinha...

Os palancas negras

Não foi o 7 x 1 que me frustrou, inclusive eu estava dormindo durante o jogo contra a Alemanha. Lembro que acordei várias vezes...
-+=