Entidades denunciam racismo religioso contra professor impedido de assumir vaga em universidade

Aprovado no concurso público para professor no Departamento de Direito da Universidade Federal de Sergipe (UFS) em 2019, o professor doutor Ilzver de Matos Oliveira foi impedido de assumir uma vaga aberta na universidade este ano por decisão do Conselho Departamental de Direito da UFS. O professor vai acionar o Supremo Tribunal Federal e movimentos enxergam racismo na postura da universidade. A manobra beneficiou um integrante da Associação Nacional de Juristas Evangélicos, ligado à ministra Damares Alves.

A decisão do conselho contraria a Súmula 15 do Supremo Tribunal Federal (STF) e o parecer da professora Jussara Jacintho, integrante do Conselho Departamental do Curso de Direito da UFS e relatora do processo. Jacintho levou em conta uma situação ocorrida dois anos antes para defender que a vaga aberta fique com Oliveira.

“No dia 29, um dia após a decisão do Conselho, a professora Jussara comparou o meu caso com outro semelhante que aconteceu em 2016, quando o mesmo Conselho decidiu pela convocação dos aprovados em concurso e não por edital de remoção, mas que a candidata, também classificada em segundo lugar como eu, era branca, de classe social alta e amiga de pessoas influentes, e eu sou negro e de família desconhecida. A relatora entendeu a decisão como incontroversa”, disse o professor à jornalista Karla Pinheiro, do portal Infonet.

Diante da decisão do conselho, professores e movimentos de direitos humanos saíram em defesa de Ilzver. O Movimento Nacional de Direitos Humanos de Sergipe (MNDH-SE) pede a imediata nomeação e posse do jurista e destacou que “o Prof. Dr. Ilzver é negro, candomblecista e reconhecido publicamente pelos movimentos sociais como um grande defensor de direitos humanos”.

“Foi aprovado em primeiro lugar como cotista no concurso público para docente do magistério superior conforme a Lei de Cotas e em segundo lugar pela ampla concorrência, nos termos do Edital no011/2019 da Universidade Federal de Sergipe – Departamento de Direito, mas teve sua convocação e nomeação, injustamente impedida, após a homologação do concurso público, a posse do primeiro colocado e após decisão por unanimidade pela sua convocação pelo Departamento de Direito, pareceres favoráveis do Procurador Federal Junto à UFS e relatora do processo, nos termos da lei.De forma arbitrária, foi aprovado o pedido de abertura de edital de remoção realizado pelo Ex- pró-reitor de extensão no período de intervenção da universidade. O Ex-pró-reitor intervencionista, docente efetivo do curso de Ciências Contábeis no Campus da UFS-Itabaiana, e presidente da Associação Nacional de Juristas Evangélicos, não atende aos requisitos do concurso de exigência da titulação de doutor em direito”, descreve trecho da nota.

Professores da instituição foram contra a manobra. “Num momento de ascensão do negacionismo, ataques a ciência e as universidades, prevalência do ódio e suas manifestações em vários tipos de preconceitos e discriminações, não podemos tolerar que tal fato ocorra em qualquer instituição pública, muito menos em uma Instituição Federal de Ensino Superior”, afirmam.

A Unegro também se manifestou: “O caso configura uma ameaça gravíssima aos direitos conquistados pelo povo negro nos últimos anos. É resultado do avanço do fundamentalismo e das políticas bolsonaristas nas universidades federais. Não aceitaremos perder o espaço que lutamos tanto pra conquistar. A VAGA É DE ILZVER! Não daremos mais esse passo pra trás!”.

Veja aqui nota lançada por professores da universidade

Confira as notas:

MNDH-SE

NOTA DE APOIOPELA JUSTA E IMEDIATA NOMEAÇÃO E POSSE DO PROFESSOR DOUTOR EM DIREITO ILZVER DE MATTOS OLIVEIRA PARA O PROVIMENTO DE CARGO DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DO DEPARTAMENTO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Entendendo que nos direitos humanos voltar atrás para corrigir um “erro” deve ser uma prioridade, o Movimento Nacional de Direitos Humanos vem a público APELAR para que seja feita justiça frente a ação administrativa arbitrária de racismo institucional e religioso que atingiu diretamente o Prof. Dr. Ilzver de Matos Oliveira.

O Prof. Dr. Ilzver é negro, candomblecista e reconhecido publicamente pelos movimentos sociais como um grande defensor de direitos humanos. Foi aprovado em primeiro lugar como cotista no concurso público para docente do magistério superior conforme a Lei de Cotas e em segundo lugar pela ampla concorrência, nos termos do Edital no011/2019 da Universidade Federal de Sergipe – Departamento de Direito, mas teve sua convocação e nomeação, injustamente impedida, após a homologação do concurso público, a posse do primeiro colocado e após decisão por unanimidade pela sua convocação pelo Departamento de Direito, pareceres favoráveis do Procurador Federal Junto à UFS e relatora do processo, nos termos da lei.

De forma arbitrária, foi aprovado o pedido de abertura de edital de remoção realizado pelo Ex- pró-reitor de extensão no período de intervenção da universidade. O Ex-pró-reitor intervencionista, docente efetivo do curso de Ciências Contábeis no Campus da UFS-Itabaiana, e presidente da Associação Nacional de Juristas Evangélicos, não atende aos requisitos do concurso de exigência da titulação de doutor em direito.Mesmo assim, no dia 28/04/2021, o Conselho Departamental do Curso de Direito/UFS, aprovou a abertura de edital de remoção.

Entendendo que o ocorrido abre precedente ao desrespeito ao Direito, a democracia e a Ordem Jurídica, bem como a discriminação e intolerâncias diversas que afronta, os direitos humanos, dentre as quais o racismo institucional e religioso, o Movimento Nacional de Direitos Humanos vem a público APELAR para que seja feita justiça em prol do Prof. Dr. em Direto Ilzver de Matos Oliveira com a imediata retomada do pleito de sua posse.

Aracaju, 30 de abril de 2021.

Movimento Nacional de Direitos Humanos de Sergipe.

UNEGRO:

O DEPARTAMENTO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE QUER IMPEDIR QUE PROFESSOR NEGRO E CANDOMBLECISTA ASSUMA VAGA PARA QUAL FOI APROVADO!

Em medida ilegal, professores do DDI-UFS decidiram hoje, pela não convocação do Professor Doutor Ilzver de Matos, para a vaga aberta no corpo docente do departamento.
Ilzver, que é também pesquisador das religiões de matriz africana e militante nas lutas socias aqui do estado, foi aprovado no segundo lugar geral e primeiro lugar das cotas raciais em concurso público do ano de 2019, sendo, de acordo com o edital, o indicado a ocupar a vaga em questão. A convocação, que conta com o parecer da Procuradoria Geral da Universidade, foi contestada por um professor do Departamento de Ciências Contábeis, que por acaso é presidente da União de Juristas Evangélicos e que visava a vaga que deveria ser de Ilzver. O departamento de direito votou então, em maioria, pela não convocação do candidato, numa atitude visível de racismo e intolerância religiosa, desrespeitando as políticas afirmativas conquistadas depois de anos de luta do movimento negro.
O caso configura uma ameaça gravíssima aos direitos conquistados pelo povo negro nos últimos anos. É resultado do avanço do fundamentalismo e das políticas bolsonaristas nas universidades federais.
Não aceitaremos perder o espaço que lutamos tanto pra conquistar. A VAGA É DE ILZVER! Não daremos mais esse passo pra trás!

A Unegro repudia o ato do Departamento de Direito/UFS e apoia o Prof. Ilzver.

+ sobre o tema

Por que mandaram matar Marielle Franco? Essa agora, é a pergunta que não se cala…

Seis anos depois e finalmente o assassinato de Marielle...

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

Uma menina de 4 anos, chamada de Flor de...

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

para lembrar

Roseli Fischmann: Escola pública não é lugar de religião

Acordo aprovado no Senado, que estabelece obrigatoriedade do ensino...

Falar em racismo reverso é como acreditar em unicórnios

Em quase todas as discussões sobre racismo, aparece alguém...
spot_imgspot_img

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a avó Iyá Davina, a iyalorixá Davina de Omolu, dizendo “nossas coisas estão nas mãos da...

Geledés discute racismo religioso na ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua agenda nas Nações Unidas neste ano. Neste dia 8 de março, o instituto realiza na...
-+=