sábado, setembro 18, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaPatrimônio CulturalEspetáculo da Companhia de Teatro da Ufba tem direção de uma negra

Espetáculo da Companhia de Teatro da Ufba tem direção de uma negra

Pela primeira vez, uma mulher negra dirige um espetáculo da Companhia de Teatro da Ufba: Pele Negra, Máscaras Brancas.

Por Flavia Azevedo, do Correio 24 Horas 

blank
Onisajé (Fotos: Adeloyá Magnoni)

A montagem

Com elenco 100% composto por pessoas negras, a Companhia de Teatro da Universidade Federal da Bahia estreia, em março, espetáculo que traz a temática do racismo. Um momento histórico para o grupo. Ao conduzir essa equipe para a encenação de “Pele Negra, Máscaras Brancas”, Onisajé (Fernanda Júlia) se torna a primeira mulher negra a dirigir um espetáculo da companhia que já tem quase quarenta anos de existência. A dramaturgia (de Aldri Anunciação) se baseia em obra homônima de Frantz Fanon, leitura obrigatória para aqueles que discutem, estudam e lutam contra o racismo.

 

O espetáculo passeia por três períodos (1950, 2019 e 2888) e, nessa viagem, fala sobre processo de colonização e a construção de sofrimentos psicológicos em corpos negros. A montagem traz o próprio Frantz Fanon como personagem no ano de 2019 para, novamente, defender a tese de doutorado rejeitada pela banca examinadora no ano de 1952:  Pele Negra, Máscaras Brancas, obra que se tornou referência mundial sobre o tema.

A diretora

Onisajé é Yakekerê (mãe pequena, segunda sacerdotisa do terreiro) no Ilê Axé Oyá L´adê Inan, graduada no Bacharelado em Direção Teatral da Escola de Teatro da UFBA e mestre em Artes Cênicas pelo Programa de Pós graduação em Artes Cênicas – PPGAC – UFBA. Atualmente, é doutoranda no mesmo programa e professora substituta da Escola de Teatro da UFBA nos cursos de Direção, Interpretação e Licenciatura. É também Diretora Fundadora do Núcleo Afro brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA, fundado em 1998. É dramaturga, preparadora de atores, educadora e pesquisadora da cultura africana no Brasil com ênfase nas religiões de matriz africana.

A experiência

“Dirigir o espetáculo Pele Negra, Máscaras Brancas à frente da Companhia de Teatro da UFBA, que é importante para o cenário artístico e teatral soteropolitano, é muito importante e significativo, principalmente por uma questão da ampliação de narrativas. Frantz Fanon é um autor importantíssimo para o processo de ‘poderamento’ do homem e da mulher negra, para a consciência do racismo como prisão e fator de adoecimento, de impedimento do indivíduo negro(a) de ascender nos espaços. A Escola de Teatro da UFBA – que tem reconhecidamente um título de pioneira – precisava diversificar, ampliar, olhar a diversidade cultural do povo e responder isso na cena. Todas as reivindicações dos estudantes pretos da graduação e a mobilização de artistas negros engajados dentro da escola, incluindo professores e a realização do FNAC contribuíram para que esse momento chegasse. Depois de Gusmão – que foi o primeiro espetáculo com essa temática, sendo pensado, produzido e encenado por artistas negros – o Pele Negra é mais um espetáculo que vem manter aberta essa porta, que vem marcar e disputar espaços de narrativas.
É importante que a gente entre nesses espaços, que mostremos outros pontos de vista e que nós pretos e pretas a partir da nossa visão de mundo, experiência e da nossa herança possamos evidenciar nossas contribuições no processo formativo de nosso país. O teatro é um espaço midiático, de criação, de plano simbólico, de referências e reconhecimento. Ver-se e ser visto é muito importante. A universidade acaba tendo uma única narrativa eurocentrada ou norte americanizada. Então essa fala de uma encenadora mulher, negra, lésbica, do interior do estado, de periferia, que fez parte e faz dessa universidade, afirma e comprova que é necessário colocar as nossas questões em todos os espaços.”

 

RELATED ARTICLES