Eu, mulher negra racista. Uma conversa que também é sobre você

“É vocês negras que têm a auto-estima baixa e não aceitam determinados elogios. O problema está em vocês. Inseguras”.

por Charô Nunes

A primeira vez que fui acusada de ser mulher negra racista foi durante uma terapia. Agora imaginem essa preta aqui ficando bege de listinhas rosas e bolinhas azuis ao ouvir que sou uma mulher negra racista. Eu era o problema, a agente de meu sofrimento. Não a cultura branca de exclusão que de tão hegemônica passa desapercebida por negros e brancos. O racismo não é um problema meu, sempre é do outro. E daí que a gente perde a oportunidade de  conversar a respeito, juntos.

Um dos aspectos mais interessantes (e cruéis) do racismo cordial é justamente advogar que o pior racista é o próprio negro, nesse caso uma manicure que se orgulha de atender apenas clientes brancas. Se for discriminada e não tiver força para reagir, a culpa também será toda sua. Sempre você, você, você. E o que dizer da mãe que decidiu clarear a própria pele e a dos filhos? Definitivamente uma mulher negra racista.

Mas o que você faria se ensinada desde muito cedo que ser negro é muito ruim? Se sua mãe não tivesse tido a oportunidade de fortalecer sua própria autoestima e assim nunca ter podido ensinar nada a você? O você faria se todos os dias visse uma mundo completamente branco na televisão e nos telejornais? O que fazer se o mundo te diz que seu cabelo é feio, seu nariz é largo demais?

MAS NÃO EXISTE UMA ÚNICA MULHER NEGRA RACISTA?

Não. Conceitualmente a única posição da mulher negra em relação ao racismo é de vítima. Minha crítica questiona qual seu grau de aliança para com a cultura branca racista, os privilégios e os danos causados em função disso. O negro que administra a fazenda escravocrata em Django Livre é tão vítima quanto qualquer outro. Precisava sobreviver e ele escolheu muito mal seu método e seus aliados.

Muitos diriam que as mulheres (lindas, vitaminadas e absolutas) de Dark Girls também são racistas, vítimas de seu próprio preconceito por acreditarem nos discursos da branquitude racista. Basicamente, o problema não é todo um sistema que nos oprime mas a vítima. Primeiro o racismo te desnuda, te mantém continuamente despida e depois te acusa de não estar com a armadura correta. Bravo!

Não estou dizendo que não existem alternativas ou medidas legais devem ser deixadas de lado. Apenas que encontrar uma porta branca num ambiente completamente branco é tarefa complicada. É preciso contar com um golpe de sorte para encontrar a saída ou dar de cara com alguma rota que se encontra desobstruída. Infelizmente, muitos passarão toda uma vida ali dentro, sem perceber que um mundo colorido existe lá fora.

SUA VEZ: VOCÊ JÁ FOI ACUSADA DE SER MULHER NEGRA RACISTA?

P.S.: reconheço que deveria ter usado mil aspas. Mas não é assim que a vida funciona aqui fora. Decidi fazer o mesmo.

P.S.P.P.S.: em outras épocas eu diria – que diabos você está fazendo aqui? Faça uma favor pra humanidade e vaza! Respira fundo, recompõe. Mas esse tipo de argumento precisa ser respondido para que as pessoas entendam. E por ser um exercício intelectual sadio. Não, não estou de capa e espada escrevendo esse post, ainda! Agora, à oneirophanta do dia!

Fonte: Oneirophanta.org/

+ sobre o tema

Esta imagem escancara o preconceito e a luta contra ele

Uma propaganda escancarou o preconceito e a intolerância da...

Coronel da PM é preso em flagrante acusado de estuprar menina de 2 anos

Um coronel reformado da Polícia Militar foi preso, na...

Reinaldo Azevedo, Veja e Rádio Jovem Pan são condenadas a indenizar a cartunista Laerte em R$ 100 mil

Valor será revertido para as Mães pela Diversidade   POR PAULO...

para lembrar

A sobrevida da geladeira e a vida das Marias

Carregamos nos braços nossa herança, nossas histórias e através...

Julho das Pretas dá tom estratégico para valorização da mulher negra

Pertencimento, identidade, valorização e empoderamento. Com um nome para...

Como seriam os super-heróis se eles fossem desenhados como as heroínas?

Super-heróis são fortes e ágeis. Heroínas são gostosas. Não...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=