Erika Januza fala de racismo em relacionamentos: ‘Ficar escondido, pode; assumir são outros 500’

Há quem questione o uso da palavra empoderamento, mas ela ainda é a que melhor dá conta de explicar a história que você está prestes a ler. É sobre uma mulher de 34 anos que temia cortar o cabelo e perder, com ele, a proteção que criara contra racismo, pressão estética, rejeição e tantas outras memórias infelizes que lhe foram impostas ao longo da vida. Até que, um dia, descobriu sua beleza em meio aos padrões e se apaixonou pelo que viu. Em relato ao EXTRA, a atriz Erika Januza conta como o processo de decisão de cortar o cabelo curtinho a ajudou a lidar com diversas questões.

Por Carla Nascimento, do Extra

Atriz Erika Januza fala de racismo (Foto: Reprodução/vídeo / Fernando Lemos)

Ao adotar o corte ‘Mariazinha’, a mineira enfrentou uma série de fantasmas antiaceitação e, de quebra, encontrou a imagem perfeita para viver a personagem Marina, da novela “Amor de mãe”, uma tenista decidida que corre atrás dos seus objetivos a todo custo – à imagem e semelhança de sua intérprete.

No vídeo gravado para o EXTRA, a atriz fala de como saiu do padrão “meu cabelo precisa ser liso para que eu tenha paz” para “eu me amo de cabelo crespo”, mas acabou caindo em outra armadilha: a de que precisava manter os fios grandes para continuar bonita. Erika analisa, ainda, o peso do machismo e do racismo nesse tipo de escolha e fala da solidão da mulher negra — ou melhor, da sua solidão.

— Eu pensava: “Meu namorado vai me achar feia”; “minha feminilidade não vai existir mais”; “vão me achar com cara de homem”; “mulher negra já é preterida, e com cabelo curto, então, estarei para escanteio”… – enumera a atriz, antes de continuar:

— Posso falar por mim que a mulher negra sempre foi preterida, e é. Sempre me senti (preterida) e ainda me sinto. Não é por ser atriz que todo mundo deseja. Não acho. Não acho mesmo. Sempre fui a menina da escola que saía com as amigas, todo mundo de namoradinho, e eu ficava olhando. Eu sempre fui a sozinha. É aquilo: pra ficar escondido, pode ficar, mas pra sair de mão dada na rua e assumir são outros 500.

Confira o vídeo na íntegra:

+ sobre o tema

“Serendipidades”, A força histórica na construção literária de Ana Maria Gonçalves

Ana Maria Gonçalves (Foto: Brenda Lígia) Serendipidade: A faculdade ou...

Não somos nós

Pesquisa inédita do Instituto Patrícia Galvão e Data Popular...

Kenia Maria lança livro infantil que resgata raízes da cultura negra

"Flechinha, o príncipe da floresta" é a primeira edição...

para lembrar

Universidade de Tóquio sob suspeita de prejudicar as mulheres nos concursos de admissão

Uma faculdade de Medicina de Tóquio está sob suspeita...

Débora, do Mães de Maio, luta por memória: “Meu filho morreu por ser preto”

No último domingo, Débora Maria da Silva completou 61...

Considerações sobre o estupro coletivo no Rio de Janeiro

Eu li vários textos sobre o estupro coletivo no...
spot_imgspot_img

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...

1ª Parada Negra LGBT de BH acontece no próximo sábado (25/5)

No próximo sábado (25/5), data que marca o Dia da África, acontece em Belo Horizonte, a 1ª edição da Parada Negra LGBT. O evento acontece...

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...
-+=