sexta-feira, outubro 16, 2020

    Tag: teatro

    Equipe do Núcleo Negro de Pesquisa e Criação em cena do espetáculo Fala das Profundezas - Foto: Davi Pereira

    Núcleo Negro de Pesquisa e Criação apresenta espetáculo de teatro em versão radiofônica

    Assim como o Brasil em meados dos anos 30 concentrava suas histórias teatrais por meio das ondas do rádio, o Núcleo Negro de Pesquisa e Criação (NNPC) traz uma adaptação do espetáculo Fala das Profundezas para o ambiente radiofônico, só que desta vez, ocupando as plataformas  de streaming de música no país. Com estreia no dia 24 de outubro, a partir das 21h,  esta adaptação estará disponível no YouTube, Deezer, Spotify, SoundCloud e iTunes, de forma gratuita. O espetáculo que possui direção e dramaturgia de Gabriel Cândido, trata sobre temas como capitalismo e racismo estrutural em uma ficção sobre a exploração de um território intitulado de Profundezas. A constante exploração desse território faz emergir diversos conflitos existenciais que provocam interferências nas relações afetivas das pessoas que ali vivem. Movido pelos próprios conflitos, o povo desse território percebe que chegou o momento para tentar propor o que muitos já sonhavam a algum tempo, ...

    Leia mais
    Tilara Serpa e Juliana Pimenta

    Preta de Neve no reino encantado – Teatro

    QUEM SOMOS NÓS ? A Cia Dois Ventos nasce da união de duas melhores das favelas de São Paulo, Ivone Dias Gomes e Priscila Ribeiro, juntas já realizaram algumas peças na cidade de SP Vizinhas (2017), Preta de Neve(2018) Tropelhaçadas (2018), Divas da Faxina(2019), a Cia tem pesquisa direcionada à população, cultura e personagens que vivem na periferia da cidade, desta forma pretendem enaltecer e valorizar a cultura popular por meio da arte e do teatro. SOBRE PRETA DE NEVE :  Preta de Neve é um espetáculo criado, escrito e desenvolvido por Ivone Dias Gomes que é formada em Licenciatura em Teatro e atualmente é Pós Graduanda do curso de pós graduação na UFABC Educação em direitos humanos, uma mulher preta, arista e favelada da cidade de  São Paulo que entende a arte e o teatro como forma potente de transformação social. O projeto  faz a desconstrução do conto de ...

    Leia mais
    Cena da atriz Lucelia Sergio na peça "Engravidei, pari cavalos e aprendi a voar sem asas". O espetáculo faz parte da trilogia "Dos desmanches aos sonhos", que investigou o impacto da escravidão na maneira de amar dos brasileiros. A trama ilustra a vida de mulheres negras e as questões relacionadas à negritude, afeto, racismo e a solidão nos relacionamentos amorosos. Exibida pelo SESC São Paulo em julho ((Foto: Ana Zumas/Divulgação)

    Quilombo teatral, companhia Os Crespos faz 15 anos de luta antirracista

    2004, Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (USP). Cinco alunos negros se encontram na mesma turma da consagrada instituição de ensino superior. Era algo inédito: eles representavam 25% da concorridíssima classe de apenas 20 alunos. No ano seguinte, outros quatro chegavam ao curso que não tinha sequer uma disciplina voltada para a história ou expressão do corpo negro nos palcos, no cinema ou nas novelas. Era urgente mudar esse cenário. Enquanto a USP se negava a promover diversidade por meio de ações afirmativas no vestibular, surge entre aqueles estudantes a proposta de criar um grupo de pesquisa para mexer nas aulas e na grade curricular de ensino. Não negros foram convidados a discutir a óbvia lacuna. Mas apenas negros participaram da iniciativa. Nascia, assim, a companhia Os Crespos, o primeiro grupo contemporâneo de teatro negro em São Paulo e o mais longevo quilombo do setor na cidade, ...

    Leia mais
    FOTOS: CRISTINA MARANHÃO

    E se Brecht fosse Negro?

    “E se Black fosse Brecht, Negrxs seria. Eu derrubo qualquer Eugenia Palavra Negra é a minha Magia” – Dione Carlos, Black Brecht Esta foi uma jornada em direção ao nosso desejo de autorrepresentação: Quando falo de autorrepresentação, refiro-me a um posicionamento artístico, no qual as posições e as visões de mundo são matéria indissociável da construção artística, ou seja, a obra de arte como meio específico da vida e do discurso político do artista; que de posse da sua história pessoal, a utiliza para um exercício de socialização de sua vivência transformando sua experiência individual na vivência do coletivo, sendo desta forma catalisador de uma história ancestral, tal como o xamã ou o flâneur. Ritualizando sua experiência, consegue representar-se, da mesma forma que através do rito coletivo consegue sentir-se representado no conjunto da sociedade.1 Para que isso pudesse ocorrer no nosso caso era preciso enegrecer Brecht. Começamos este processo com ...

    Leia mais
    “Traga-me a Cabeça de Lima Barreto”, com Hilton Cobra/| Foto: Adeloya Magnon

    Assista: Hilton Cobra em “Traga-me a cabeça de Lima Barreto!”

    Escrita pelo diretor e dramaturgo Luiz Marfuz para comemorar os 40 anos de carreira do ator Hilton Cobra, a peça tem início após a morte do escritor Lima Barreto (1881-1922) e parte de uma imaginária sessão de autópsia na cabeça do autor de “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”, conduzida por médicos eugenistas, defensores da higienização racial no Brasil, na década de 1930. O propósito da autópsia seria responder à seguinte pergunta dos eugenistas: “Como um cérebro considerado inferior poderia ter produzido uma obra literária de porte se o privilégio da arte nobre e da boa escrita das raças tidas como superiores?” A partir desse embate, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto e reflete sobre a loucura, o racismo, a eugenia, a obra não reconhecida de Lima e os enfrentamentos políticos e literários de sua época no Rio de Janeiro, capital da ...

    Leia mais
    Foto Caio Lirio

    Embarque Imediato Ou Floresce Pitanga Na Trincheira

    É preciso a imagem para recuperar a identidade.  Tem-se que tornar-se visível.  Porque o rosto de um é o reflexo do outro.  O corpo de um é o reflexo do outro.  E em cada um o reflexo de todos os corpos.  A invisibilidade está na raiz da perda da identidade.  Beatriz Nascimento em  Orí.  Direção de Raquel Gerber.   Por Viviane A. Pistache para o Portal Geledés Embarque Imediato (Foto Caio Lirio) Sempre é tempo de aviar sobre o que pulsa mesmo após o apagar das luzes. Embarque Imediato, de autoria do dramaturgo Aldri Anunciação e encenado por Antônio Pitanga, seu filho Rocco Pitanga, com participação virtual de Camila Pitanga encerra temporada em São Paulo com muitas questões reverberando.   Obra que completa a trilogia iniciada pelo espetáculo Namíbia, Não! montada em 2011 sob a direção de Lázaro Ramos (adaptada para o cinema, com estréia prevista para o ...

    Leia mais
    Cena do musical "A Cor Púrpura" - Rafael Nogueira/Divulgação

    Musical ‘A Cor Púrpura’ chega a SP para curta temporada com história de racismo e machismo

    'A história é universal: fala do ser humano, em especial das mulheres', diz diretor Por Tatiana Cavalcanti, da Folha de São Paulo Cena do musical "A Cor Púrpura" - Foto: Rafael Nogueira/Divulgação O musical “A Cor Púrpura”, em cartaz em São Paulo em curta temporada, logo de início nos transporta ao sul dos Estados Unidos nos primórdios do século passado. A cantoria potente faz parecer que estamos no culto festivo de alguma igreja do estado americano da Georgia, onde a história se passa. Tudo embalado por um gospel bem animado e cheio de louvor. A plateia participa batendo palmas, erguendo os braços e balançando as mãos.Mas a história de Celie não é nada animada. Baseada no livro homônimo de Alice Walker —levou o prêmio Pulitzer de ficção em 1983—, a peça retrata o tratamento abusivo dado às mulheres negras no início do século passado. Muita coisa, ...

    Leia mais
    Foto:@caiogallucci

    Em 2020 você vai ouvir muito sobre o Coletivo Abrupto. Então venha conhecê-los!

    Coletivo Abrupto entra na cena teatral paulistana para agregar artistas e ampliar as possibilidades da arte como ferramenta transformadora de uma sociedade Com o objetivo de produzir cultura baseada em parâmetros libertadores no que tange a cor, estereótipos e perfis, o Coletivo Abrupto foi criado a partir da reunião de artistas negros que trazem para o protagonismo suas narrativas, experiências e histórias. A primeira ação produzida pelo coletivo será a estreia do espetáculo musical inédito e autoral “A Nossa História”, com texto de Elton Towersey e Vitor Rocha e direção musical, letra e música de Elton Towersey, prevista para o segundo semestre de 2020, com um elenco formado por 10 atores negros (sete membros do coletivo e mais três atores convidados - Agyei Augusto, Luci Salutes e Vitor Moresco). Com direção de Duda Maia, a obra não possui temática étnica. O trabalho criativo desponta da crença de que artistas afrodescendentes ...

    Leia mais
    A atriz Ruth de Souza Foto: Leo Martins / Agência O Globo

    Negras Palavras: Dramaturgias Negras (Homenagem à Ruth de Souza) – 07 de dezembro (sábado)

    07 de dezembro (sábado), 11h | Negras Palavras: Dramaturgias Negras (Homenagem à Ruth de Souza) "Negras Palavras" | 07 de dezembro (sábado), às 11h00 A atriz Ruth de Souza Foto: Leo Martins / Agência O Globo Concebido com o objetivo de proporcionar aos visitantes experiências estéticas tendo como referência a palavra ouvida, falada e escrita, o Projeto Negras Palavras tem como eixo o papel e o lugar da voz africana e afro-brasileira em diferentes manifestações culturais, como a contação de histórias, a mediação de leitura, a produção literária e suas diversas formas de difusão. Nesta edição, com o tema “Dramaturgias Negras”, receberemos Dione Carlos, dramaturga autora de Dramaturgias do Front, e Gabriel Cândido, dramaturgo e ator, autor do livro Fala das Profundezas. Os autores conversarão sobre a produção contemporânea de teatro negro e seus livros, que também estarão disponíveis ao público. A atividade é seguida da ...

    Leia mais
    Foto: Rafaela Queiroz

    Mostra do Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Teatro de Santo André – 26/11

    O Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Teatro de Santo André realiza, desde o começo do ano, uma pesquisa sobre textos performativos, tendo como base os estudos de Leda Maria Martins, Paul Zumthor, Jacques Rancière, David Kopenawa e Amadou Hampâté Bâ. A partir destes materiais, propomos realizar apresentações de textos performáticos curtos, criados, desenvolvidos, dirigidos e encenados pelos/pelas aprendizes do Núcleo, tendo como base central a figura de Rosa Maria Egipcíaca de Santa Cruz, primeira mulher negra a escrever um livro no Brasil, intitulado: "Sagrada Teologia do Amor Divino das Almas Peregrinas", publicado no século XVIII. no Sesc Foto: Rafaela Queiroz Como parte do projeto Dramaturgias 2, do Sesc Ipiranga, do dia 5  a 26 de novembro a unidade abriga a Mostra do Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Teatro de Santo André, orientada pela artista Dione Carlos (foto). Encenadas por aprendizes da icônica ...

    Leia mais
    Imagem: MarioLisovski/iStock

    Itaú Cultural abre inscrições para curso EaD focado em dramaturgia negra

    Entre os inscritos, 40 serão selecionados para as aulas No Correio braziliense Imagem: MarioLisovski/iStock O Itaú Cultural abriu inscições para o curso de ensino à distância (EaD) Dramaturgia Negra: A palavra viva. Os estudantes interessados têm até a próxima terça-feira (19/11) para realizar inscrição no curso que será realizado entre janeiro e março de 2020. A lista dos 40 selecionados será divulgada em 13 de dezembro. A proposta do curso é possibilitar discussões e estudos à respeito da dramaturgia com foco multicultural, refletindo sobre influências desde o teatro egípcio até a dramaturgia negra contemporânea, além das heranças indígenas-afro-brasileiras. As aulas são ministradas pela professora Dione Carlos que atua em parceria com companhias de teatro. Ela é orientadora artística do Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Santo André e dramaturga convidada do projeto espetáculo da Fábrica de Cultura da Brasilândia. As inscrições são feitas no site: ...

    Leia mais

    70 anos do músico Itamar Assumpção são celebrados em novo espetáculo de Grace Passô, Anelis Assumpção e Ana Maria Gonçalves


    "PretOperItamar – o caminho que vai dar aqui" estreia no dia 28 de novembro, mês da consciência negra, no Sesc Pompeia Enviado para o Portal Geledés    Foto: Julia Braga Vida e obra do músico Itamar Assumpção são celebradas no espetáculo PretOperItamar – o caminho que vai dar aqui, que estreia no próximo dia 28 de novembro, mês da consciência negra, no Sesc Pompéia, em São Paulo. O projeto foi idealizado pela cantora e compositora Anelis Assumpção - filha do artista visionário - no marco das comemorações de 70 anos do nego dito. Ana Maria Gonçalves, autora de “Um defeito de Cor”, assina a dramaturgia com a premiada Grace Passô, que também dirige o espetáculo. Foto: Duda Portella e Shai Andrade PretOperItamar mergulha na obra do artista e traz ao palco suas performances instigantes, sua indumentária, os marcantes óculos escuros e a ...

    Leia mais

    2ª Temporada de Odara: Tradição, Cultura e Costumes de um Povo

    Após grande sucesso de público, "Odara: Tradições, cultura e costumes de um povo" volta ao teatro Oficina em outubro para sua 2ª temporada! No Clube do Ingresso Espetáculo Odara/Divulgação Espetáculo Odara Encenação do Grupo Odara revive mitos Yorubás e o universo mítico das matrizes africanas e o resultado de uma longa pesquisa sobre a ancestralidade negra e a afrobrasilidade. Entre os dias 04 e 27 de outubro, o Grupo Odara, reconhecido por sua luta pela preservação da cultura afrodescendente por meio de ações sócios culturais voltará com a 2ª temporada do espetáculo ODARA: Tradição, Cultura e Costumes de um Povo no Teatro Oficina, de sexta a domingo. O espetáculo tem a duração de 120 minutos e conta com um elenco de 65 pessoas formado por atrizes, cantoras, dançarinos, capoeiristas, músicos, produtores, técnicos, entre profissionais e alunos participantes das vivencias afros realizadas na casa Florescer. Reúne diversos ...

    Leia mais
    Foto: Paulo Pereira

    Festival gratuito celebra teatro feito por e para pessoas negras

    Mostra acontece no Sesc Interlagos até o dia 3/11 Por Manuela Tecchio, do Folha de São Paulo Foto: Paulo Pereira Com programação inteiramente gratuita, a primeira edição do Festival de Teatro Negro de São Paulo leva o prefixo “Dona Ruth”, uma homenagem a Ruth de Souza, atriz negra pioneira do teatro —a primeira a pisar no palco do Theatro Municipal—, da TV e do cinema brasileiro, morta em julho deste ano. Entre as peças que se destacam na programação está o monólogo “Eu e Ela”, no qual a atriz Dirce Thomaz interage com a história da escritora Carolina Maria de Jesus, uma das primeiras a narrar a vida nas periferias do Brasil. O texto da peça fala ora em primeira ora em terceira pessoa para discutir as questões políticas e sociais de cada época. Já em “Black Brecht”, o Coletivo Legítima Defesa imagina como seriam as ...

    Leia mais

    Nas encruzilhadas do teatro é onde se encontram anjos e divas

    Sabe aquela história fantástica que faz a gente vibrar na mesa de bar, cercada de gente linda, elegante e sincera? Aquela que as amizades dizem: Merecia um filme, uma peça, um conto?  Por Viviane Pistache enviado para o Portal Geledés  Entrevista com Phedra (Foto: Annelize Tozetto)   Miguel Arcanjo levou o conselho a sério, nos agraciando com o espetáculo "Entrevista com Phedra", cujo argumento e texto se baseiam no encontro do jovem jornalista belorizontino na terra da garoa, que também acolheu Phedra D. Córdoba, a diva cubana da Praça Roosevelt.  O novo dramaturgo tem raízes encantadoras: negro das Gerais, é neto de uma liderança histórica do candomblé mineiro e filho de dona Nina, cuja simpatia pode ser conferida também nos temperos que carinhosamente alimenta uma multidão no restaurante popular de Beagá todo santo dia.  De corpo e alma bem alimentados, Miguel traz sustança para o jornalismo ...

    Leia mais
    Jussara Marçal e Jé Oliveira Crédito: Evandro Macedo

    Gota D’Água {PRETA} abre temporada no Sesc Santo André em julho

    Vista por quase oito mil pessoas, a nova versão do texto Gota D’Água realça a realidade negra, a discussão social e de classes e o protagonismo da mulher preta Do ABC do ABC Jussara Marçal e Jé OliveiraCrédito: Evandro Macedo A peça Gota D’Água {PRETA} estreia no Sesc Santo André em 12 de julho e segue com temporada até o dia 28 do mesmo mês, às sextas, sábados e domingos. A montagem, projeto do premiado ator, diretor e dramaturgo Jé Oliveira, fundador do Coletivo Negro, mostra a versatilidade do artista ao transitar entre o Rap e a MPB. Em seu último trabalho, homenageou os Racionais MC’s com a peça-show “Farinha com Açúcar”, que rodou o país por três anos. Pela primeira vez com um elenco predominantemente negro, o espetáculo traz para a cena paulistana a realidade negra que perpassa a obra Gota D'Água, escrita por Chico ...

    Leia mais
    Trio está em Moçambique desde o começo do mês (Cleiton Ferreira/Divulgação)

    De Perus à África: Trupe Liuds leva espetáculo sobre mulher negra para Moçambique

    Uma boneca africana inicia uma longa trajetória em busca das raízes ancestrais. Criada pela Trupe Liuds, em Perus, na região noroeste de São Paulo, a história de Mjiba – a boneca guerreira – atravessou o Oceano Atlântico e chegou às crianças da Maputo, em Moçambique. por Jéssica Moreira no Mural Trio está em Moçambique desde o começo do mês (Cleiton Ferreira/Divulgação) A trupe viajou na primeira semana de junho para o continente africano, onde ficará até o final do mês. Formada pelos palhaços Torradinho (Valmir Santana), 29, Candango (Clébio Ferreira), 34, e Gigica (Girlei Miranda), 57, a peça foi uma das selecionadas pelo FITI (Festival Internacional de Teatro de Inverno) de Maputo. A trupe também está ministrando oficinas de comicidade negra e faz debates com artistas da região. Para os integrantes, a viagem até Moçambique simboliza um verdadeiro fechamento de ciclo, seja para o grupo, que ...

    Leia mais

    RECLUSA, espetáculo do Coletivo Zona Agbara, discute o encarceramento institucional e sociológico das mulheres negras

    A filósofa, ativista e professora norte-americana Angela Davis dizia: “Não aceito mais as coisas que não posso mudar, estou mudando as coisas que não posso aceitar”. Tem-se a certeza de que essa frase ecoa até os dias de hoje e ganha novos contornos com “RECLUSA”, espetáculo de dança da Zona Agbara, coletivo feminino formado por mulheres negras e gordas, que estréia dia 17 de junho de 2019 no Teatro de Contêiner Mugunzá (R. dos Gusmões, 43 - Santa Ifigênia). A entrada é franca. Por Lau Francisco, Enviado para o Portal Geledés (Foto: Sheila Signário) “RECLUSA” discute o encarceramento feminino tanto no viés institucional quanto sociológico. Duro acreditar que as mulheres negras e as mulheres negras e gordas sofram com uma série de estereótipos raciais e sexuais. E que estes mesmos estereótipos possam criar uma variedade cruel de encarceramentos – psicológicos e físicos – lentos genocídios silenciosos ...

    Leia mais
    Capa do livro, que vai ser lançado neste final de semana (foto: Funarte/Divulgação)

    ‘Dramaturgia negra’ reúne 16 obras teatrais de autores negros

    A Funarte vai lançar o livro Dramaturgia negra neste fim de semana, no Rio de Janeiro, durante o Fórum de Performance Negra, e em São Paulo, como parte do Brasil Cena Aberta. Do Correio Braziliense Ao todo, são 16 textos, alguns de escritores premiados, que falam sobre periferia e antepassados dos dramaturgos na África, por exemplo, e misturam narrativas míticas e realistas. A ideia é mostra como é ser negro no Brasil atual. Quem não conseguir comprar a publicação pode encomendar pelo e-mail da Funarte ([email protected]) a partir de segunda-feira (10/6). As peças foram selecionadas e organizadas por Eugênio Lima e Julio Ludemir. Capa do livro, que vai ser lançado neste final de semana(foto: Funarte/Divulgação) Confira a lista de obras e dramaturgos Antimemórias de uma travessia interrompida — Aldri Anunciação Esperando Zumbi — Cristiane Sobral Ialodês — Dione Carlos Vaga carne — Grace Passô Farinha com açúcar ou sobre a sustança ...

    Leia mais

    Jeremy O. Harrys: o dramaturgo sensação na Broadway

    Aos 29 anos, e ainda na faculdade, ele já trilha o caminho da fama com duas peças badaladas na Broadway Por JAYA SAXENA, Da Vogue Jeremy O. Harrys (Foto: Micaiah Carter) Os dramaturgos raramente se tornam nomes conhecidos pelo público. Mas há uma boa chance de Jeremy O. Harris estar a caminho desse tipo de fama. Ele tem 29 anos e ainda estuda na Yale School of Drama, mas sua estreia na Broadway, com a provocante Slave Play, foi lançada no último outono em Nova York com um tipo arrebatador de atenção que qualquer escritor esperaria uma vida inteira para ter. Ele rapidamente seguiu em março com uma nova produção deslumbrante chamada Daddy e agora está sendo saudado como uma das novas vozes mais excitantes, teatrais ou não, de sua geração. Encenada em uma plantação americana no Velho Sul, Slave Play é uma exploração crua de raça e sexo e apresenta ...

    Leia mais
    Página 1 de 11 1 2 11

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist