Estudo recomenda redesenhar aplicativos de relacionamento para combater racismo

“Algoritmos podem induzir à discriminação, intencionalmente ou não”, apontam pesquisadores

Do Instituto Net Claro Embratel

Foto: Reprodução/Instituto Net Claro Embratel

À medida em que a popularidade de aplicativos de namoro e amizades cresce, menos relacionamentos começam em lugares como bares, danceterias e locais de trabalho. O problema, contudo, é que os algoritmos dos aplicativos podem apresentar padrões discriminatórios, principalmente em relação ao preconceito racial. Essa foi uma das conclusões de um levantamento da Universidade Cornell, no Estados Unidos, que apontou a necessidade de redesenhar essas ferramentas evitando filtros de raça e etnia.

“As plataformas de encontros têm a oportunidade de romper estruturas sociais, mas você perde esses benefícios quando há recursos de design que permitem remover pessoas diferentes de você”, sugere o estudo. “A ação do acaso é perdida quando as pessoas são capazes de filtrar outras pessoas”, complementa.

Embora as preferências dos parceiros sejam extremamente pessoais, os autores argumentam que a cultura molda nossas preferências e que os aplicativos de namoro influenciam nossas decisões.

A pesquisa revelou que homens e mulheres negros são 10 vezes mais propensos a enviar mensagens para brancos do que o inverso. “Permitir que os usuários pesquisem, classifiquem e filtrem parceiros em potencial por raça não apenas faz com que as pessoas discriminem, como também impede que elas se conectem a parceiros que talvez não tenham percebido que poderiam gostar”, destaca.

“Decisões de design simples podem diminuir o preconceito contra pessoas de todos os grupos marginalizados, incluindo as com deficiência e transgêneros”, defende.

Mensagens inclusivas

Em 2016, um repórter do Buzzfeed descobriu que o aplicativo de namoro CoffeeMeetsBagel mostrava aos usuários apenas parceiros em potencial de sua mesma raça, mesmo quando esses diziam não ter preferência racial.
Além disso, os aplicativos também podem criar preconceitos. O artigo cita pesquisas nas quais homens que usavam as plataformas encaravam o multiculturalismo menos favoravelmente e o racismo sexual como mais aceitável.

Para desencorajar a discriminação, é sugerido que os apps ofereçam aos usuários outras categorias além de raça e etnia para descreverem a si mesmos.

O aplicativo asiático 9Monsters, por exemplo, agrupa os usuários em nove categorias de monstros fictícios. “Isso pode ajudar os usuários a enxergar além de outras formas de diferença, como raça, etnia e habilidade”, sugere o artigo. Outros aplicativos usam filtros baseados em características como visões políticas, histórico de relacionamento e educação, em vez de raça.

Uma segunda ação para impedir o preconceito seria incluir mensagens e campanhas inclusivas. “Mudanças como essas poderiam ter um grande impacto na sociedade”, finalizam os pesquisadores

+ sobre o tema

UEFA pedirá a capitães europeus para usar braçadeiras antiracismo

Por Brian Homewood GENEBRA, 22 Out (Reuters) -...

Queixas de racismo e xenofobia batem recordes em Portugal

Desde que a nova lei entrou em vigor em...

Impasse inaceitável

O Direito humanitário internacional agoniza, e o multilateralismo fenece,...

para lembrar

Horário eleitoral deve ser proporcional para candidatos negros, propõe FGV ao TSE

Dividir o tempo do horário eleitoral (TV e rádio)...

ONU contesta Mourão e pede debate urgente sobre o racismo brasileiro

Em nota publicada nesta sexta-feira, 20, a Organização das...

Nota: Não é exposição de homens negros, é denuncia fiel de uma pagina racista!

Esta é a reprodução fiel de uma pagina racista,acreditamos...

Enfim, medidas contra o racismo nos estádios

Tem início no próximo sábado, na Rússia, a Copa...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=